Escolha uma Página
Dossiê futebol/seleção nacional – ciclo 2014

Dossiê futebol/seleção nacional – ciclo 2014

Depois de tudo, parando e analisando friamente o que ocorreu, vemos que o auge do vexame do futebol nacional, não é assim tão obra do acaso ou de “6 minutos de apagão” como disseram de forma até certo ponto ridícula o Felipão e o Parreira(que aliás continua sendo arrogante quando fala, tem-se a impressão que ele acha ser o único que entende de futebol, coisa que para mim nunca passou de um técnico comum com muita fama). Para entender melhor tudo o que aconteceu, farei um pequeno dossiê, começando pelo que houve nessa copa(ou seja, pelo meio), depois indo para o como o futebol e a seleção chegaram na atual situação e o que pode ser feito para sairmos dela, que nos moldes que está, tende somente a piorar.

(mais…)

A não-renovação dos treinadores brasileiros

A não-renovação dos treinadores brasileiros

Estava eu aqui pensando sobre o que ia escrever para o Em Cima da Linha, já que falar sobre a vitória do Corinthians em cima do freguês é chutar bêbado em ladeira, e me deparei com uma postagem muito interessante do blog do Juca Kfouri. No texto, o jornalista observou que cinco times (São Paulo, Flamengo, Grêmio, Internacional e Atlético-MG) têm os mesmo treinadores que tinham em 1995, ou seja, há 19 anos (respectivamente: Muricy Ramalho, Vandeleri -à época, Wanderley – Luxembrugo, Luiz Felipe Scolari, Abel Braga e Levir Culpi).

(mais…)

A vergonha

A vergonha

brasil

Sim, eu me enganei. pra variar

Escrevi aqui neste texto, antes do jogo que a seleção brasileira não passaria mais vergonha na copa, que sem o Neymar o time ia melhorar, que íamos para a final e mais um monte de coisa que agora sabemos não fazer mais sentido algum.

Como explicar a derrota de hoje? A humilhação? Como explicar o inexplicável? (mais…)

Neymar e Chicharito, “os caras” da última rodada do grupo A

Neymar e Chicharito, “os caras” da última rodada do grupo A

O grupo A se encerrou segunda e Brasil e México garantiram suas vagas nas oitavas de final em primeiro e segundo respectivamente. A seleção brasileira passeou frente a mosca morta camaronesa, enquanto a mexicana teve muitas dificuldades até construir o placar que assegurou sua vaga. Vamos então aos jogos

Brasil 4 x 1 Camarões
Olhar para o placar desse jogo apenas soa extremamente enganoso sobre o que realmente foi a partida. O Brasil fez um primeiro tempo realmente desesperador, tanto que imagino que os técnicos de Holanda e Chile viam aquilo e pensavam: vai ser uma baba.

O time começou até fazendo alguma pressão, mas logo começou a tomar uns sustos de Camarões, que deu a impressão que parariam quando o Neymar(sempre ele) fez o primeiro gol, porém o que se viu foi exatamente o contrário. Camarões foi para cima, pressionou o Brasil, que nem ao menos conseguia sair com a bola, começou a ceder escanteio atrás do outro e pior, perdia todas as jogadas pelo alto(Thiago Silva e David Luiz, dois ótimos cabeceadores tomaram baile dos camaroneses). Tanto pressionaram que conseguiram o empate em um lance… de cabeça! Coube ao Neymar(alguma surpresa nisso?) colocar o time à frente de novo e dar certa tranquilidade para a saída do intervalo.

Paulinho continuava a ser a mesma nulidade de sempre, tanto que dessa vez finalmente saiu(aleluia!!!) e entrou o Fernandinho no lugar, o que melhorou consideravelmente o time, que conseguiu dominar Camarões(o que não é algo lá muito difícil, diga-se) e marcou mais dois gols, com o Fred(finalmente) e Fernandinho.

Exceção feita ao Neymar, que agiu como craque que é e foi decisivo quando o time precisou, ponto positivo a entrada do Fernandinho, que por mais que se diga que Camarões nesse caso não foi um grande paramêtro, o Paulinho nem mesmo contra eles conseguiu jogar, ou seja, com ele realmente houve um avanço. O problema é saber se o Felipão vai desempacar e aceitar que o time precisa de mudanças.

