Escolha uma Página

Duelo de campeões agitam as semifinais da Copa das Copas

De um lado, Brasil e Alemanha. Do outro, Argentina e Holanda.
Se já não bastasse o peso e a tradição das camisas, os quatro times que entram em campo pela disputa de uma vaga na final contam com uma bagagem bem recheada de troféus: são 10 títulos mundiais e 11 vice-campeonatos em campo.
No primeiro duelo, logo mais às 17h, no Maracanã, Brasil e Alemanha são responsáveis por oito títulos e mais seis vices.
Já as seleções da Argentina e da Holanda somam dois títulos mundiais e cinco vice-campeonatos.
E não para por aí. Esta é a primeira vez na história que as semifinais reeditam duas finais de Copas passadas.
Brasil e Alemanha entram em campo hoje para reeditar a final da decisão de 2002, que foi disputada em 30 de junho no Internacional Stadium, na cidade de Yokohama no Japão. Naquela ocasião, o Brasil venceu a Alemanha por 2–0, com gols do Ronaldo.
Coincidentemente, o outro jogo da semifinal entre Argentina e Holanda reedita a final de uma outra Copa: a de 1978.
A 11ª Copa da história foi disputada no país dos hermanos que ficaram com o título após vencer a Holanda por 3×1 na prorrogação. Vale dizer que nesta copa, o Brasil ficou em terceiro lugar.
E para encerrar as coincidências, outra disputa chama a atenção. Nesta Copa 2014, os quatro times que estão nas semifinais disputam acirradamente a artilharia da competição. Müller (Alemanha), Messi (Argentina) e Neymar (Brasil) marcaram quatro vezes cada e tentam (excluindo Neymar que está fora da Copa) alcançar o colombiano – já eliminado – James Rodríguez. Robben e Van Persie da Holanda estão logo atrás, com três gols cada.
Um pouco mais atrás e ainda na disputa, o brasileiro David Luiz e Hummels (Alemanha) com dois gols cada.
Apenas por este histórico já dá para ver que serão disputas bem acirradas. E que vença o melhor futebol.

A primeira fase da copa em números

A primeira fase da copa em números

Terminou a primeira fase da copa do mundo e as fases finais estão batendo à porta, então vamos analisar alguns números sobre a copa, alguns até mesmo muito curiosos…

Até o momento tivemos:

48 jogos disputados
134 gols marcados

A marca é tão impressionante que as duas últimas copas terminaram com pouco mais de 140 gols (147 em 2006 e 145 em 2010) e isso que ainda teremos mais 16 jogos, chance de termos a melhor marca de gols em uma única edição de copa(que foi em 1998 com 171 gols), porém muito difícil de superar a melhor média que foi em 1954 com a média até certo ponto absurda de 5,4 gols por jogo(seria bom se os jogos tivessem tal média)

Gols por grupo(ordem de gols marcados):

Grupo B – 22
Grupo E – 19
Grupo G – 19
Grupo A – 18
Grupo C – 17
Grupo H – 15
Grupo F – 14
Grupo D – 12

Por muitas razões não me surpreende o fato do grupo D ser o com menos gols…

Gols por partida:

5 jogos 0 x 0
14 jogos com 3 gols
9 jogos com 4 gols
4 jogos com 5 gols
2 jogos com 6 gols
1 jogo com 7 gols (o 5 x 2 da França contra a Suiça, jogo com mais gols até agora)

A quantidade de jogos com 3 ou mais gols marcados chega a surpreender, haja visto que acostumamos a ver jogos sempre com aquele futebol retranqueiro onde o não perder é mais importante que o ganhar, espero que essa não seja uma tendência apenas para essa copa.
Artilheiros:

Messi, Neymar e Müller com 4 gols.
Van Persie, Robben, Benzema, Shaquiri, Enner Valência, James Rodrigues com 3 gols.

