Escolha uma Página
Ranking das seleções da copa (por relevância dos jogadores na última temporada)

Ranking das seleções da copa (por relevância dos jogadores na última temporada)

Meu último texto, que falava que a seleção brasileira não é mais a mesma, causou certa polêmica, porque a maioria não concorda que não temos mais jogadores de destaque ao redor do mundo como tínhamos antigamente… Pois bem, baseado nisso, resolvi montar um ranking de seleções, tendo como base o desempenho dos jogadores na última temporada. Para isso, é necessário considerar que:

– Este estudo é obviamente uma brincadeira e não tem valor científico;

– Variáveis importantes como a titularidade ou não de cada jogador em seu time e a participação ativa de cada um no sucesso (ou fracasso) do mesmo não foram consideradas;

– Estar em um time vencedor não significa que o cara é bom, e jogar em um time ruim não aponta o jogador como perna de pau;

– O peso de cada campeonato foi distribuído de forma subjetiva, de acordo com o que eu acho relevante – e aí cada um fica à vontade para concordar ou discordar.

Posto isso, vamos aos critérios. A pontuação foi atribuída para cada jogador, considerando o time que defendeu na última temporada. A referência utilizada para cada jogador foi o álbum oficial de figurinhas da copa, e para os jogadores que não estão lá, o São Google. (assim como a grafia dos jogadores e equipes também seguiu a do álbum). Por fim, utilizei a escalação de cada equipe no jogo de estreia na copa, por julgar que a partir dali os times podem ter sofrido por contusão e/ou suspensão. A única exceção foi o goleiro Buffon, da Itália, que não jogou a primeira partida mas creio que ninguém aqui tenha dúvidas a respeito de sua titularidade. Para cada campeonato, foram atribuídos pontos de acordo com a seguinte tabela:

Critérios para o ranking de seleções

Critérios para o ranking de seleções

Sem mais delongas, vamos ao resultado do nosso ranking: (mais…)

Palpitômetro – saldo grupos C e D

Palpitômetro – saldo grupos C e D

Continuando com as conclusões do palpitômetro, hoje serão os grupos C e D

Grupo C

Colômbia empata com a Grécia
Resultado – Colômbia 3 x 0 Grécia

Costa do Marfim vence Japão
Resultado – Costa do Marfim 2 x 1 Japão

Colômbia empata com a Costa do Marfim
Resultado – Colômbia 2 x 1 Costa do Marfim

Japão perde para Grécia
Resultado – Japão 0 x 0 Grécia

Grécia perde para Costa do Marfim
Resultado – Grécia 2 x 1 Costa do Marfim

Colômbia vence Japão
Resultado – Colômbia 4 x 1 Japão
Classificação(palpite)

Costa do Marfim – 7 pontos
Colômbia – 5 pontos
Grécia – 4 pontos
Japão – 0 ponto

Classificação(real)

Colômbia – 9 pontos
Grécia – 4 pontos
Costa do Marfim – 3 pontos
Japão – 1 ponto
Análise dos palpites – Sem dúvida fiquei surpreso em como a Colômbia conseguiu superar bem a falta da sua estrela maior, Falcão Garcia, e atropelar todos seus adversários. Por outro lado decepcionado com a campanha da Costa do Marfim, que na última chance dessa geração de fazer um bom papel, parece que o ego de novo falou mais alto. Grécia se aproveitou disso e passou pela primeira vez de fase e o Japão foi pífio, como esperado.
Grupo D

Uruguai vence Costa Rica
Resultado – Uruguai 1 x 3 Costa Rica

Inglaterra empata com a Itália
Resultado – Inglaterra 1 x 2 Itália

Uruguai Vence a Inglaterra
Resultado – Uruguai 2 x 1 Inglaterra

Itália vence a Costa Rica
Resultado – Itália 0 x 1 Costa Rica

Itália empata com o Uruguai
Resultado – Itália 0 x 1 Uruguai

Costa Rica perde para a Inglaterra
Resultado – Costa Rica 0 x 0 Inglaterra

Classificação(palpite)

Uruguai – 7 pontos
Itália – 5 pontos
Inglaterra – 4 pontos
Costa Rica – 0 ponto

Classificação(real)

Costa Rica – 7 pontos
Uruguai – 6 pontos
Itália – 3 pontos
Inglaterra – 1 ponto
Análise dos palpites – certamente o grupo que derrubou todo mundo. Não dá nem pra considerar que realmente tenha sido um erro de avaliação, porque acredito que nem os próprios costa-riquenhos acreditavam em uma campanha fabulosa como essa em um grupo tão difícil. Surpreendente o fato de a seleção italiana não ter empatado nenhum jogo e o Uruguai como imaginei levou os jogos mais na raa do que na técnica. Inglaterra continua sendo pífia, apesar de essa copa ter superado os limites.

