Arquivo da tag: felipão

Dossiê futebol/seleção nacional – ciclo 2014

Depois de tudo, parando e analisando friamente o que ocorreu, vemos que o auge do vexame do futebol nacional, não é assim tão obra do acaso ou de “6 minutos de apagão” como disseram de forma até certo ponto ridícula o Felipão e o Parreira(que aliás continua sendo arrogante quando fala, tem-se a impressão que ele acha ser o único que entende de futebol, coisa que para mim nunca passou de um técnico comum com muita fama). Para entender melhor tudo o que aconteceu, farei um pequeno dossiê, começando pelo que houve nessa copa(ou seja, pelo meio), depois indo para o como o futebol e a seleção chegaram na atual situação e o que pode ser feito para sairmos dela, que nos moldes que está, tende somente a piorar.

Continue lendo Dossiê futebol/seleção nacional – ciclo 2014

A não-renovação dos treinadores brasileiros

Estava eu aqui pensando sobre o que ia escrever para o Em Cima da Linha, já que falar sobre a vitória do Corinthians em cima do freguês é chutar bêbado em ladeira, e me deparei com uma postagem muito interessante do blog do Juca Kfouri. No texto, o jornalista observou que cinco times (São Paulo, Flamengo, Grêmio, Internacional e Atlético-MG) têm os mesmo treinadores que tinham em 1995, ou seja, há 19 anos (respectivamente: Muricy Ramalho, Vandeleri -à época, Wanderley – Luxembrugo, Luiz Felipe Scolari, Abel Braga e Levir Culpi).

Continue lendo A não-renovação dos treinadores brasileiros

A vergonha

brasil

Sim, eu me enganei. pra variar

Escrevi aqui neste texto, antes do jogo que a seleção brasileira não passaria mais vergonha na copa, que sem o Neymar o time ia melhorar, que íamos para a final e mais um monte de coisa que agora sabemos não fazer mais sentido algum.

Como explicar a derrota de hoje? A humilhação? Como explicar o inexplicável? Continue lendo A vergonha

Neymar e Chicharito, “os caras” da última rodada do grupo A

O grupo A se encerrou segunda e Brasil e México garantiram suas vagas nas oitavas de final em primeiro e segundo respectivamente. A seleção brasileira passeou frente a mosca morta camaronesa, enquanto a mexicana teve muitas dificuldades até construir o placar que assegurou sua vaga. Vamos então aos jogos

Brasil 4 x 1 Camarões
Olhar para o placar desse jogo apenas soa extremamente enganoso sobre o que realmente foi a partida. O Brasil fez um primeiro tempo realmente desesperador, tanto que imagino que os técnicos de Holanda e Chile viam aquilo e pensavam: vai ser uma baba.

O time começou até fazendo alguma pressão, mas logo começou a tomar uns sustos de Camarões, que deu a impressão que parariam quando o Neymar(sempre ele) fez o primeiro gol, porém o que se viu foi exatamente o contrário. Camarões foi para cima, pressionou o Brasil, que nem ao menos conseguia sair com a bola, começou a ceder escanteio atrás do outro e pior, perdia todas as jogadas pelo alto(Thiago Silva e David Luiz, dois ótimos cabeceadores tomaram baile dos camaroneses). Tanto pressionaram que conseguiram o empate em um lance… de cabeça! Coube ao Neymar(alguma surpresa nisso?) colocar o time à frente de novo e dar certa tranquilidade para a saída do intervalo.

Paulinho continuava a ser a mesma nulidade de sempre, tanto que dessa vez finalmente saiu(aleluia!!!) e entrou o Fernandinho no lugar, o que melhorou consideravelmente o time, que conseguiu dominar Camarões(o que não é algo lá muito difícil, diga-se) e marcou mais dois gols, com o Fred(finalmente) e Fernandinho.

Exceção feita ao Neymar, que agiu como craque que é e foi decisivo quando o time precisou, ponto positivo a entrada do Fernandinho, que por mais que se diga que Camarões nesse caso não foi um grande paramêtro, o Paulinho nem mesmo contra eles conseguiu jogar, ou seja, com ele realmente houve um avanço. O problema é saber se o Felipão vai desempacar e aceitar que o time precisa de mudanças.

O Fred continua mal, porém nessa partida, diferente das duas primeiras, notou-se esforço dele em buscar jogadas, arriscar e não ficar só esperando bola no pé, tanto que até gol conseguiu marcar, mas ainda é muito pouco para o que se esperava dele.