O Fred continua mal, porém nessa partida, diferente das duas primeiras, notou-se esforço dele em buscar jogadas, arriscar e não ficar só esperando bola no pé, tanto que até gol conseguiu marcar, mas ainda é muito pouco para o que se esperava dele.

A maior sorte do Brasil foi ter passado em primeiro e pegar o Chile, que apesar de ter um time muito bom, não tem jogadores como Robben e Van Persie, que considerando as duas avenidas que o Brasil tem nas laterais, iam fazer a festa sem dó. O técnico parece não enxergar ou finge que não enxerga, é algo realmente difícil de entender…

Pegar o Chile nas oitavas é positivo principalmente pelo mesmo clima que havia para o México quando enfrentou o Brasil: o retrospecto. O histórico de freguês dos chilenos frente ao Brasil é muito extenso e isso acaba sempre pesando na hora do jogo. Algo ainda sim deve ser ressaltado: de todas seleções chilenas que o Brasil enfrentou nos últimos anos e diria até nas últimas copas, essa é de longe a melhor, mais qualificada e com melhor jogo de equipe dentre todas, ou seja o jogo será duríssimo, pois eles tem um jogo coletivo consideravelmente melhor que o brasileiro.

Entrando o Fernandinho o time já terá corrigido um dos problemas, porém com apenas essa mudança, a seleção dependerá de mais um dia iluminado do Neymar para garantir a vaga as quartas. É muito pouco, porém atualmente é a melhor opção que se tem.
Croácia 1 x 3 México

Jogo bem duro para os mexicanos que até parte do segundo tempo sofreram muito com a pressão da seleção croata, que chegava, mas não conseguiu transformar a pressão em gols. Mandzukic, Rakitic e Perisic eram de longe os mais perigosos. Ochoa, como vem sendo rotina nessa copa, fazendo grandes defesas e o time ia segurando o empate aos trancos e barrancos.

Chicharito, foi o cara do jogo

Chicharito, foi o cara do jogo

Tudo então começou a mudar quando saiu o inoperante Giovani dos Santos(que vem jogando bem a copa, diga-se, mas nesse jogo mal pegou na bola) e entrou o Chicharito Hernández. Ele entrou bem demais, mudou o setor ofensivo do México, que passou a levar muito mais perigo ao gol de Pletikosa, que sofria com a velocidade que ele imprimia nos lances e em um escanteio Rafa Marquez finalmente fez. Depois foi só ampliar com Guardado e o próprio Hernández que também deixou sua marca(merecido) e Perisic só pode comemorar(se é que há algum motivo para isso) por ser o primeiro a vazar o até então invicto Ochoa.

Considero essa uma classificação até surpreendente, pois o México não chegou bem na copa, veio de uma eliminatória(que posso dizer gentilmente) patética, porém fez 3 jogos excelentes na primeira fase, superando inclusive aquela que eu considerava o time mais bem montado até então, que era a seleção croata. Superou eles na capacidade de ser mais eficiente, pois apesar de o time croata durante boa parte do jogo ter sido o time mais perigoso, o selecionado mexicano foi sem dúvida muito mais objetivo ao não desperdiçar as chances que teve e conseguir assim uma merecida classificação.

Agora pegam a seleção holandesa como grandes azarões, porém em nenhum momento podem ser menosprezados, pois já mostraram nessa copa que se forem subestimados, podem surpreender a acabar passando por cima e levando a classificação(apesar de que eu considero que a Holanda passa, mesmo que com alguma dificuldade, por eles).

Alguém desempaca o Felipão?

Alguém desempaca o Felipão?

Chega a última rodada e o Brasil tem a grande chance de terminar a fase em grande estilo e além de passar em primeiro lugar, conseguir transmitir uma confiança maior ao torcedor depois de dois jogos bastante contestáveis do time.

Vem então aquela pergunta: mas o time jogou assim tão mal nesse jogos?

