Arquivo da tag: Champions League

Fase de grupos Champions League: grupos E até H

Dando continuidade a análise dos grupos da Champions(você pode conferir a primeira parte AQUI), finalizarei com os grupos de E até H, com grande destaque para os times do Barcelona, Bayern de Munique, Chelsea, Paris Saint-Germain e Manchester City.

Continue lendo Fase de grupos Champions League: grupos E até H

Fase de grupos Champions League: grupos A até D

Para os apreciadores do bom futebol, está em vias de começar a fase de grupos de Uefa Champions League 2014/15. Como não poderia deixar de ser, o Em cima da linha vai dar seu pitaco sobre os grupos, considerando favoritos e até possíveis surpresas. Começaremos com os grupos de A até D, que disputarão suas partidas nesta terça-feira 16.

Continue lendo Fase de grupos Champions League: grupos A até D

Quando técnicos podem ganhar campeonatos

Hoje em dia se ouve muito falar em Chelsea, Manchester City, PSG, agora Mônaco, que seriam os emergentes ou “novos ricos”, times que tem alguma tradição, mas viviam tempos de ostracismo, mas com um aporte financeiro pra lá de generoso, começaram a se tornar potências em nível nacional e alguns até em nível europeu. Por outro lado temos times como o Real Madrid, Barcelona(em uma escala menos grotesca) que gasta por conta(muito em função de benefícios fiscais e algumas vantagens que não vem ao caso no momento). Poderia até incluir o Bayern de Munique que tem também um aporte financeiro muito desproporcional ao dos outros times alemães, em função da participação de grandes empresas nas ações do clube. Isso apenas para citar os exemplos que mais tem chamado atenção hoje em dia.

Entretanto nos últimos anos, alguns times tem conseguido fugir a regra do dinheiro pode tudo, que estava virando o futebol. Times como o Borussia Dortmund, Atlético de Madrid e Liverpool, clubes muito tradicionais, mas que tem um poderio financeiro consideravelmente menor que as potências de seus respectivos países. Interessante coincidência no fato que esses três times conseguiram mudar esse cenário com ajuda de seus técnicos, que mostraram grande qualidade para pinçar jogadores de outros times, uns esquecidos, outros jovens e assim montar elencos bem competitivos.

O Borussia quando chegou o Jürgen Kloop em 2008, era um time com sérios problemas financeiros, que vinha lutando nas partes intermediárias da tabela. Ele conseguiu não apenas remontar o time, procurando jogadores baratos de ligas menores, como pegando revelações do próprio clube e montou um time que já conseguiu um bicampeonato alemão, uma copa da alemanha, além de ter sido finalista na Champions League, perdendo para o Bayern de Munique na final.

O Atlético de Madrid que já teve um passado glorioso na espanha, já rivalizou com os outros grandes, teve muitos problemas nos anos 90, chegando até a ser rebaixado, voltou, capengava em posições intermediárias, conseguiu voltar a conquistar algo depois de muito tempo com o técnico Aguirre e os destaques Forlan e Aguero, mas foi depois da chegada do Simeone que o time conseguiu voltar realmente a figurar com destaque. Foi campeão da Copa do Rei em cima do Real Madrid, venceu novamente a Europa League, foi terceiro no último espanhol, conseguindo vaga para a Champions e agora está na semi da Champions e lidera o Espanhol, estando muito próximo de voltar a vence-lo.

O caso do Liverpool não chega a diferir muito dos demais. Andou sofrendo com técnicos fracos, contratações ruins e campanhas medíocres. Decidiu apostar no técnico Brendam Rogers. Ele sofreu por reformular drasticamente o elenco e no primeiro ano chegou até a perigar entrar na zona de rebaixamento. No seu segundo ano, o time foi se ajeitando, subindo de produção, começou a surpreender nos clássicos e atualmente depende apenas de suas próprias forças para conquistar o título inglês novamente depois de mais de 20 anos.

Isso mostra como um bom técnico pode de fato fazer a diferença no time, pois os três times tem elencos desequilibrados, pois na falta de alguma peça do time titular, nem sempre se tem reposições à altura. Tanto que nessa temporada o Dortmund acabou por ter muitos problemas com contusões e não conseguiu acompanhar o Bayern na Bundesliga(mesmo que fosse muito improvável lhe tirar o título, a diferença poderia ser muito menor), assim como sofreu na Champions League, onde talvez tivesse tido melhor sorte contra o Real Madrid, pois mesmo com o time todo desfigurado, ainda sim ficou a um gol de levar o jogo para a prorrogação. Como o Liverpool que oscilou no returno por conta de problemas com contusões também, assim como o Atlético que acabou tendo alguns tropeços na falta de suas principais peças, onde talvez com um elenco mais robusto, talvez a vantagem para Real e Barça fosse até maior.

Para aqueles que gostam de acompanhar futebol ver casos como esse são de fato animadores, pois mostra que em tempos onde o dinheiro tem dado as cartas no futebol, ainda tem times que conseguem com inteligência, um bom planejamento e alguma sorte com contratações de jogadores considerados “refugos” montar times muito competitivos e que podem causar um imenso estrago entre os endinheirados do momento.

Quartas de final Champions – ida 2

Seguem os dois confrontos da fase :

 

Real Madrid x Galatasaray

Um dos confrontos mais desequilibrados dessa fase(senão o mais), pois não tem nem como comparar os 2 elencos, a diferença é absurda.