Destaque para os artilheiros, 9 jogadores com 3 ou mais gols sendo q apenas um está fora(Valência) faz aumentar as chances de que o artilheiro supere a marca da copa passada, que foi de 5 gols e quem sabe até chegue na de 2002, onde o Ronaldo fez 8 gols.
Piores ataques:
Camarões, Irã e Honduras 1 gol
Inglaterra, Grécia e Rússia 2 gols(isso só comprova o quão ridículas foram as campanhas dessas seleções e ter a Grécia classificada com essa marca é realmente lamentável…)

Melhores ataques:

Holanda 10 gols
Colômbia 9 gols
França 8 gols
Apenas para situar a seleção brasileira: tem o quarto melhor ataque com 7 gols, jutamente com Alemanha e Suiça.
Piores defesas:

Camarões 9 gols(o que eles vieram fazer afinal nessa copa?)
Honduras 8 gols(esses nem me surpreendem)
Portugal, Suiça e Espanha 7 gols

Surpreende só a Suiça aqui com tantos gols tomados, porém eu condiciono isso ao “fator Senderos” que ocorreu no jogo da França.

 

Classificados por continente(a américa colocarei como apenas um, incluso conmebol e concacaf)

8 americanos
6 europeus
2 africanos

Não há como negar que ver tantos americanos classificados nesse mundial chega a ser surpreendente, ainda mais se colocarmos que entraram 10 no total nessa copa(apenas Honduras e Equador foram eliminados na primeira fase).

Alguns dados que ilustram um pouco como foi a primeira fase e apenas comprovam algumas coisas óbvias como as boas campanhas de Colômbia e Holanda ou as campanhas ridículas de Camarões e Honduras, mas que apenas reforçam que essa vem sendo a copa do futebol ofensivo.

 

Foi bom, pero no mucho.

Foi bom, pero no mucho.

E acaba de terminar a primeira  fase para os times do Grupo F.

Argentina, com 9 pontos, e Nigéria, com 4, são as equipes classificadas. A Bósnia com 3 e o Irã com 1 voltam para casa.

Se por um lado os eliminados saíram até melhor que o esperado (Se bem que achei que a Bósnia classificaria), Argentina e Nigéria ficaram devendo nesta primeira fase.

Por um lado, os hermanos mostraram uma excessiva dependência de Lionel Messi. Para se ter uma ideia, dos 6 gols marcados pela Argentina, 4 foram de La Pulga, e um foi contra. Ou seja, apenas um gol foi marcado por outro jogador de nossos vizinhos-irmãos. Porém, refletindo um pouco mais profundamente, talvez seja melhor ter um Messi de quem depender, e ele corresponder, do que não ter nenhum talento no time ou os talentos não fazerem o que deles se espera. Vejo a situação da Argentina muito parecida com a de Portugal, com a diferença de que o Cristiano Ronaldo não está conseguindo render, fisicamente.

messi2

De qualquer forma, as dificuldades da defesa argentina bem como a armação deficitária são evidentes, e no confronto da próxima fase, muito provavelmente com a Suíça, prevejo dificuldades.

Já a Nigéria, conforme falei aqui, demonstrou a mesma dificuldade das outras seleções africanas, com uma generalizada falta de talento, habilidade e criatividade. Classificou-se mais pela inocência da Bósnia, que poderia ter vencido o confronto direto, do que por méritos. Acredito que seja saco de pancadas para a França, e pode consagrar o Benzema na artilharia.

Agora é esperar os jogos do final da tarde para ter a confirmação dos adversários. Mas pelo que mostraram na primeira fase, os times do grupo F têm muito com o que se preocupar, e ainda bem que a partir das oitavas-de-final as coisas podem mudar completamente.

Lionel + 10

Lionel + 10

messi

E começou a copa para a Argentina.

Ao contrário da maioria das pessoas, que acha que a Argentina foi péssima em campo, acho que dentro do possível, foi bem.

Para ser sincero, sou adepto da teoria de que não dá para analisarmos muita coisa na primeira rodada, exceto em partidas como a da Holanda ou da Alemanha. Tem o nervosismo na estreia, muito jogador que nunca pisou em campo por uma copa do mundo, por aí vai. Então na primeira rodada o importante é vencer.

