Escolha uma Página
A ascensão alviverde

A ascensão alviverde

Depois da goleada de 6 a 0 sofrida diante do Goiás, parecia de certa forma impensável que depois de menos de um mês, estaríamos falando da terceira vitória consecutiva do Palmeiras e agora diante de um dos melhores times do campeonato, no caso o Grêmio, por 2 a 1.

Foi ainda mais impressionante se analisarmos o fato de que ela veio depois de o time sair perdendo, o que há tempos atrás era praticamente impensável, pois a cada vez que o time saía perdendo, era um quase consenso que o time perderia, não havia reação, o time se entregava ou então se desesperava de tal forma que mesmo que marcasse algum gol, era mais obra do acaso do que própriamente uma reação. No jogo de sábado foi diferente, se via um time lutando e ao conseguir essa virada, ela veio através de uma pressão de certa forma organizada.

Inegavelmente a expulsão do Barcos ajudou nisso, mesmo depois de ele ter marcado um gol em um pênalti bastante contestável(segue a sina dos ex-jogadores marcando contra o Palmeiras), porém nesse caso não teve o mesmo sucesso do Alan Kardec. Mouche, que voultou a marcar depois de muito tempo, e João Pedro, que fez um lindo gol, o seu primeiro no profissional, garantiram a virada em apenas 7 minutos entre o empate e o segundo.

Vale o destaque para o João Pedro, que entrou pela contusão do Wendel e pelo futebol ridículo do Weldinho e com apenas 17 anos tomou conta da lateral direita do time. Vem jogando muita bola e junta-se a essa boa safra da base, que está dando outra cara ao time, assim como o Victor Luis que fez outra boa partida pelo time.

Destacar o Valdívia, que cansou de apanhar e ainda sim manteve a calma e o foco no jogo. Parece muito mais consciente da sua grande importância nesse momento de recuperação do time e essa é mais uma mostra da sua evolução.

A volta do Prass vem sendo também algo fundamental. Depois da boa atuação contra o Botafogo, outro jogo onde salvou a meta do time. A frieza e a segurança que a defesa tem ao saber que tem um goleiro muito confiável embaixo da meta, será de vital importância para manter essa arrancada para um fim de campeonato pelo menos digno.

O clássico contra o Santos será muito difícil, até pela boa fase do time da baixada(quebrada pelo massacre de 3×0 imposto pelo Cricíuma nessa rodada), porém com o futebol que vem sendo apresentado e a consistência que o time vem demonstrando nessas 3 vitórias faz crer que um resultado positivo no clássico é algo consideravelmente possível, além do que a moral que o time ganhará com isso pode fazer com que definitivamente o risco de cair fique no passado.

A coisa ficou preta para o Grêmio

A coisa ficou preta para o Grêmio

Ontem foi um dia histórico no futebol brasileiro, pois o Grêmio foi julgado pela acusação de racismo de sua torcida, depois das muitas ofensas proferidas ao goleiro Aranha e foi punido com a eliminação da Copa do Brasil, ainda tomou mais uma multa. Os outros punidos foram os torcedores identificados, que levarão um gancho de 720 dias sem poder ir ao estádio acompanhar qualquer jogo que seja do Grêmio, além de o juiz ter sido suspenso por 90 dias e o bandeirinha por 60.

(mais…)

Dossiê futebol/seleção nacional – dívidas dos clubes

Dossiê futebol/seleção nacional – dívidas dos clubes

Seguindo a série do dossiê, hoje vamos analisar a questão das dívidas dos clubes.

Em tempo: não vou aqui colocar números sobre dívidas totais de clubes, primeiro porque eles não divulgar, segundo porque muitas vezes vazam valores divergentes, que deixam muitas dúvidas sobre a real saúde financeira de cada um, então vou me basear na questão mais evidente: investimentos, sejam eles em estrutura, jogadores, base e os compromissos básicos, como salários e contas do clube.

(mais…)

Empate indigesto

Empate indigesto

O Palmeiras segue seu martírio na zona de rebaixamento e hoje conseguiu apenas um empate 0 a 0 jogando contra o Grêmio em casa.

Depois de o Kleber ser expulso por jogada violenta(novidade?), o time passou quase 75 minutos(sem contar os acréscimos) com um a mais, porém pecou muito nas finalizações e não conseguiu a vitória que o teria aproximado do Bahia(primeiro fora da zona de rebaixamento).

Analisar o lado positivo do jogo é ver que o Palmeiras dominou completamente o jogo, não deixando o Grêmio jogar, parecia mais um treino ataque-defesa, tamanha a pressão que o time exercia em busca do gol.

Jogar bem, mas não conseguir marcar e levar os 3 pontos tem sido o principal problema do time, que há várias rodadas vem tendo esse problema de nervosismo na hora de decidir, tanto que nesse jogo mesmo, poucas bolas realmente boas chegaram para o Barcos, apesar de tudo ele ainda teve boa participação no jogo e na melhor chance que teve, acertou a trave.