 

Saldo

12 partidas

3 acertos

9 erros

 

Curiosidades – Maldição dos campeões mundiais europeus

Curiosidades – Maldição dos campeões mundiais europeus

Ano de 2014, copa no Brasil, Espanha eliminada na primeira fase e uma maldição que se iniciou com a França, continua a assombrar os times europeus: vencer uma copa do mundo e na seguinte dar vexame de ser eliminado na primeira fase em seu grupo.

Há alguma semelhança entre os casos? Ou seria apenas um novo tipo de praga a assolar os times europeus? Vamos analisar então cada um dos casos.
França

Em 1998:

O time base era: Barthez, Lizarazu, Leboeuf, Desailly, Thuram, Karembeu, Djorkaeff, Zidane, Petit, Deschamps e Guirvach.

Na copa – O time era excelente, porém o ataque como se nota era patético, pois quando o Guirvach não jogava, entrava o Dugarry, de nível muito contestável também e Henry e Trezeguet ainda estavam “verdes” nessa época.

Resultado – Campeã em 1998 em cima do Brasil por 3 a 0

Em 2002:

Grupo da França – França, Senegal, Uruguai e Dinamarca.

Time base era: Barthez, Thuram, Desailly, Leboeuf, Lizarazu, Petit, Vieira, Zidane, Djorkaeff, Henry e Trezeguet.

Na copa – O time que já era muito bom, conseguiu dois matadores de primeira linha, que vinham ainda em excelente fase na época e pegou um grupo que pelo nível do seu time não tinha nada de especial, pois contava com um Senegal novato, Uruguai com um time bem meia boca(se salvava o Recoba só) e uma Dinamarca que nem de longe lembrava a de 98, pois já haviam se aposentado os irmãos Laudrup e o Schmeichel.

Resultado – eliminada na primeira fase perdendo de 1 a 0 para Senegal, empatando em 0 a 0 com Uruguai e perdendo de 2 a 0 para a Dinamarca

zidane eliminado

Avaliação – O time chegou com excesso de confiança e muita, mas muita soberba e mesmo com uma seleção com totais condições de ganhar o título, acabou parando em um grupo médio, por simplesmente achar que poderia ganhar a qualquer hora. Os jogadores do time vinham em boa fase ou pelo menos em uma fase razoável e mesmo os veteranos(caso por exemplo de Desailly), não vinham comprometendo. Caso clássico do time que perde para ele mesmo.

 

Itália

Em 2006:

O time base era: Buffon, Cannavaro, Materazzi, Zambrotta, Grosso, Gattuso, Perrota, Camoranesi, Pirlo, Totti e Toni.

Na copa – Certamente um dos campeões de futebol mais feio das últimas copas(eu diria até mais feio que o Brasil de 94), parecia adepto do estilo “melhor ataque é uma boa defesa” e terminou campeão tendo levado apenas 2 gols(o que mostra que apesar de tudo foi muito eficiente), não para menos que nesse ano o zagueiro Canavarro foi eleito o melhor do mundo(com muita justiça diga-se, pois ele jogou demais). Vale destaque para Buffon, Totti e Pirlo, que fizeram excelente copa também.

Resultado – Campeã em 2006 nos pênaltis sobre a França.

Em 2010:

Grupo da Itália – Itália, Eslováquia, Nova Zelândia e Paraguai.