Achei que o time argentino relaxou muito no primeiro tempo com o gol relâmpago (acho que somente um jogo nessa copa não teve gol até os trinta do primeiro tempo, o jogo da França), e depois melhorou no segundo tempo, quando o gol da Bósnia parecia maduro. Aliás, o gol da seleção europeia mostrou que eles realmente entendem do riscado, com uma bela enfiada de bola no meio da fraquíssima defesa argentina.

O que mais me espantou na seleção argentina foi a Messidependência. Todos os lances em que tinha a bola, o time argentino olhava para ver onde estava o Messi, e jogava a bola para ele, tendo condições ou não. E ao contrário do Barcelona, onde isso acontece mas quem dá o passe pra ele se movimenta pra receber, os jogadores portenhos simplesmente davam a bola nele e ficavam esperando ele driblar o outro time inteiro e resolver.

Contei pelo menos 4 vezes em que o Messi driblou 3 zagueiros e não encostou ninguém pra tabelar com ele.

Se quiser ir longe nessa copa, a dependência de Lionel Messi é, ao meu ver, o problema mais sério a se resolver – até porque a defesa não tem como arrumar agora.

E vamos ver o que acontece em Nigéria x Irã.

Grupo F – Um jogo para decidir

Grupo F – Um jogo para decidir

grupof

Bom, estou aqui para falar do grupo F, o grupo de nossos hermanos argentinos.

Acredito que seja um dos grupos mais fáceis de prever o que vai acontecer, isso se não for o mais fácil.

Neste grupo teremos a torcida torcendo enlouquecidamente contra os argentinos, o que dará um espetáculo à parte nos estádios, com as melhores piadas possíveis sobre nossos vizinhos

A Argentina, com um ataque de respeito, um meio de campo razoável e uma defessa assustadoramente ruim, deve passar o carro e classificar-se com 9 pontos, tranquila. Acredito que somente uma grande sacanagem orquestrada pela FIFA má arbitragem poderia assustar a equipe do Técnico Sabella. Liderados por Lionel Messi, os hermanos já devem começar a se preocupar com quem será o adversário das oitavas.

Dos outros três times, muito equilíbrio entre Bósnia e Nigéria, e o Irã como saco de pancadas oficial da copa sem muitas chances de conseguir algo. Acredito que o que vai definir a segunda vaga será o jogo entre Bósnia e Nigéria, em Cuiabá, no dia 21 – jogo esse que será acompanhado in loco por mim e pelo Henrique Siqueira, que também escreve aqui.

Com uma seleção jovem e rápida, a Bósnia faz sua estreia como país independente em Copas do Mundo, uma vez que é uma dissidência da antiga Iugoslávia. Por esse seu DNA, tem um time leve, com certa habilidade, e deposita todas suas esperanças no craque Edin Dzeko, que pra ser sincero eu nem acho lá essas coisas mas é bom falar que é craque pra ver se torna o jogo mais interessante. Não acredito que a Bósnia vá longe, mas se conseguir a classificação também não tem muita esperança, porque deve enfrentar uma Alemanha na fase seguinte.

Já a Nigéria tem o perfil clássico das seleções modernas africanas. Ao contrário dos times que encantaram o mundo nas décadas de 90 e 00 (e não ganharam nada importante além de olimpíadas com jogadores uns dez anos mais velhos que os documentos apontavam), hoje vemos nos times africanos grupos envelhecidos, que privilegiam a força física e não trazem aquela irreverência e irresponsabilidade de outrora. Como taticamente são ruins e a violência não costuma resolver em campo, os resultados têm sido muito ruins. A Federação Africana de Futebol (ou órgão que o valha, sei lá qual o nome) deveria começar a repensar a política de exportar seus melhores jogadores para a Europa, pois temos visto cada vez mais jogadores de cintura dura e pouca criatividade.

Sobre o Irã, nada muito a dizer, apenas que vai perder de todo mundo por pelo menos dois gols de diferença – o mais interessante que poderíamos dizer sobre o Irã seria uma série de trocadilhos com atacantes que possuem bombas no pé e por aí vai, então é melhor não falar nada.

Se tivesse que arriscar um palpite e tenho, diria que neste grupo dá Argentina e Bósnia. E fiquem atentos ao jogo Argentina e Irã, forte candidato a maior goleada da copa.