Escolha uma Página
Tem coisa errada

Tem coisa errada

entrevista

 

Segunda-feira ocorreu uma cena muito estranha no Corinthians. Ralf, Renato Augusto e Fabio Santos, supostamente líderes do time, deram uma entrevista defendendo o treinador Mano Menezes, sob os olhares atentos do presidente em final de exercício Mario Gobbi.

O mesmo Mario Gobbi que demorou exatos 18 minutos na resposta à primeira pergunta para defender o retranqueiro treinador corinthiano. (mais…)

Dunga Sim

O velho novo treinador da seleção brasileira.

O velho novo treinador da seleção brasileira.

Nos últimos dias, tomou conta da grande mídia a confirmação extra-oficial de que Dunga será o próximo técnico da seleção.

O comandante de 2010, muito contestado por uns, idolatrado por outros, está de volta, sendo quase uma unanimidade que não deveria ser ele o novo técnico. Pois eu sou completamente a favor, e explico. (mais…)

Tem elenco e tem padrão

Tem elenco e tem padrão

Padrão do time corinthiano.

Não tenho me animado a escrever aqui porque sinceramente o Campeonato Paulista não é muito passível de análises, por falta de competência técnica dos competidores.

Mas tenho observado algumas coisas no Corinthians que se confirmaram ontem na Copa Santander Libertadores.

Antes de mais nada, gostaria de deixar claro que ainda acho o Tite um técnico muito fraco para comandar o Corinthians. Porém, quando ele acerta devemos aplaudir e reverenciar.

Independente dos resultados dos jogos, que aliás é o que menos importa a essa altura, principalmente no Paulistinha, a equipe do Parque São Jorge tem mostrado que possui duas coisas muito importante no futebol atual: Padrão de Jogo e Elenco.

Mesmo mesclando várias vezes os jogadores titulares com os reservas, o Corinthians tem mantido uma forma de atuar, que gostemos ou não (eu, particularmente, prefiro um time mais agressivo) tem dado certo. Foi com o futebol “burocrático”, de toque de bola e muito 1 x 0 que o time chegou ao título brasileiro do ano passado, e tem mantido isso neste ano.

Pode-se argumentar que é um jogo feio, mas mantendo a posse de bola e marcando à frente do meio de campo, como fez ontem contra o Nacional do Paraguai, o Corinthians corre muito pouco risco, e sua defesa nem é verdadeiramente testada. Quando se fala da defesa pouco vazada, deve-se lembrar que estamos falando de um sistema, e não somente de dois zagueiros que fazem o trabalho sozinhos.

Além disso, é de se admirar o conhecimento sobre o elenco e a excelente utilização que vem sendo feita pelo técnico Tite. Priorizando a condição física dos seus atletas (vale lembrar que no ridículo futebol brasileiro pré-temporada é luxo), ele vem fazendo um rodízio e dando oportunidade a todos, e ninguém está jogando somente com o nome, têm ficado no time titular os melhores jogadores. Tudo isso sem que haja crise de ciúmes, chilique em público ou reclamações sobre a insatisfação de não jogar.

Sou um crítico contumaz dele, mas neste momento, palmas para o Tite.

Hora da espera.

Hora da espera.

Olá meus amigos, feliz 2012 a todos.

Após um final de ano muito feliz, com o título de campeão brasileiro, é hora do Corinthians se preparar para a próxima temporada.

Sobre o elenco, a diretoria manteve a base, o técnico (infelizmente) e acredito que o time terá a mesma estrutura do ano passado. Ainda acho que faltam um goleiro e um lateral para cada lado, pois o semestre vai ser bem apertado. Vieram jogadores de times pequenos, sem muito nome, e isso é bom, pois com um baixo investimento podemos ter jogadores muito úteis durante o campeonato.

Ontem vi o jogo amistoso contra o Flamengo, e com todas as ressalvas que um jogo de pré-temporada precisa ter achei bem interessante a postura do time, principalmente no primeiro tempo, quando jogou com seu time titular. Contra um time que deveria estar muito melhor fisicamente, pois tem compromisso pela Libertadores em breve, o Corinthians conseguiu manter o domínio da posse de bola e foram raras as vezes em que o adversário passou do meio campo. Destaque para o Fábio Santos, que se apresentou muito bem e errou pouquíssimos passes e inversões de jogo. Sobre o Liedson não precisamos falar nada, o cara é diferenciado mesmo, e aparentemente o Alex vai se firmar como titular. No segundo tempo, gostei muito da atuação do Nenê Bonilha (acho que é esse o nome) como lateral direito, mas não dá para avaliar o garoto por uma partida amistosa, ainda mais que ele é volante de origem. Mas o Alessandro que se cuide.

Este é um momento de muita especulação e pouca notícias, então o foco deve ser a preparação física para aguentar a temporada. Por que o Adriano não treinou nas férias, ao invés de ficar baladeando por aí? Agora precisa de mais duzentas mil semanas para ele entrar em forma, um absurdo isso, mostra a omissão da diretoria neste tipo de comportamento amador de alguns jogadores.

E por enquanto é isso, só nos resta aguardar, separar as especulações das notícias de verdade e ver o que o Corinthians trará de diferente para o ano que se inicia.

Não engrena

Não engrena


E o Corinthians perdeu a chance de praticamente ser campeão ontem.

Com o resultado negativo do Vasco, era só a equipe paulista bater no lanterna do campeonato, em um estádio que tinha praticamente somente corinthianos, para abrir 3 pontos + 1 vitória de vantagem, ou seja, uma rodada de folga para o segundo colocado, com 5 jogos a serem disputados.

Por algum motivo que não consigo entender, o time simplesmente não engrena.

Poderia ficar aqui reclamando que o Tite é um covarde (ou cagalhão, como ele mesmo prefere dizer), que o Julio Cesar tem braço de dinossauro, que o time jogou sem vontade, mas por que isso acontece tudo na mesma partida?

Será que há algum foco de insatisfação dos jogadores? Será que a diretoria não está honrando seus compromissos? Poderia montar centenas de teorias da conspiração aqui, mas acho que falta somente uma coisa para o Corinthians: personalidade.

Falta um jogador que ponha a bola debaixo do braço, diga “é minha” e seja o verdadeiro maestro do time, vá pra cima quando precisar, segure o jogo quando for necessário, e chame a responsabilidade pelas vitórias, tentando, arriscando, mesmo que ao final seja um completo e miserável fracasso.

Não me importo de ver meu time perdendo títulos, todos que disputam correm esse risco, afinal, somente um vence, mas perder dessa forma apática, sem vontade, deixando a sensação de que poderia ter ido muito melhor… desculpem, mas é deprimente.

Por que a carroça corinthiana (não dá para chamar de carro né?) não engrana? Comenta aí!