Escolha uma Página

O alviverde sendo imponente

Jogos como esse contra o Libertad, são do tipo que o lado técnico do time acaba sendo colocado em segundo plano.

A vitória e principalmente a forma como ela veio, tornam o momento único.

A superação, a entrega, a raça, determinação para conseguir o resultado necessário, sabendo que aquele era o “jogo do ano” até o momento fizeram a torcida apoiar os 90 minutos o time.

Mesmo em momentos adversos a torcida não deixou de apoiar, vaiar? apenas quando o adversário tinha a posse da bola.

A torcida, que praticamente havia rompido com o time pós-goleada sofrida contra o Mirassol, reatou com o time, pois em nenhum momento, nem quando o time ficou com um a menos, a torcida desanimou, continuou apoiando até o fim e teve a recompensa por todo esse apoio.

O time não ficou melhor tecnicamente, ainda possui muitas falhas, nem mesmo parou de errar, ainda continua a ter seus momentos de pane. Porém a forma como o time tem ido para as jogadas, disputando cada bola como se fosse a bola do título, tornam o time cada vez mais difícil de ser batido.

São 4 vitórias seguidas, sendo 3 delas bastante representativas: as duas da Libertadores, que valeram a classificação e a contra a Ponte, única invicta do Paulistão e vencendo em Campinas.

Méritos para o presidente Paulo Nobre que manteve o Kleina no cargo mesmo depois do desastre de Mirassol(momento aquele que eu mesmo tinha muitas dúvidas se era válido que ele continuasse, pois parecia que ele tinha perdido o rumo), porém ele acreditou no que vem sendo feito e apenas 2 semanas depois vê o time saindo do inferno e tendo seus merecidos momentos no paraíso, classificado com uma rodada de antecedência, coisa que nem Grêmio, Fluminense ou São Paulo(esse com grande risco de eliminação) conseguiram.

A moral do time está lá no alto e acredito que essa classificação ainda não é o limite do time, pois considerando até que devem chegar reforços para o time na segunda fase da Libertadores, não seria de se surpreender que o time avance mais ainda.

O título continua sendo uma possibilidade improvável, porém depois de tudo que foi visto, não pode-se dizer mais que é impossível.

Quinta foi o dia que o palmeirense pode, desde o título da Copa do Brasil ano passado, ter verdadeiramente orgulho do time.

Classificado!

Classificado!

Depois de alguns jogos realmente dignos de vergonha, hoje mesmo sem fazer seu melhor jogo, o Palmeiras conseguiu fazer bem seu papel, venceu por 3 a 1, com destaque para o Leandro Amaro, autor de dois gols e foi o único time que se classificou diretamente.

O Palmeiras entrou para esse jogo disposto a apagar as últimas pífias atuações e contou com uma escalação q eu particularmente não gostei, com 4 volantes, o Daniel Carvalho e o Barcos isolado na frente. Até entendo que no caso do Wesley, ele tinha liberdade para ir ao ataque e os laterais avançavam constantemente, porém uma tática assim força o Barcos a voltar muito pra buscar jogo, o que acaba prejudicando seu desempenho, tanto que hoje até ele sair, mal recebeu bolas com condições minimamente boas. Daniel Carvalho e Juninho se destacavam, e até o Wesley fazia algumas jogadas(a cada jogo seu desempenho vem melhorando, mostrando que o caso é exatamente ritmo de jogo) e o Cicinho também aparecia no ataque, porém novamente o time pagou por errar nas finalizações e acabou por sair atrás no placar, em falha ridícula do Leandro Amaro, que cortou a bola pro meio da área, dando quase uma assistência para o atacante adversário. A impressão que deu, era que a história ia se repetir e o time ia se afobar e ir de forma desorganizada à frente, porém ao contrário o time manteve a calma e criou diversas chances perigosas, principalmente pelos pés do Daniel, que fez ótimo primeiro tempo, porém em mais um bom lance de bola parada Leandro Amaro se redimiu e empatou.

O segundo tempo contou com a entrada de Maikon Leite no lugar do Wesley(eu deixaria pra dar mais ritmo) e com uma opção de dupla de ataque… Barcos mal pode aproveitar, pois logo ele foi sacado para a entrada do Ricardo Bueno(deus do céu!), e o jogo ainda reservava surpresas, pois além do gol da virada ter sido feito também pelo Leandro Amaro, Maikon Leite voltou a marcar após bom lance individual e uma tabela meio involuntária com o Ricardo(porque ela bateu no pé dele e não ele q passou) e com uma boa finalização, marcou o gol que garantiu a classificação do time de forma direta.

O jogo hoje mostrou um Palmeiras diferente daquele dos últimos jogos, pois era um time que criava, disputava todas as bolas e não desistia dos lances, porém sem ser afobado ou atacar de qualquer jeito. Até quando tomou o gol o time mostrou calma e buscou de forma organizada retomar o controle do jogo e conseguiu, ao contrário das últimas partidas, uma reação mais rápida e ainda teve calma para conseguir virar e fazer o gol da classificação.

Algo tem me desagradado muito no Felipão: suas mexidas tem sido demasiado óbvias, ele não arrisca algo diferente, e pior está jogando de uma forma que vem prejudicando e muito o Barcos, pois este jogando isolado na frente, constantemente é visto na intermediária e até mesmo no meio campo pra buscar bola e assim não consegue estar bem posicionado quando os meias ou laterais, chegam em condição de dar-lhe uma assistência.

Outra coisa é o Bueno… tenho sido repetitivo e acho que até mesmo implicante, mas não tem a menor condição dele continuar a jogar pelo Palmeiras. Ele é muito fraco tecnicamente, mesmo entrando e jogando com relativa frequência, não progride em nada e principalmente: sua mira parece estar cada dia pior, pois ele acerta tudo, menos o gol. Sorte do time que ele está apenas por empréstimo, porque seria difícil arrumar alguém disposto a contratá-lo.

Apesar da vitória ter sido meio aos trancos e barrancos, valeu mais pela questão moral e pra tirar as cornetas de plantão que por conta de dois resultados, já queriam tumultuar o ambiente do time(cheguei ao cúmulo de ligar a tv em um “debate” no começo da tarde, e estar lá o tema: a crise no Palmeiras! ridículo…)

Acredito que o time com isso tenha recuperado o rumo e que contra o Guarani domingo, o time já mostre uma postura diferente daquela mostrada nos três últimos jogos do Paulista.