Arquivo da tag: poder economico

O Abismo entre os clubes na 1ª divisão do Brasileirão

O futebol brasileiro, dentre os principais países do mundo, talvez tenha sido o que mais demorou para aderir definitivamente ao profissionalismo e ao poder do dinheiro.

Até a década de 80 a Televisão ainda tinha muito pouco poder sobre os clubes e os campeonatos, os valores de patrocínios eram quase irrisórios, e praticamente não haviam diferenças estruturais entre os clubes da primeira divisão. Bem por isso se justifica a grande variação de campões que tivemos na extinta Copa Roberto Gomes Pedrosa e também nos 15 primeiros anos do atual formato de campeonato Brasileiro.

De 71 a 85 por exemplo, no campeonato brasileiro tínhamos:

– Internacional e Flamengo com 3 títulos
– Palmeiras com 2 títulos
– Atlético Mineiro, Fluminense, Grêmio, Vasco, Coritiba, Guarani e São Paulo com 1.

Ao todo 10 times campeões.

De lá para cá foram 28 campeonatos brasileiros e:

– 5 títulos do São Paulo e Corinthians
– 3 de Flamengo (sim 87 ele foi o campeão brasileiro) e Vasco
– 2 de Palmeiras, Santos, Cruzeiro e Fluminense
– 1 de Atlético Paranaense, Bahia, Grêmio e Botafogo.

Ou seja, em 15 anos tivemos 10 times campeões e nos 28 anos seguintes apenas 12 times diferentes campeões. Se compararmos com os torneios internacionais é um número excelente, mas se considerarmos no âmbito brasileiro encontraremos gradualmente um sinal de início de monopólio.

Dos 12 times do eixo RJ, SP, MG e RS, Atlético Mineiro não vence brasileirão há 41 anos, Internacional há 35 anos,  Palmeiras 20 anos, Botafogo 19, Grêmio 18, Vasco 14 e Santos 10.

O estado do Rio Grande do Sul nos últimos 30 anos venceu apenas um campeonato brasileiro, Bahia também 1, Minas Gerais apenas 2, Paraná 2, Rio de Janeiro 9 e São Paulo 14. O estado Paulista venceu quase metade dos campeonatos brasileiros desse período.

Isso é sinal claro que a diferença econômica e de infraestrutura dos estados chegou definitivamente no futebol desde então. Hoje por exemplo se colocarmos no papel o poder aquisitivo de clubes como Corinthians e Botafogo, é impossível afirmar que ambos entram com chances iguais em seus campeonatos. É impossível até afirmar que hoje ambos são grandes.

Não analisamos história e sim condições profissionais de competição. No último final de semana os jogadores do Botafogo entraram em campo com uma faixa citando todas as dívidas que o clube tem com seus funcionários atualmente. (Sim jogadores de futebol são funcionários CLT como todos nós).

É absurdo pensar que em um país que Flamengo e Corinthians recebem cotas de TV e patrocínio de camisa a altura de grandes clubes do mundo, nós tenhamos um clube de primeira divisão, da cidade que irá receber as próximas olimpíadas e acabou de sediar a final do copa do mundo, devendo 3 meses de salário para seus jogadores. Isso porque estamos falando do clube que junto com SPFC mais cedeu jogadores para seleção brasileira em copas do mundo.
Imagina se analisarmos os clubes do interior do estado ou mesmo dos demais estados do país.

Aliás, hoje na primeira divisão do futebol brasileiro temos apenas 4 clubes fora das regiões Sul e Sudeste do país. Esse é um exemplo claro do ABISMO que existe no futebol brasileiro e que já chegou com toda força até a primeira divisão do país. Quando nós do Em cima Da Linha cobramos que não seja apenas o técnico da seleção alterado, mas sim toda a estrutura, todos dirigentes que comandam a CBF, é por isso.

O futebol brasileiro passa por um processo de desmoronamento em suas estruturas. Se não tivemos clubes pequeno revelando jogador, não vamos ter seleções brasileiras com novos craques. Apenas as escolinhas dos clubes grandes não são suficientes para apresentarem novos ronaldos, romários, etc.

É por isso que cada dia mais aumentamos o limite de jogadores estrangeiros em nosso país. Pois no final das contas, sai muito mais barato contratarmos jogadores medianos nos países vizinhos do que investir na escola de base. E mesmo que tenhamos uma ótima estrutura, como a do São Paulo em Cotia, se não tivermos mãos de obra qualificada, se não tivermos jogadores sendo revelados fora do eixo, não teremos novas perspectivas.

Ou fortalecemos nosso futebol, ou não voltaremos tão cedo a vencer copa do mundo.