A partida marcou a estréia do recém-chegado Thiago Real, que veio do Joinvile e vinha sendo um dos destaques da série B. Surpreendeu pela boa partida, sempre buscando jogo, tentando criar jogadas, aparecendo para receber e tabelar. Ainda falta muito entrosamento a ele, mas pela primeira partida que fez com apenas 2 dias de clube, pode vir a ser peça importante no restante do campeonato.

Se o time manter essa mesma pegada que demonstrou nessa partida, a saída da zona da degola será apenas questão de tempo, pois o time foi consistente e dominante contra um dos considerados favoritos ao título brasileiro, tendo faltado apenas a tranquilidade para definir o jogo a favor.

O próximo jogo contra o Sport, contará com o retorno de Valdívia e a ausência de Barcos, que já estará com a Argentina. O Obina assume e pelo menos mantém a formação com um homem de referência. Acredito que esta última partida venha a renovar o ânimo dos jogadores, pois apesar do gol não ter saído, o time viu que pode jogar com a mesma solidez que caracterizou o time nas fases finais da Copa do Brasil, e jogando daquela forma não tardará para o time ascender no campeonato e poder chegar a uma posição de calmaria, que o permitiria competir na Sul-americana, sem ter de se preocupar com uma posição ridícula no nacional.

Enfim, uma final!!

Enfim, uma final!!

Depois de mais de uma década, o Palmeiras consegue finalmente retornar a uma final de um campeonato importante(a conquista do Paulista, apesar de ter sido em 2008, não teve o peso de outros tempos), ao empatar em 1 a 1 com o Grêmio na Arena Barueri, se classificando graças a excelente vitória no jogo de ida por dois a zero.

Apesar de não ter mostrado uma atuação tão consistente como a do primeiro jogo, aproveitou  a vantagem que tinha conquistado e basicamente jogou com o regulamento debaixo do braço. Teve mais chances que o Grêmio durante o jogo, pois o time gaúcho fazia-se valer principalmente das bolas alçadas na área, que eram repelidas com relativa tranquilidade. Mantendo o mesmo esquema que utilizou no primeiro jogo, porém sem o Assunção que estava contundido, o time aparentemente não sentiu tanta falta do volante, pois o Daniel Carvalho supria razoavelmente bem a falta dele nas bolas paradas, tendo cobrado algumas com muito perigo.

O jogo mostrou além de tudo um Grêmio que abusou da violência e um juiz absurdamente conivente, pois além de deixar jogadores quase apitarem o jogo por ele(casos de Kleber e Pará), ainda deixou jogadores como Fernando, Edilson, Gilberto Silva e André Lima, abusarem de jogadas violentas, sem sequer serem punidos.

Sossego é algo que parece que não entra muito no vocabulário palmeirense nos últimos tempos e o gol do Fernando após bobeada do Bruno, ao rebater mal uma cobrança de falta, parecia que ia trazer dificuldade a um jogo aparentemente dominado, porém o jogo ainda reservava a redenção de um dos jogadores de quem mais se espera algo no elenco: Valdívia.

Ele entra no meio do segundo tempo e muda totalmente o cenário da partida: cria jogadas de perigo e em uma dessas jogadas, faz um belo gol, garantindo o empate do time. Depois em um lance onde ele faz embaixadinhas e toca para o Barcos, que ia em direção ao gol, até ser parado com falta por Rondinelli, que acaba expulso e aí se inicia a confusão…

Jogadores do Grêmio totalmente descontrolados, ainda agridem o Barcos caído(o jogador claramente deixa a perna para acertá-lo) e depois ainda o Edílson dá um soco no Henrique e também é expulo.

Segue-se aí o fato mais absurdo de todos: o Henrique(sim o mesmo que apanhou) é expulso!!! Eu vejo futebol há muito tempo e não me lembro de ter visto alguém levar vermelho por apanhar, não ter batido, não revidar e apenas ter tirado os jogadores do Grêmio de cima do Barcos, que estava caído. O juiz(que foi totalmente frouxo no apito) ouviu a indicação do bandeirinha(o mesmo que havia dado dois impedimentos absurdos) e o mandou para fora, prejudicando claramente o Palmeiras no primeiro jogo da final.

Lamentável ver um time ser prejudicado de forma tão clamorosa por um árbitro que deixa baterem à vontade e um bandeirinha que simplesmente inventa uma expulsão… A coisa foi de tal forma, que mais parecia algo armado, porém como não se tem certeza de coisas assim, vou apenas considerar que eles deveriam aposentar-se e nunca mais trabalharem em jogo nenhum, pois péssimo para ambos ainda é elogio.

Mérito dessa campanha também para o Felipão, que volta a levar o Palmeiras a uma final nacional e por conseguir manter durante essa campanha o time focado e sem se deixar abater pelos revezes que teve, tanto no Paulista, como nesse começo de Brasileirão.

Com a redenção de duas peças-chave no elenco, o time chega a final contra o Coritiba mais do que preparado para realizar dois bons jogos e trazer esse título ao Palestra Itália.

Destaque ainda para o Barcos, que foi peça importante no ataque, levando sempre perigo nas jogadas e de novo para o Henrique, que fez outra ótima partida atuando como líbero. Aparentemente ele achou uma nova posição e deve permanecer mesmo nela, já que ele trás muito mais segurança para a defesa que o Márcio Araújo.