Time base era: Buffon, Zambrotta, Cannavaro, Chielini, Grosso, De Rossi, Camoranesi, Marchisio, Pirlo, Gilardino e Iaquinta

Na copa – Diferente da França, o time italiano, que já era feio, conseguiu ficar ainda pior, pois além de não ter conseguido renovar sua seleção(apostava ainda nas estrelas do título passado, que já não vinham mais em tão boa fase), além de ter perdido o pouco talento ofensivo que tinha, no caso com Totti. Pegou um grupo fraco, com a inexpressiva Nova Zelândia, a mediana Eslováquia e o bom time do Paraguai. Com um grupo desses, mesmo com o time meia boca que tinha, o mínimo era passar da primeira fase, nem que fosse para cair nas oitavas(haja visto que pegaria Espanha ou Suiça, que vinham com bons times).

Resultado – eliminada na primeira fase empatando em 1 a 1 com o Paraguai, 0 a 0 com a Nova Zelândia e perdendo de 3 a 2 para a Eslováquia.

buffon eliminado

Avaliação – Não dá para dizer que o time entrou com soberba como foi no caso da França, o time era simplesmente ruim, entretanto a eliminação não dá pra se justificar apenas por isso, pelo simples fato de que não caiu em nenhum grupo da morte ou coisa do tipo. Olhar seleção por seleção dá para dizer sem dúvida que foi um vexame maior que o da França, porém as condições para um bom papel eram muito piores que as do selecionado francês.
Espanha

Em 2010:

O time base era: Casillas, Sergio Ramos, Pique, Puyol, Capdevila, Busquets, Xabi Alonso, Xavi, Iniesta, David Villa e Pedro.

Na copa – Campeão daqueles que todo mundo considerava justo, talvez o primeiro em tempos(nem Itália, Brasil, França apenas para ficar nos últimos, tinham esse favoritismo). O time veio de uma conquista da euro, tirando a pecha de fúria amarelona e na copa, com o futebol que vinha de um período de sucesso destacado pelo Barcelona, que levou o “tiki-taka” para o mundo. Estilo muito eficiente, mas que eu particularmente acho extremamente tedioso. Foi muito eficiente durante toda a copa(apesar de um ou outro percalço), tanto que até a final tinha uma posse de bola muito superior a de todos adversários. Justo na época por sem dúvida ser o melhor futebol.

Resultado – Campeã em 2010 vencendo a Holanda na prorrogação por 1 a 0.

Em 2014:

Grupo da Espanha – Espanha, Holanda, Chile e Austrália.

Time base: Casillas, Azpilicueta, Sergio Ramos, Pique, Jordi Alba, Busquets, Xabi Alonso, Iniesta, Xavi, Pedro e Diego Costa.
Na copa – O time da Espanha nessa copa pode-se dizer um misto do que foram França e Itália, pois era um time envelhecido, com jogadores que foram destaque no mundial passado já não mais em tão boa fase(Xavi talvez seja o maior exemplo), além da soberba que dominava o time(Casillas chegou a declarar que estavam vindo para cá apenas para buscar a taça). O grupo mostrava ter sérios problemas de ego, além do notado problema do técnico de não mexer no time nas peças que já mostravam não estar rendendo, talvez por gratidão, talvez medo ou simplesmente teimosia. Perdeu de forma vexatória para a Holanda e ao tentar mudar um pouco o time para o jogo contra o Chile, numa tentativa desesperada de dar um chacoalhão no time, já era tarde… o time continuava insosso, foi dominado e perdeu.

Resultado – eliminada na primeira fase tendo perdido de 5 a 1 para a Holanda, 2 a 0 para o Chile e vencendo a Austrália na despedida por 3 a 0.
Avaliação – Despedida melancólica daquela que foi a melhor geração da história da Espanha. Jogadores como Fernando Torres, Villa e Pedro(um pouco menos o Villa) já vinham em má fase, ao contrário do Llorente e Negredo que fizeram boas temporadas pelos seus times. Xavi fez uma péssima temporada, diferente do Koke que foi dos destaques do Atlético de Madrid. Talvez levar algumas das peças, mas modificar o time titular como forma de deixar o time mais dinâmico seria uma excelente alternativa. O sistema de troca de passes nessa copa nada mais era do que um toca pra lá e pra cá sem objetividade nenhuma. Time lento onde jogadores pareciam achar que o time marcaria a qualquer hora e depois de ver que a coisa não era assim, sucumbiram ao nervosismo e da falta de alternativas, pois quando tiveram de sair da sua zona de conforto simplesmente não sabiam o que fazer.