A maior sorte do Brasil foi ter passado em primeiro e pegar o Chile, que apesar de ter um time muito bom, não tem jogadores como Robben e Van Persie, que considerando as duas avenidas que o Brasil tem nas laterais, iam fazer a festa sem dó. O técnico parece não enxergar ou finge que não enxerga, é algo realmente difícil de entender…

Pegar o Chile nas oitavas é positivo principalmente pelo mesmo clima que havia para o México quando enfrentou o Brasil: o retrospecto. O histórico de freguês dos chilenos frente ao Brasil é muito extenso e isso acaba sempre pesando na hora do jogo. Algo ainda sim deve ser ressaltado: de todas seleções chilenas que o Brasil enfrentou nos últimos anos e diria até nas últimas copas, essa é de longe a melhor, mais qualificada e com melhor jogo de equipe dentre todas, ou seja o jogo será duríssimo, pois eles tem um jogo coletivo consideravelmente melhor que o brasileiro.

Entrando o Fernandinho o time já terá corrigido um dos problemas, porém com apenas essa mudança, a seleção dependerá de mais um dia iluminado do Neymar para garantir a vaga as quartas. É muito pouco, porém atualmente é a melhor opção que se tem.
Croácia 1 x 3 México

Jogo bem duro para os mexicanos que até parte do segundo tempo sofreram muito com a pressão da seleção croata, que chegava, mas não conseguiu transformar a pressão em gols. Mandzukic, Rakitic e Perisic eram de longe os mais perigosos. Ochoa, como vem sendo rotina nessa copa, fazendo grandes defesas e o time ia segurando o empate aos trancos e barrancos.

Chicharito, foi o cara do jogo
Chicharito, foi o cara do jogo

Tudo então começou a mudar quando saiu o inoperante Giovani dos Santos(que vem jogando bem a copa, diga-se, mas nesse jogo mal pegou na bola) e entrou o Chicharito Hernández. Ele entrou bem demais, mudou o setor ofensivo do México, que passou a levar muito mais perigo ao gol de Pletikosa, que sofria com a velocidade que ele imprimia nos lances e em um escanteio Rafa Marquez finalmente fez. Depois foi só ampliar com Guardado e o próprio Hernández que também deixou sua marca(merecido) e Perisic só pode comemorar(se é que há algum motivo para isso) por ser o primeiro a vazar o até então invicto Ochoa.

Considero essa uma classificação até surpreendente, pois o México não chegou bem na copa, veio de uma eliminatória(que posso dizer gentilmente) patética, porém fez 3 jogos excelentes na primeira fase, superando inclusive aquela que eu considerava o time mais bem montado até então, que era a seleção croata. Superou eles na capacidade de ser mais eficiente, pois apesar de o time croata durante boa parte do jogo ter sido o time mais perigoso, o selecionado mexicano foi sem dúvida muito mais objetivo ao não desperdiçar as chances que teve e conseguir assim uma merecida classificação.

Agora pegam a seleção holandesa como grandes azarões, porém em nenhum momento podem ser menosprezados, pois já mostraram nessa copa que se forem subestimados, podem surpreender a acabar passando por cima e levando a classificação(apesar de que eu considero que a Holanda passa, mesmo que com alguma dificuldade, por eles).

Alguém desempaca o Felipão?

Chega a última rodada e o Brasil tem a grande chance de terminar a fase em grande estilo e além de passar em primeiro lugar, conseguir transmitir uma confiança maior ao torcedor depois de dois jogos bastante contestáveis do time.

Vem então aquela pergunta: mas o time jogou assim tão mal nesse jogos?

A resposta é: não, porém o futebol apresentado ficou muito abaixo do que o próprio time já apresentou e o pior, muito abaixo do que seleções como Holanda e Chile(uma delas será adversária do Brasil nas oitavas) apresentaram.

Não acho impossível, muito menos improvável que o time melhore e comece a mostrar um futebol de fato convincente, porém tem algo que incomoda e chega a ser até mesmo irritante: a total abominação da comissão técnica por mudanças no time.

Jogadores como Fred e Paulinho tem feito partidas horríveis.

O Paulinho limita-se a passes para o lado no meio campo, as vezes aparece jogando avançado, quase como meia(coisa que não é sua função), não tem aquele estilo “elemento surpresa” que tanto o marcou quando jogou no Corinthians e era um dos melhores a jogar no Brasil, só abaixo do Neymar.