A resposta é: não, porém o futebol apresentado ficou muito abaixo do que o próprio time já apresentou e o pior, muito abaixo do que seleções como Holanda e Chile(uma delas será adversária do Brasil nas oitavas) apresentaram.

Não acho impossível, muito menos improvável que o time melhore e comece a mostrar um futebol de fato convincente, porém tem algo que incomoda e chega a ser até mesmo irritante: a total abominação da comissão técnica por mudanças no time.

Jogadores como Fred e Paulinho tem feito partidas horríveis.

O Paulinho limita-se a passes para o lado no meio campo, as vezes aparece jogando avançado, quase como meia(coisa que não é sua função), não tem aquele estilo “elemento surpresa” que tanto o marcou quando jogou no Corinthians e era um dos melhores a jogar no Brasil, só abaixo do Neymar.

Fred por sua vez é elemento nulo no ataque, parece só querer bola no pé, além do fato mais desesperador: ele não chuta!! Em dois jogos, o “homem-gol” do Brasil teve apenas duas finalizações, o que para um atacante é no mínimo absurdo.

Isso para não citar as avenidas que são os laterais Daniel Alves e Marcelo, que todo jogo tem cansado de receber bola nas costas(no caso do Marcelo, isso costuma ser muito amenizado pela participação defensiva do sempre muito criticado Hulk, o que não acontece no caso do Neymar e Daniel Alves, já que o mesmo não tem a mesma força física).

Qual a posição da comissão em relação a isso? Manter tudo como está…

A teimosia deles beira a burrice. Tantos outros técnicos de seleções do mundial mudaram seus times quando viram que de outra forma e com outros jogadores poderiam render mais, porém parece que fazer isso no Brasil é algo proibido. Ramires mesmo só jogou porque o Hulk estava machucado, senão nem tinha começado o jogo.

Impressão que se tem é que o Felipão vive de gratidão com os jogadores do time titular, como se o fato de tirar algum deles soasse como ser um “traíra”, então devido a isso ele mantém os mesmos e não dá chance a outros que poderiam entrar e render muito mais.

Soa tão absurdo como o dia que ele afirmou que o Júlio César estava convocado e como titular do time. Coisas como essa na minha opinião são péssimas, pois além de desmotivar os reservas, acomoda os titulares, pois eles tem aquela certeza que joguem o que jogar, não saem do time, pois tem lugar cativo ali.

O Fred é caso bem emblemático disso. Teve um ano horrível no seu clube, não vem jogando bem na seleção desde a última Copa das Confederações, as vezes dá impressão de que está em más condições físicas, entretanto não sai do time nem com reza brava. Por que? Vai ficar de biquinho por que acha que jogou muito na Copa das Confederações? E daí? Aquele torneio já terminou e parece que ele ainda tá na ressaca do título dele…

Até declarações grosseiras saíram para a imprensa quando se criticou peças do time titular, como se fosse proibido a crítica.

Temos peças boas na reserva. Maicon, Willian, Hernanes, Ramires, Fernandinho(não, não estou contando o Jô, ele é ainda pior) que podem entrar no time e dar um novo dinamismo. De repente até uma alteração, tirar os 3 atacantes, jogar com 2 meias, ou 3 volantes com dois de chegada, entre outras.

O elenco da copa não é ruim, dá margem para alternativas muito interessantes devido a inoperância do time, porém mesmo durante o jogo se nota que as mudanças são apenas de jogador, não de esquema, ou seja tá difícil…

Ficar passando a mão na cabeça dos jogadores e querer ficar dando moral me parece algo tão errado quanto sair atirando para todo lado quando o time perde.

Continuar desse jeito, ele vai “morrer abraçado” com seus queridinhos, pois é preciso ter pelo menos um pouco de bom senso para saber quando alguém simplesmente está em uma má fase, precisam dizer para ele que isso também faz parte do futebol, até os melhores jogadores tem fases ruins(porém os diferenciados mesmo na fase ruim conseguem ajudar e no caso específico falamos de bons jogadores, nada além disso) e se quem saí não consegue entender e aceitar isso, mostra apenas que não tem condição nenhuma de integrar um elenco de qualquer esporte coletivo que seja.