Escolha uma Página
7 notícias que mostram: nada mudou no futebol brasileiro

7 notícias que mostram: nada mudou no futebol brasileiro

Terminada a copa do mundo, muita coisa foi dita sobre o futebol brasileiro(aqui então, praticamente todos deram seu “pitaco” no problema), seguiu-se algumas “mudanças” na seleção, os campeonatos voltaram e a vida, digamos, continuou.

Porém perto do fim do ano(ainda tem algumas rodadas, a final da copa e as quartas da sul americana), e pegando apenas desde o término da copa, como tantos temas no mínimo nojentos, tiveram algum destaque no noticiário do futebol nacional, que fica praticamente auto-explicativa a razão do porquê as coisas aqui estão um lixo e como a perspectiva de mudar está tão, mas tão distante…

(mais…)

Copa do Brasil – oitavas de final

Copa do Brasil – oitavas de final

Depois das zebras da semana passada, onde Inter, Fluminense e São Paulo saíram de forma patética da Copa do Brasil(difícil dizer qual delas foi mais ridícula, apesar de eu achar que foram os 5 a 2 do Flu em casa), foi feito o sorteio com os 10 times classificados, mais os 6 oriundos da libertadores.

Agora analisaremos os confrontos e ver quais as maiores chances de classificação de cada um deles:

(mais…)

Dossiê futebol/seleção nacional – dívidas dos clubes

Dossiê futebol/seleção nacional – dívidas dos clubes

Seguindo a série do dossiê, hoje vamos analisar a questão das dívidas dos clubes.

Em tempo: não vou aqui colocar números sobre dívidas totais de clubes, primeiro porque eles não divulgar, segundo porque muitas vezes vazam valores divergentes, que deixam muitas dúvidas sobre a real saúde financeira de cada um, então vou me basear na questão mais evidente: investimentos, sejam eles em estrutura, jogadores, base e os compromissos básicos, como salários e contas do clube.

(mais…)

Vasco e Fluminense: um, outro ou os dois na b?

Vasco e Fluminense: um, outro ou os dois na b?

Essa penúltima rodada do brasileiro foi certamente contra tudo que se espera de uma disputa pelo rebaixamento. Todos times em questão, a exceção do Fluminense, saíram vitoriosos. Criciúma, Coritiba, Portuguesa, Vasco e Bahia.

Desde que começou o campeonato por pontos corridos, não se viu tamanha reação dos times da parte de baixo da tabela, pior para Vasco e Fluminense, que podem morrer abraçados e irem juntos para a segunda divisão, além do que na melhor das situações, apenas um se salva, pois o Flu só pode passar o Coxa e o próprio Vasco, ou seja, se o Vasco se salva, o outro cai e vice-versa.

Isso apenas coroa as administrações amadoras e extremamente incompetentes dos times cariocas, que poderia até ter o Flamengo incluso, porém há uma certa dose de sorte naquele time, pois ele com certeza é dos piores exemplos do futebol do rio, mas ainda sim, sempre dá um jeito de safar-se.

O Vasco depois do título da Copa do Brasil, daquele bom time que disputou o título brasileiro até a última rodada, assim como fez um bom papel na libertadores de 2012, o time foi se esfacelando, não teve um planejamento para manter uma equipe competitiva, perdeu o Dedé para o Cruzeiro e montou um time horrível para dizer o mínimo para esse brasileiro e agora começa a pagar o preço.

O Fluminense por sua vez paga pela falta de planejamento. Do time campeão ano passado, saíram Wellington Nem, Thiago Neves, Deco se aposentou e deixaram somente o Fred para carregar o time e para completar ele se machuca e dos grandes destaques do time campeão, não sobrou quase ninguém, colocaram os jogadores da base em uma grande fria e alguns outros jogadores de qualidade muito duvidosa e agora apenas um milagre salva o time de cair(uma queda merecida diga-se, pois eles desde 2000 devem uma série B, já que se beneficiaram de uma virada de mesa na Copa João Havelange, finalmente irão pagar).

Certamente esse foi o Brasileiro mais equilibrado no que se diz respeito a parte de baixo da tabela, pois exceção feita ao Naútico e posteriormente a Ponte Preta, que acabou abdicando do campeonato visando o título da Sul americana, os demais tiraram vitórias de onde nem se imaginava. O próprio Criciúma, que está quase salvo, até algumas rodadas atrás estava até atrás da Ponte e era visto como fadado a série B, hoje depende apenas dele para safar-se.