Fred por sua vez é elemento nulo no ataque, parece só querer bola no pé, além do fato mais desesperador: ele não chuta!! Em dois jogos, o “homem-gol” do Brasil teve apenas duas finalizações, o que para um atacante é no mínimo absurdo.

Isso para não citar as avenidas que são os laterais Daniel Alves e Marcelo, que todo jogo tem cansado de receber bola nas costas(no caso do Marcelo, isso costuma ser muito amenizado pela participação defensiva do sempre muito criticado Hulk, o que não acontece no caso do Neymar e Daniel Alves, já que o mesmo não tem a mesma força física).

Qual a posição da comissão em relação a isso? Manter tudo como está…

A teimosia deles beira a burrice. Tantos outros técnicos de seleções do mundial mudaram seus times quando viram que de outra forma e com outros jogadores poderiam render mais, porém parece que fazer isso no Brasil é algo proibido. Ramires mesmo só jogou porque o Hulk estava machucado, senão nem tinha começado o jogo.

Impressão que se tem é que o Felipão vive de gratidão com os jogadores do time titular, como se o fato de tirar algum deles soasse como ser um “traíra”, então devido a isso ele mantém os mesmos e não dá chance a outros que poderiam entrar e render muito mais.

Soa tão absurdo como o dia que ele afirmou que o Júlio César estava convocado e como titular do time. Coisas como essa na minha opinião são péssimas, pois além de desmotivar os reservas, acomoda os titulares, pois eles tem aquela certeza que joguem o que jogar, não saem do time, pois tem lugar cativo ali.

O Fred é caso bem emblemático disso. Teve um ano horrível no seu clube, não vem jogando bem na seleção desde a última Copa das Confederações, as vezes dá impressão de que está em más condições físicas, entretanto não sai do time nem com reza brava. Por que? Vai ficar de biquinho por que acha que jogou muito na Copa das Confederações? E daí? Aquele torneio já terminou e parece que ele ainda tá na ressaca do título dele…

Até declarações grosseiras saíram para a imprensa quando se criticou peças do time titular, como se fosse proibido a crítica.

Temos peças boas na reserva. Maicon, Willian, Hernanes, Ramires, Fernandinho(não, não estou contando o Jô, ele é ainda pior) que podem entrar no time e dar um novo dinamismo. De repente até uma alteração, tirar os 3 atacantes, jogar com 2 meias, ou 3 volantes com dois de chegada, entre outras.

O elenco da copa não é ruim, dá margem para alternativas muito interessantes devido a inoperância do time, porém mesmo durante o jogo se nota que as mudanças são apenas de jogador, não de esquema, ou seja tá difícil…

Ficar passando a mão na cabeça dos jogadores e querer ficar dando moral me parece algo tão errado quanto sair atirando para todo lado quando o time perde.

Continuar desse jeito, ele vai “morrer abraçado” com seus queridinhos, pois é preciso ter pelo menos um pouco de bom senso para saber quando alguém simplesmente está em uma má fase, precisam dizer para ele que isso também faz parte do futebol, até os melhores jogadores tem fases ruins(porém os diferenciados mesmo na fase ruim conseguem ajudar e no caso específico falamos de bons jogadores, nada além disso) e se quem saí não consegue entender e aceitar isso, mostra apenas que não tem condição nenhuma de integrar um elenco de qualquer esporte coletivo que seja.

 

Temos muitas opções

Muito tem se discutido sobre a falta de opções do banco da seleção brasileira, principalmente após o empate de hoje contra o México.

Acho que temos que separar vários assuntos diferentes.

Essa seleção que está disputando a copa ficou com um baita rojão na mão. Se pegarmos a idade de Neymar (22 anos), Oscar (22), Paulinho (25), Luis Gustavo (26), David Luiz (27), Hulk (27), etc, veremos que eles estarão (ou deveriam estar) no auge em 2018 (principalmente se pensarmos que os jogadores de defesa ficam melhores quando mais experientes). Mas então, por que a copa “caiu no colo” deles?

Ronaldinho (34), Kaká (32), Adriano (32), Robinho (30), Diego (29), Carlos Alberto (29), Alex Silva (29), Miranda (29), entre outros, simplesmente deixaram a peteca cair. Acho que podemos excluir da lista o Adriano, que é doente (para mim alcoolismo é doença) e o Miranda, que poderia muito bem estar nessa copa.

Tirando isso, onde estão os craques que deveriam estar levando a seleção nas costas? Evidente que não formaríamos uma seleção somente com jogadores acima dos 30 anos, mas se eles tivessem condições técnicas – e principalmente físicas, lógico que seriam os principais nomes, os jogadores que colocariam a cara a tapa nesta Copa do Mundo.