Palpitômetro – Grupo D

Palpitômetro – Grupo D

Hoje é dia do grupo que, para mim, renderá os melhores jogos da fase, e também o grupo do maior coitado da copa. O grupo conta com os seguintes times:

Uruguai, Itália, Inglaterra e Costa Rica(pobre seleção)

Uruguai x Costa Rica

Não tinha melhor estreia para o Uruguai, que ainda está na espera de contar com um dos seus grandes craques(Luis suaréz) nas melhores condições para os duelos duríssimos contra Itália e inglaterra. A partida vai acabar servindo para ver a real condição dele e também para dar mais ritmo de jogo ao mesmo. A Costa Rica não chega com um time que tenha jogadores que chamem atenção, talvez apenas o Bryan Ruiz, que joga no PSV atualmente, mas mesmo assim é muito pouco para enfrentar seleções com craques de nível mundial.

A Costa Rica vai tentar até engrossar nessa estreia, contando até com a questão do Uruguai entrar mais pressionado por fazer um bom resultado contra o time mais fraco do grupo, porém não resistirá muito tempo a pressão da celeste e saíra derrotada.

Inglaterra x Itália

Clássico que poderia ser das fases mais agudas da competição, será(para a sorte dos torcedores) o jogo de estreia de ambas seleções. Interessante ver o fato de que teremos uma Itália renovada, com vocação ofensiva, algo que não é muito comum de se ver, muito em função do excelente treinador Cesare Prandelli, além claro da defesa, que continua segura como sempre. A Inglaterra por sua vez vem bastante renovada, com muitos jogadores jovens e estreantes em copas. A Inglaterra é aquela seleção que até hoje chega com crédito mais pelo histórico de campeã do mundo e pelo campeonato forte do que propriamente por fazer campanhas que façam jus a tal status, porém é inegável que essa geração tem muito potencial, com a base do Liverpool, que apesar do vice campeonato, foi o time que mais chamou a atenção na Premier League.

Jogo muito duro para ambos os lados e até pela pressão da estreia e risco de em caso de derrota já praticamente ter a sorte selada na chave, o jogo caminhará para um empate.

Uruguai x Inglaterra

Outro dos grandes jogos desse grupo(sem dúvida isso não faltará aqui). Uruguai já tendo feito sua parte no jogo “obrigação” chega aqui procurando deixar bem encaminhada sua classificação para a próxima fase, ao passo que a Inglaterra sabe que o empate do primeiro jogo, apesar de não ter sido dos piores resultados, pode fazer falta no final, então vãi partir pra cima, buscando a vitória em cima dos Sul-americanos.

Jogo que vai pesar a maior experiência dos uruguaios, que conseguirão uma vitória apertada frente aos ingleses.

Itália x Costa Rica

Outro dos jogos onde o torcedor mas solidário sentirá pena da Costa Rica. O time italiano entrará com uma formação bem ofensiva(diferente da atual, que conta apenas com o Balotelli na frente) como forma de já ter uma vantagem em eventual empate na pontuação final.

Itália ganha fácil dos costa-riquenhos, mas sem conseguir um placar tão elástico, apenas o suficiente para uma vitória sem sustos.

Itália x Uruguai

O clássico final do grupo, deverá ser uma decisão pelo primeiro lugar da chave, pois o Uruguai já chega praticamente classificado depois das duas vitórias e a Itália bem encaminhada pela vitória e empate.

Considerando principalmente o estilo das duas seleções, outro jogo que promete um empate com gols, pois além das defesas fortes, o ataque(principalmente uruguaio), mostra que vem com um bom poder de fogo.

Costa Rica x Inglaterra

Outro jogo para a seleção costa riquenha sofrer nesse grupo. Novamente vai tentar ao menos complicar a vida de um dos campeões mundiais, mas como nos outros jogos, não será páreo.

Inglaterra deve ganhar sem muitas dificuldades, porém a derrota em um dos duelos entre os grandes, determinará sua sorte na competição.

Classificação final

Uruguai – 7 pontos
Itália – 5 pontos
Inglaterra – 4 pontos
costa Rica – 0 pontos