O Coritiba idem, chegou até o Z-4, depois acabou por reagir quando ninguém mais acreditava que isso fosse possível e apesar da atual situação de risco, depende apenas de suas forças para safar-se.

Pior para os cariocas que dessa vez não tiveram a incompetência alheia para salvá-los e ainda correm o risco de no ano que vem terem menos representantes na primeira divisão que Santa Catarina, ponto para o futebol com alguma responsabilidade, onde dois grandes exemplos de como NÃO se deve administrar um clube estão prestes a amargar mais uma vez a segundona.

O que uma vitória não faz…

O que uma vitória não faz…

A vitória pode mudar a cara e a sorte de um time, principalmente se for em uma partida decisiva e ao que parece o Palmeiras está sabendo aproveitar bem a vitória excelente que obteve na última quarta contra o Grêmio, um 2 a 0 convincente, que deixou a vaga na final muito próxima do time alviverde.

Indo contra toda expectativa de meio mundo(inclusive até de muitos torcedores do time), o Palmeiras seguiu mais ou menos a lógica das suas atuações na Copa do Brasil: um time regular, costuma errar muito pouco, além de razoável eficiência defensiva, porém o que ninguém imaginava era uma atuação tão acima da média, pois além de manter o padrão citado, o time simplesmente não deixou o Grêmio jogar, tanto que o goleiro Bruno pouco trabalhou durante os 90 minutos.

Creio que a mudança fundamental no time, foi a entrada do Henrique como líbero(ou zagueiro/volante como alguns disseram), ele tem uma saída melhor que a do Márcio Araújo e também defende melhor do que ele. Opinião minha foi uma ideia excelente, pois o zagueiro vinha descendo com muita frequência(e dá pra dizer que com relativa qualidade), e acabava dando espaços na defesa… isso corrigiu dois problemas, pois além de dar um primeiro passe melhor, dá um primeiro combate mais firme na defesa(já que ele é zagueiro de origem) e não deixa tanto a zaga no mano a mano, pois ele é um jogador razoavelmente rápido.

O time tendo essa segurança defensiva, conseguia armar bem as jogadas na frente, pois o Marcos Assunção tinha mais liberdade para sair, assim como os laterais(ou melhor o Juninho de cara e o Cicinho no fim, quando entrou no lugar do Artur, que sentiu e teve de sair) e tendo bolas mais bem colocadas, o Barcos teve uma atuação de destaque na frente, levando muito perigo ao gol tricolor.

A recompensa acabou vindo no final, quando o Mazinho, que entrou no lugar do Daniel Carvalho, que teve apenas atuação regular, entrou bem e abriu o placar, e depois em bom cruzamento pela esquerda, que o Barcos marcou.

Dois gols de vantagem em um confronto desses é uma vantagem até além das expectativas, ainda mais contra um time que vinha com 100% no campeonato. O jogo terá estádio cheio e deve levar o Palmeiras de volta a uma final de campeonato importante depois de mais de 10 anos.

O resultado deu um ânimo extra ao time, que no Brasileirão, apesar de não ter vencido, teve um boa atuação contra o líder Vasco, tendo domínio de boa parte do jogo, quando saiu na frente com um bonito gol do Mazinho, porém em uma falha do Bruno, acabou sofrendo empate no final.

Depois de duas boas partidas, é de se imaginar que o time suba de produção, pois além de tudo a confiança vem sendo resgatada, e seguindo até o exemplo do Vasco, que no começo do ano passado, era tratado como um time de “refugos”, hoje é considerado um dos favoritos ao Brasileiro(claro que contratou alguns bons nomes, como o Juninho Pernambucano), justamente depois de ser campeão da Copa do Brasil do ano passado.

Para finalizar um comentário sobre o Mazinho: ele vem sendo uma peça importante que o Palmeiras não tinha há muito tempo: alguém que pode entrar durante o jogo e mudar a cara do time, pois por ser um jogador de velocidade e ter até boa habilidade, consegue dar uma opção ao técnico de mudar o esquema de jogo do time colocando alguém que se pode esperar algo(diferente do Ricardo Bueno, que quando entrava, já se sabia que nada ia sair dali). Bom achado do competente César Sampaio, que vem se mostrando um bom diretor de futebol.