Partindo disso, acho que os jogadores que estão representando o futebol nesta seleção brasileira devem ser reconhecidos por uma característica que durante algum tempo esteve em falta no nosso futebol: personalidade. Você não vê nenhum jogador tirar o pé de dividida, fugir da responsabilidade, ficar em cima do muro. Até com uma certa marra, essa seleção “vai pro pau”, e ganhar ou não, dentro desta perspectiva, acho que é do jogo.

Posto isso, vamos analisar a seleção taticamente, para buscar entender melhor os pontos fortes e fracos dela. Teoricamente, o desenho tático da seleção (feito em um aplicativo porco de celular que eu não consegui exportar em jpg então veio um print mal feito mesmo) seria esse:

tatica01

 

Temos Julio Cesar no gol (que eu esqueci de colocar, mas nem faz falta, também), Dani Alves e Marcelo nas laterais fazendo a linha de defesa com David Luiz e Thiago Silva, Luis Gustavo e Paulinho no meio, Oscar armando, Neymar e Hulk nas pontas (trocando de lado permanentemente) e Fred isolado no ataque, mas recebendo apoio dos meias e laterais. Porém, sabemos que o time não fica assim bonitinho parado. Então tentei simular o comportamento da seleção em duas oportunidades: com e sem bola. Primeiro, como se comporta o Brasil quando tem a posse de bola.

tatica02

 

Daniel Alves e Marcelo vão para o ataque como (duas vacas loucas) se o jogo fosse acabar naquele lance (mesmo que aos 3 minutos de jogo), Luis Gustavo fica na defesa como se fosse um terceiro zagueiro, Paulinho sai para armar com Oscar, Hulk fica mais à direita para tentar puxar para a esquerda e finalizar (falta repertório, eu acho), Neymar fica na zona morta tentando fazer chover e o Fred é um cone, ou bonecão de posto, parado lá na frente. E defensivamente, como este time se comporta?

tatica03

 

Quando não tem a posse de bola, a seleção do técnico Luis Felipe Scolari costuma ter os dois zagueiros (monstros, diga-se de passagem, principalmente o David Luiz) presos na parte central, Luis Gustavo se matando para marcar em todas as direções, o Hulk se matando pra conseguir cobrir as costas do Daniel Alves (ou do Marcelo, quando está na esquerda), e o resto do time fica meio que olhando, com destaque para Daniel Alves e Marcelo, que desempenham bem o papel de cones na recomposição, fingindo que não é com eles e rezando para dar tudo certo.

O que eu vejo de bom nessa seleção:

– O apoio dos laterais (mas nem tanto). Não há uma jogada sequer em que Dani e Marcelo não estejam apoiando. Não deveriam ir ao mesmo tempo, é verdade, mas é a vida, não dá pra controlar os meninos, então aproveitemos a habilidade e visão de jogo de ambos. Acho que deveriam treinar mais cruzamentos e chutes ao gol. Toda hora entrar tabelando funciona no videogame (nem isso eu tenho conseguido, #chateado) mas no futebol de verdade costuma ser um problema, então aumentar o repertório de jogadas seria uma boa;

– Neymar Jr. O menino prodígio está jogando demais, não foge de nenhuma dividida e tem evitado cair. Com seu talento, não precisa de mais nada além de boa vontade e inteligência tática. Demonstra personalidade e é um dos jogadores que menos tem sentido o peso de jogar em casa.

– Oscar. Pode não ser o meia dos nossos sonhos. Pode não ser aquele jogador que chega no ataque com a força que esperamos. Mas comecem a reparar a quantidade de bolas que ele recupera no campo de ataque, e a partir daí temos muitos lances perigosos. Sem falar na inteligência dele, que muitas vezes parece escondido no canto mas está puxando a marcação para abrir espaço (que não está sendo aproveitado) para o Paulinho e os laterais.

O que não estou gostando nessa seleção:

– Laterais. Acho ótimo uma dose de irresponsabilidade, mas duas já soa meio como exagero. Dois laterais que avançam loucamente é quase um suicídio, no futebol moderno. Basta jogar alguém nas costas deles que é certeza de calafrio nos torcedores.

