Escolha uma Página

Sábado o Palmeiras conseguiu uma vitória contra a Ponte Preta, que apesar do placar magro(foi apenas 2 a 1), deu pra se tirar algumas conclusões que podem(e possivelmente farão) muita diferença no futuro, já que ontem surpreendendo a todos, ele escalou Valdívia e Daniel Carvalho no meio-campo, aproveitando a suspensão do Maikon Leite.

Os lances de ambos mostraram que quando se tem técnica, até o fato de ambos ainda não estarem a 100% do seu ritmo(o Valdívia voltou a pouco e o Daniel acredito que ainda possa chegar a uma condição melhor que a atual, apesar de já praticamente aguentar os 90 minutos) acaba tendo pouca influência e o lance do primeiro gol foi a clara prova disso: em bela tabela de ambos, o Daniel deixou Juninho livre para abrir o marcador. Pouco depois, mostrando que o pé continua calibrado, Marcos Assunção faz um lindo gol em cobrança de falta.

O que se viu depois, foi um entrosamento de quem parece que há tempos já joga junto, pois os dois tabelavam com uma facilidade, que dava a impressão de que um já sabia pra onde o outro ia. O Palmeiras criou diversas chances de perigo através dos pés de ambos, porém o único problema nessa escalação, foi o fato de o Barcos ficar isolado entre os zagueiros adversário, pois como ambos chegam de trás, não tem aquele outro atacante para puxar a marcação e abrir mais espaços para ele, tanto que no primeiro tempo ele pouco apareceu no jogo.

O segundo tempo reservou um dos lances mais bonitos do jogo: uma linda tabela entre o Valdívia e o Daniel, só com passes de primeira, uma grande pena que não se converteu em gol o lance. A Ponte ainda descontou com Ferron, mas nada que pudesse de fato ameaçar o jogo seguro alviverde, que teve maior participação do Barcos, onde ele até criou algumas chances de mais perigo, porém sem conseguir converter em gol.

A vitória levou o time aos 32 pontos e garantiu ele na liderança, com um ponto de vantagem sobre Corinthians e São Paulo.

Vendo o jogo, tive a mesma impressão que tinha para imaginar o porquê o técnico não coloca os dois juntos em campo: a recomposição defensiva deles, até devido a condição física de ambos, desgastaria por demais eles, o que no final acabaria sendo prejudicial ao próprio time.

Outro problema é a questão do ataque: o ideal é que eles joguem com dois jogadores à frente, porém atualmente devido a razão citada, acaba-se tendo de sacrificar um homem de frente, para que se possa por ambos em campo. Creio que com o tempo e se ambos mantiverem o ritmo e ganahrem mais condicionamento, esse “time ideal” deva sair, porém por enquanto ou joga um ou outro, ou se jogarem os dois, sai um atacante(no caso o Maikon Leite)

O próximo jogo do time é na quarta contra o Coruripe, pela Copa do Brasil e domingo o Clássico contra o Corinthians e acredito que em ambos jogos, o Felipão use o esquema tradicional, possivelmente com um em cada jogo(Daniel contra o Coruripe e Valdívia contra o Corinthians).

Interessante ver que hoje em dia se discute qual a opção ideal do time jogar, quando ano passado, tentava-se encontra ao menos uma opção. Hoje em dia temos ao menos 3: Valdívia ou Daniel e Maikon e Barcos, Valdívia e Daniel/Barcos, Valdíva e Daniel/Maikon e Barcos. Pena que essa última ainda está mais distante de ocorrer, pois seria um futebol no mínimo bonito de se ver.

 

%d blogueiros gostam disto: