Escolha uma Página
Volta copa do mundo!!

Volta copa do mundo!!

A copa terminou! E a cada dia que passa, nos vemos pensando: por que terminou tão cedo?

Desde que a copa terminou, assisti/ouvi mais de 10 jogos(todos do Palmeiras e alguns de Santos, Corinthians e São Paulo, até em função das transmissões) e posso dizer: não vi um único jogo bom! Nenhum mesmo, nem ao menos o clássico entre Palmeiras x Corinthians.

(mais…)

Duelo de campeões agitam as semifinais da Copa das Copas

De um lado, Brasil e Alemanha. Do outro, Argentina e Holanda.
Se já não bastasse o peso e a tradição das camisas, os quatro times que entram em campo pela disputa de uma vaga na final contam com uma bagagem bem recheada de troféus: são 10 títulos mundiais e 11 vice-campeonatos em campo.
No primeiro duelo, logo mais às 17h, no Maracanã, Brasil e Alemanha são responsáveis por oito títulos e mais seis vices.
Já as seleções da Argentina e da Holanda somam dois títulos mundiais e cinco vice-campeonatos.
E não para por aí. Esta é a primeira vez na história que as semifinais reeditam duas finais de Copas passadas.
Brasil e Alemanha entram em campo hoje para reeditar a final da decisão de 2002, que foi disputada em 30 de junho no Internacional Stadium, na cidade de Yokohama no Japão. Naquela ocasião, o Brasil venceu a Alemanha por 2–0, com gols do Ronaldo.
Coincidentemente, o outro jogo da semifinal entre Argentina e Holanda reedita a final de uma outra Copa: a de 1978.
A 11ª Copa da história foi disputada no país dos hermanos que ficaram com o título após vencer a Holanda por 3×1 na prorrogação. Vale dizer que nesta copa, o Brasil ficou em terceiro lugar.
E para encerrar as coincidências, outra disputa chama a atenção. Nesta Copa 2014, os quatro times que estão nas semifinais disputam acirradamente a artilharia da competição. Müller (Alemanha), Messi (Argentina) e Neymar (Brasil) marcaram quatro vezes cada e tentam (excluindo Neymar que está fora da Copa) alcançar o colombiano – já eliminado – James Rodríguez. Robben e Van Persie da Holanda estão logo atrás, com três gols cada.
Um pouco mais atrás e ainda na disputa, o brasileiro David Luiz e Hummels (Alemanha) com dois gols cada.
Apenas por este histórico já dá para ver que serão disputas bem acirradas. E que vença o melhor futebol.

A Seleção da Copa: os melhores da primeira fase

Quem não quer um Messi, um Muller ou um Neymar em campo defendendo sua seleção? Na visão de muitos especialistas, os jogadores são craques e não ficariam de fora da lista de titulares.
Mas não é o que pensa a Fifa e seus patrocinadores. A entidade divulgou uma lista elaborada por um patrocinador que escala os onze titulares da Copa na primeira fase. O ranking aponta os melhores por posição em campo e é atualizado a cada rodada do Mundial.
Com notas 9,52 para Neymar (Brasil), 9,45 para Messi (Argentina) com e 9,12 para Müller (Alemanha), os artilheiros do Mundial ficaram de fora. .
A boa notícia, é que apesar do nosso artilheiro não ter sido escolhido, a Seleção Brasileira garantiu duas vagas com os zagueiros David Luiz e o capitão Thiago Silva.
A Seleção que representa a primeira fase da Copa do Mundo, de acordo com avaliação dos especialistas selecionados pelo patrocinador, ficou com Enyeama (Nigéria – nota 9,35), David Luiz (Brasil – 9,69), Van Buyten (Bélgica – 9,58), Thiago Silva (Brasil – 9,5) e Sakho (França – 9,47); James Rodríguez (Colômbia – 9,79), Perisic (Croácia – 9,74), Shaqiri (Suíça – 9,55) e Lahm (Alemanha – 9,33); Benzema (França – 9,65) e Robben (Holanda – 9,62).

Vale lembrar que em 2013, na Copa das Confederações, o primeiro lugar do ranking ficou o atacante Fred, que ao lado do espanhol Fernando Torres, foi um dos artilheiros da competição com cinco gols.

Um Resumo do Grupo H

Um Resumo do Grupo H

Ao iniciar a cobertura do grupo H disse que tinha tudo pra ser o grupo mais divertido dessa copa, e agora posso dizer, nunca errei tanto. Com exceção de uma partida (Argélia X Coréia do Sul) todos os jogos foram mornos, muito abaixo do nível da copa e praticamente todas seleções desse grupo decepcionaram, com exceção da seleção Argelina. Vamos a uma analise de cada integrante do grupo: (mais…)

Saldo da primeira fase da Copa do Mundo em São Paulo

A primeira fase da Copa do Mundo acabou hoje e já é possível analisar o que vem dando certo e o que não está dando tão certo assim.

Nesta análise vamos fazer um recorte do Mundial aqui em São Paulo. Em relação à ida e vinda para o Itaquerão, é sabido que as barreiras montadas pelo setor de Transporte impedem os carros não-credenciados de chegar no perímetro do estádio. Esta é uma operação importante e levada a sério pelos organizadores, o que faz com que o transporte público seja usado pela grande maioria, inclusive pelos turistas que estão surpresos pela limpeza, rapidez e pontualidade dos trens e metrôs. Além disto, funcionários do metrô especialmente treinados dão informações em inglês e espanhol nas estações.

Os copos promocionais da Coca-Cola e da Budweiser viraram os suvenires prediletos da galera e são disputados por todos. Alguns torcedores chegam a sair com mais de 10 copos na mão.

A segurança ao redor do estádio também tem sido eficaz e ostensiva. Rondas constantes são realizadas por todas as polícias.

Se temos muitos motivos para celebrar, por outro lado, a nossa não-fluidez em outras línguas tem surpreendido negativamente os turistas estrangeiros. Alguns encontram dificuldades para conseguir chegar, andar e sair do estádio. Na maioria dos casos, os voluntários é que precisam fazer o papel de tradutores.

Apesar de lindo, o estádio ainda não está 100%. A arquibancada provisória não inspira muita segurança. Quando chove, surgem várias goteiras no interior do local e por aí vai.

Outra coisa que não tem agradado são os preços dos produtos dentro do estádio (por exemplo: 10 reais um saco médio de pipoca e 8 reais um copo de refrigerante), isso sem falar nos produtos oficiais da loja da FIFA, onde um chaveiro custa R$ 20.

Outra coisa que não pegou muito bem é a FIFA não permitir visitas dentro do estádio em dias de não-jogos. Muitos torcedores que não conseguiram ingressos para a partida vão até a porta do estádio para tirar fotos e conhecer a dependência da Arena São Paulo mas se decepcionam ao descobrir que a entidade não libera a visita. Para piorar, as tais lojas oficiais só abrem em dias de jogos e dentro do estádio e só pode ser visitadas por quem tem ingresso, o que frustra quem quer voltar para casa com uma pequena lembrança.

Mas inegável mesmo é a interação que se vê por todos os lados da cidade. Os comércios estão lotados de turistas encantados com a simpatia dos brasileiros. E tudo vira motivo de farra e festa. Para coroar tudo isto, uma chuva de gols marcados pelos nossos craques promete deixar saudades pelos próximos quatro anos.