– Paulinho. Ok, ele é Corinthians (maloqueiro e sofredor), deu a Libertadores e o Mundial para nós, mas está mal na seleção. Porém, ao contrário da maioria que acredita ser uma questão técnica, vejo como um problema tático. Paulinho não é armador, não é válvula de escape de time algum. Ele é segundo volante, sua primeira missão é marcar, e só depois chegar como homem surpresa no ataque. Na seleção, ele não está marcando, e está com a responsabilidade de ser um dos armadores do time. Aí não vai rolar mesmo. Também acho que ele está muito sobrecarregado, porque toda hora tem que corrigir algum erro do Dani Alves. Mas talvez seja mais fácil sacar ele do time do que corrigir o problema estrutural da equipe.

– Fred e Hulk. Do Fred eu esperava muito mais, e é nítido que ele não está na sua melhor forma física – e como técnica não é o forte dele, não faz muito sentido mantê-lo no time (mas para colocar o Jô, continuo optando pelo cone). Quanto ao Hulk, acho que ninguém espera muito dele. Apesar dele ser mais que um jogador forte, ninguém acha que ele vai criar lances de extrema habilidade. E como ele não é de frustar expectativas, não está fazendo nada mesmo.

Como resolver tudo isso?

Não vou apontar nenhuma solução que envolva jogadores que não foram convocados, porque a essa altura do campeonato Inês é morta. Um Philipp Coutinho cairia como uma luva em jogos como hoje, mas não adianta ficar chorando pelo leite derramado.

Com o elenco que tem em mãos, o Felipão pode fazer alterações de jogador ou mudar taticamente. Como ele é teimoso e não treinou opções quando teve oportunidade (aqueles amistosos inúteis contra seleções inexpressivas seriam excelentes para isso) acho que ele vai no máximo trocar um seis por meia dúzia, mas vou listar opções aqui (vai que o Parreira lê o site…):

– Tirar um lateral e colocar um terceiro zagueiro. Isso diminuiria o número de bolas pelas pontas que a seleção leva e potencializaria o poderio ofensivo do lateral que restar no time. Eu, particularmente, tiraria o Daniel Alves, e colocaria o Dante. Isso já traria um equilíbrio interessante ao time, pois fortaleceria a defesa, daria mais tranquilidade para o Paulinho, e ainda reforçaria as descidas do Marcelo.

– Tirar os dois laterais e colocar dois zagueiros. Não, eu não enlouqueci. Além de trocar o Dani Alves pelo Dante, o Felipão poderia tirar o Marcelo e colocar o Henrique (aí é que mora o problema). Assim, David Luiz poderia assumir como volante, onde tem jogado nos últimos meses, ao lado do Luis Gustavo, teríamos Paulinho, Oscar, Neymar e Hulk com toda a liberdade do mundo para atacar e o nosso cone lá na frente para finalizar. Acho improvável e desnecessário, mas não é algo para se descartar completamente, pelo menos em alguns momentos de alguns jogos.

– Trocar o Daniel Alves pelo Maicon. Parece troca de seis por meia dúzia, mas não é. O Maicon sobe muito menos e defende muito melhor. Ganharíamos em marcação, mas o time ficaria meio penso pelo lado esquerdo, o que poderia ser resolvido se o Paulinho tivesse mais liberdade para atuar como ala direito (posição que ocupou várias vezes no Corinthians).

– Trocar o Fred pelo Bernard. Jogar sem um centroavante é algo que não conseguimos imaginar em um mundo no qual o Felipão é técnico. Porém, seria uma opção interessante. Aliás, a Espanha campeã de 2010 mostrou que é bem possível ganhar sem um atacante de ofício, até pela ausência de um matador (e agora pegaram nosso Jardel com grife, quebraram a cara e estão desesperados para ganhar do time do Valdivia, lamentável). O time ficaria bem mais leve, mais rápido, e o Neymar ganharia ainda mais liberdade para atacar. Em compensação, ficaríamos ainda mais dependentes do namorado da Marquezine.

Como vocês podem ver, são muitas as opções. Poderíamos falar sobre a entrada do Hernanes, que chuta bem de fora da área, do William (sei lá o que veem nele, acho que tem muito jogador melhor por aí), do Ramires, exceto do Jô, que realmente não deveria nem estar no grupo. O que não dá é pra dizer que a seleção não tem opções de mudar um jogo no decorrer da partida – desde que tudo isso acima seja treinado.

Tenho pra mim que quem comanda taticamente a seleção é o (pé de uva) Parreira, e o Felipão cuida da parte emocional.  Chega a ser assustador ver que a seleção não tem um plano B, não tem variação tática, mesmo com tantas opções dentro do elenco. Tudo isso deveria ter sido testado há muito tempo.

Mas isso só mostra o quanto somos desorganizados também dentro de campo, e do quanto precisamos de uma nova e boa geração de técnicos.

Acredito que a situação não é nem um pouco desesperadora. Empatamos com uma seleção razoavelmente boa, tem a pressão por estar jogando em casa, e pra mim é certa a classificação em primeiro lugar – que falta o México sentirá daqueles dois gols mal anulados.

Mas também não é pra achar que está tudo ótimo e que a seleção está evoluindo, como o Felipão disse várias vezes na coletiva de hoje. Tem que procurar entender o que está dando errado e corrigir – e algo me diz que ele vai trocar umas duas peças para o próximo jogo.

Ah, e antes de me despedir, o registro: o Julio Cesar é fraco, e não foi testado de verdade ainda na copa. Quando a bola chegou, via de regra rebateu para o meio da área. Isso me preocupa, e muito.

Mas eu já escrevi por demais hoje. E vocês, o que mexeriam e o que manteriam na seleção brasileira? Comentem!

Família Scolari – o retorno

Essa semana finalmente teremos a chance de ver a nova “família Scolari” na seleção. Finalmente também veremos o Brasil fazendo um jogo que presta(contra Inglaterra).

O Felipão fez basicamente aquilo que se esperava na convocação: chamar aqueles que estão em melhor fase, aqueles mais experientes, fora os que a torcida sempre reclama de não estarem na lista. Inegável que isso também é para começar fazendo uma certa média com a torcida, mas se isso inclui fazer uma convocação decente, é altamente perdoável.

Sobre a lista, vamos as posições

goleiros – Júlio César(QPR-Ing) e Diego Alves(Valência-ESP)

Sinceramente eu não convocaria o Júlio, acho que ele já teve suas chances na seleção, está em uma fase de transição na carreira(deve voltar para algum grande europeu na próxima temporada), mas considerando a posição horrível do time dele(é o lanterna), não acho que seja esse o momento ideal, talvez dar chance ao Diego Cavalieri, que já vem de 2 boas temporadas no Fluminense fosse uma aposta mais interessante.

Laterais – Daniel Alves(Barcelona-ESP), Adriano(Barcelona-ESP) e Filipe Luís(Atlético de MadriESP)

Justas convocações de Adriano e Filipe Luís, pois o primeiro assumiu a posição de titular no Barça nessa temporada e vem fazendo ótimas partidas, já o segundo desde a época do La Coruña vem fazendo boas temporadas na Espanha e no Atlético é um dos destaques da boa defesa do time madrilenho.

zagueiros – David Luiz(Chelsea-ING), Leandro Castán(Roma-ITA), Dante(Bayern de Munique-ALE) e Miranda(Atlético de Madri-ESP)

A contusão do Thiago silva, acabou dando chance ao Dante, que vem fazendo ótima temporada no Bayern(não pude acompanhar muitos jogos dele, mas é titular absoluto do time. Além do Miranda que junto com o Filipe estão em uma das melhores defesas da espanha(a vice-liderança, sete pontos à frente do Real não é por acaso) e o Castan vem sendo titular na Roma, apesar de achá-lo um zagueiro apenas mediano(e a Roma vem fazendo campanha irregular no italiano)

volantes – Paulinho(Corinthians), Ramires(Chelsea-ING) e Arouca(Santos)

Não há muito o que se contestar, o Paulinho tem sido o melhor da posição no Brasil há pelo menos duas temporadas, tal como Arouca que oscilou junto com o Santos ano passado, mas tem sido dos mais regulares da posição e o Ramires… dos melhores do Chelsea já há um bom tempo.

Meias – Ronaldinho Gaúcho(Atlético-MG), Hernanes(Lazio-ITA) que foi substituído pelo Jean(Fluminense), Oscar(Chelsea-ING) e Lucas(PSG-FRA)

Alguns criticaram pela ausência do Kaká, eu ao contrário não entendia a presença dele… não entendo como alguém que nada vem fazendo há muito tempo tinha vaga no time, é incoerente.
Os outros 3 estão com justiça, apesar de o Lucas ser mais ponta do que propriamente meia… o Oscar tem jogado bem tanto no Chelsea quanto na seleção e o Ronaldinho vem fazendo por onde ser convocado, parece que ele recuperou o prazer de jogar futebol. Por fim o Jean… depois que saiu do São Paulo reencontrou o bom futebol dos tempos que jogava com o Hernanes, foi um dos melhores do brasileiro do ano passado e me parece uma aposta interessante. Alguns diriam do William, ex-Shaktar, q foi para o Anzhi, porém analisando o critério do Felipão, ele é muito mais avançado e o jogador do Flu, encaixa melhor com o estilo do Hernanes

Atacantes – Luis Fabiano(São Paulo), Neymar(Santos), Fred(Fluminense) e Hulk(Zenit-RUS)

Outra área que há pouco a se contestar. Os 3 primeiros são os melhores atacantes em atividade no Brasil, o Neymar o melhor brasileiro em atividade(mesmo que muitos venham com a estupidez de dizer que para ele ser top, precisa jogar na europa). Único nome que muitos contestam é o do Hulk, porém ele na seleção vem fazendo boas apresentações e mesmo no período que esteve no Porto era a estrela do time, posto dividido por um tempo com Falcão Garcia e depois tendo se tornado a estrela maior do time. Sua saída para o Zenit foi conturbada, mas parece que ele está se acertando lá e é uma ótima opção como jogador de ponta que faz muito bom uso da força física, além do potente chute que possui.
A seleção foi inegavelmente bem convocada, mas não dá para se saber qual será o resultado no primeiro grande teste da equipe, que logo de cara pegará a forte Inglaterra, porém os jogadores “novos” na seleção, praticamente todos tem copas do mundo na bagagem, então pressão não deve ser algo que eles sentirão. Acredito que a seleção consiga um bom resultado nesse jogo, já como forma de credenciar o bom trabalho que o Felipão deve executar à frente da equipe.

Já foi tarde

Surpresa!!! Quando ninguém mais esperava mudanças, eis que o Mano Menezes caiu, para a alegria geral da torcida brasileira, que estava cansada já daquela seleção insossa que se via jogar.

Os números dele passam uma falsa impressão de bom aproveitamento(23 vitórias, 6 empates e 6 derrotas), porém as derrotas foram “apenas” para Alemanha, Argentina(2 vezes), França, empate com Holanda e vitórias contra as babas já citadas anteriormente.

O time nunca apresentou efetivamente um padrão, parecia aquele catadão onde vc simplesmente distribui a camisa e manda jogar. Cada vez ele ajeitava o time de um jeito, não dava sequer a impressão de que treinava o mesmo. As Olimpíadas e Copa América são o claro caso da incompetência dele, pois mesmo com tempo maior para preparar o time, em ambos os casos, ele se mostrava um time perdido, que dependia apenas dos talentos individuais para triunfar.

Depois de resultados pífios na sequência de bons amistosos(Alemanha, Argentina, França e Holanda), cancelou dois outros bons amistosos(contra Itália e Espanha), para realizar amistosos contra seleções medíocres, para basicamente ganhar e prolongar seu tempo à frente do time. O pior é que mesmo contra esses times, o coletivo não era destaque, mas sim a individualidade que fazia a diferença e muitos puxa-sacos disseram que ele tinha descoberto um novo esquema, sem o “camisa 9”, porém no primeiro jogo que exigiu mais do esquema, o Brasil não saiu de um empate contra a Colômbia.

O futuro da seleção:

Vieram aqueles nomes de sempre logo que ele caiu: Felipão, Luxemburgo e Muricy, até o Tite foi citado por conta da boa relação com o diretor Andrés(que na minha opinião devia ter ido embora junto com o Mano), porém acho q o Tite seria outro Mano na seleção e os outros 3 não estão nos seus melhores momentos… talvez o melhor seja o Luxa, que se reergueu depois d anos pífios com a excelente campanha do Grêmio.

O nome ideal para 10 entre 10 torcedores é o do Guardiola(inclusive desse que vos fala). Seria um nome diferente e que traria uma nova ótica para o estilo de jogo do futebol brasileiro. Pelo fato da copa ser aqui e até pelo que vejo(muitos dizem que voltariam a torcer pela seleção com o Guardiola no comando), o nome dele é perfeito para o cargo, sem contar que ele mesmo já externou esse desejo, pois quando foi perguntado a ele sobre a possibilidade, ele disse “assumo amanhã e levo o time ao título mundial”.

O anúncio, inicialmente programado para janeiro, talvez seja antecipado e antes mesmo de dezembro já saibamos o nome do novo técnico e infelizmente não deve ser o Guardiola…

Purgatório Alviverde – parte 1

Depois de algum tempo sem escrever por problemas técnicos, voltarei tentando passar um resumo e considerações dessa situação totalmente lamentável q vive o time do Palmeiras, em vias de ir pra série B, com jogadores que não fazem por onde honrar a camisa que vestem(alguns, não todos) e principalmente, uma diretoria 100% incompetente, que agora com eleições diretas, tende a ser apenas mais uma página negra, na já catastrófica história política do clube alviverde.

Nessa primeira matéria, vamos analisar a situação até a derrocada de Felipão do comando do time.

depois do jogo contra o Grêmio, o time recuperou-se bem com a ajuda da torcida e conseguiu uma boa vitória sobre o Sport e dava a entender que começaria uma reação, o que foi um grande engano, pois vieram derrotas para o Atlético-Mg, Vasco e Corinthias. Está última já sobre o comando do Narciso.

Focando nas duas primeiras, víamos um time que jogava de forma afobada, desesperada, que ao mesmo tempo se lançava ao ataque, pecava pelo nervosismo na hora de finalizar e não tinha forças para reagir.

A cada derrota, notava-se um Felipão conformado, como se não houvesse mais jeito de salvar o time. A forma dele falar já demonstrava um técnico mais entregue que os jogadores, como se ele simplesmente não soubesse mais o que fazer.

Vejo esse como o principal motivo para sua demissão. O jeito como ele lidava com a situação, mostrava que ele apenas esperaria o final do ano, porque esse já estava perdido e nesse ponto acabo por concordar em partes com sua demissão, pois quando o comandante do time não vê mais solução, é até válido tentar uma troca na esperança que alguém chegado de fora consiga ver algo que aquele que estava lá dentro talvez não tivesse reparado.

A culpa nem de longe é do Felipão e vejo que se o time voltou a conquistar um campeonato, foi muito em função do seu estilo de comando. O ponto de derrocada do time sob seu comando foi o departamento médico sempre cheio e tantos erros que se sucediam, além do próprio moral fragilizado de muitos jogadores. A diretoria merecerá uma análise especial ao final dessas matérias, mas se o time vive essa fase é 90% culpa da direção.

Segunda parte da matéria tratará da vinda do Gilson Kleina, da esperança renovada e do novo tombo, aquele que talvez venha a ser o definitivo.

Botafogo afunda diante do “Destroyer” Barcos, de novo.

Está virando rotina, Barcos decide novamente contra o Botafogo e o Palmeiras conquista sua primeira vitória fora de casa no Brasileirão, por 2 a 1(era para ter sido 3, mas isso citarei mais a frente).

O Palmeiras novamente sentiu falta de um meio campo mais criativo(Patrik continua sua sina de atuações sofríveis), porém o Fernandinho mesmo improvisado, conseguia ser um bom quebra galho e o time vivia basicamente dos contra-ataques, pois o Botafogo durante boa parte do jogo tomou a iniciativa do jogo.

Foi aí que o artilheiro de novo apareceu, depois de um cruzamento do Artur, o Obina acabou furando, ele dominou, cortou o zagueiro e chutou para abrir o placar.

Erro do jogo: time recuou demais e durante boa parte do tempo, apenas o Botafogo pressionava, tanto que acabou por empatar com um gol do Andrezinho.

O time então resolveu avançar mais(Daniel Carvalho voltou e mesmo fora de forma ainda é melhor que o Patrik) e em um lindo lance do Fernandinho(que pos a bola entre as pernas do zagueiro botafoguense) que tocou para o Barcos apenas empurrar a bola pro gol.

Ainda teve o lance mais bonito do jogo, onde o Barcos recebeu um passe atrás da linha da bola e onde o zagueiro estava muito à sua frente, cortou o zagueiro dentro da área e tocou com categoria por cima do goleiro, porém… o auxiliar alegou impedimento!!!! O lance acabou não tirando a vitória do time, mas 3 jogos seguidos com erros clamorosos contra o time é realmente de se preocupar com essa “boa vontade” da arbitragem contra o time. Não sou de acreditar em teorias da conspiração, mas continuar desse jeito vai ser difícil de acreditar em outra hipótese. São muitos erros, muito óbvios, seguidos e sempre contra. A ruindade geralmente pende para os dois lados, não tem sido bem o caso…

Esses absurdos a parte, o Palmeiras começa a recuperar-se no campeonato, para assim poder ter sossego e dedicar-se a Sul-americana, competição que o time tem boas chances de fazer um excelente papel.

Barcos com esses já chegou em 19 gols em 35 jogos, faltam apenas 8 para atingir a média prometida. Depois de tempos a procura o Palmeiras finalmente tem seu matador, que além de faro de gol, vem demonstrando muita categoria com belos gols.