O real chega com a moral de ter eliminado o mais difícil rival dentre os 8 classificados, o Manchester United e dentro do Old Traford, vem em boa fase no espanhol também, tendo chegado a vice liderança, sem contar as 2 vitórias bem convincentes sobre o arquirival Barcelona. A fase do time dá a entender que não deve ter problemas com esse adversário.

Comentado anteriormente já, os reforços do Galatasaray deram um novo status para o time, que vinha como grande azarão(acredito que apenas acima do Celtic), agora é um time que exige muito mais respeito e cuidado. Venceu de forma convincente também o Schalke em casa(o que não costuma ser fácil) e também chega fortalecido para esse confronto, em especial pelo fato de seus reforços do começo do ano estarem muito mais entrosados.

O jogo de ida pra em Madrid pode ser decisivo para essa disputa. Uma vitória com boa margem do Real, praticamente garante o time espanhol(a partir de uns 2 a 0), porém se o Galatasaray se superar e conseguir uma vitória fora, a chance de uma zebra torna-se muito grande. Os turcos dependerão de nos 2 jogos o trio Yilmaz-Drogba-Sneijder estarem inspiradíssimos para terem uma boa chance, do contrário não serão páreo para o time madrilenho.

Borussia Dortmund x Málaga

OUtro confronto que considero bastante desequilibrado dessa fase, porém menos que o do Real, pois aqui tratamos de dois times considerados grandes surpresas do torneio.

Vencendo com facilidade o Shaktar em casa, o Borussia chega com status de favorito nessa fase. Único time ainda invicto(o outro era a Juventus, mas que perdeu para o Bayern) chega com o time encaixado e muito bem entrosado. A jovem dupla Reus e Götze não pareceu sentir a pressão de estar em uma fase decisiva e vem jogando seu melhor futebol, assim como o artilheiro Lewandowski.

O Málaga por sua vez é o maior azarão dessa fase, pois apesar da boa campanha, ninguém acreditava que eles superassem o tradicional Porto, porém eles fizeram valer seu melhor time e despacharam o time português em casa com um relativamente tranquilo 2 a 0. Estão no lucro já por terem chegado tão longe e como na fase anterior estão jogando pra ver até onde dá para chegar.

Acredito que assim como na fase anterior o Borussia talvez tenha problemas na Espanha, mas decidirá esse confronto também em casa. Resta ao Málaga tentar perder de pouco, para buscar o resultado em casa igual fez com o Porto. Vejo o time do Borussia, principalmente pelo seu excelente entrosamento, apenas abaixo de Barça, Bayern e Real, o que pode faze-lo o azarão das semi, caso os 4 passem.

Fase final Champions – confrontos 1

Nesse segundo especial sobre a Champions League, falarei sobre os 4 primeiros confrontos das oitavas de final:

 

Borussia Dortmund x Shakhtar Donetsk

Borussia Dortmund Artilheiros:                Robert Lewandowski 4 Marco Reus 3                Mario Götze 1             Julian Schieber 1       Marcel Schmelzer 1      campanha:                        4v 2e 11gp 4gc
FC Shakhtar Donetsk Artilheiros:               Willian 4                         Luiz Adriano 3                         Henrikh Mkhitaryan 2 Alex Teixeira 2 Fernandinho 1 campanha:                              3v 1e 2d 12gp 8gc

  O confronto das duas surpresas da primeira fase.

  O Borussia não só despachou o badalado Manchester City, como sobrou nos dois confrontos contra o Real(venceu um e empatou o outro jogando muito melhor). Montou um time jovem, porém muito equilibrado e com praticamente todos jogadores em boa fase. Compensou a perda do ótimo Kagawa no início da temporada, com a chegada do tão bom quanto Marco Reus. Manteve seu artilheiro Lewandowski e na janela de inverno trouxe de volta o Nuri Sahin, que duas temporadas atrás havia sido eleito o jogador do campeonato. Time que considero não só favorito no confronto, como favorito ao título também.

 O Shakhtar conseguiu a maior surpresa da primeira fase: eliminar o campeão Chelsea. Fez ótimas partidas contra o próprio Chelsea e também contra a Juventus. Trouxe o bom Taíson, porém perdeu seu principal jogador e artilheiro na champion, Willian, para o Anzhi. Negócios como esses sempre me soam inexplicáveis: o jogador tem boas chances de se destacar e ir para um time mais qualificado(pois tem nível para tanto), entretanto vê apenas o dinheiro e vai para um lugar onde ele ficará escondido e perderá espaço em uma possível convocação para a seleção(ele poderia ter possibilidades de ir a copa pelo que vinha jogando). O Shakhtar chega enfraquecido para o confronto e acho que essa perda pode ser o fator determinante nesse confronto.

Borussia deve passar com alguma dificuldade, porém seguirá adiante em pé de igualdade com os outrospostulantes ao título

Paris Saint-Germain x Valência

Paris Saint-Germain FC Artilheiros:               Ezequiel Lavezzi 3       Thiago Silva 2           Zlatan Ibrahimović 2 Jérémy Ménez 2            Alex 2                            Blaise Matuidi 1          Javier Pastore 1 Guillaume Hoarau 1 campanha:                           5 v 1 d 14 gp 3 gc
Valencia CF Artilheiros Jonas 4 Roberto Soldado 4 Sofiane Feghouli 3 Nelson Valdez 1 campanha: 4v 1e 1d 12gp 5gc

Um confronto muito interessante dessa fase, pois ambos times fizeram uma boa primeira fase, onde o Valência disputou a liderança do seu grupo ponto a ponto com o fortíssimo Bayern de Munique e o PSG contou com o equilíbrio na sua disputa com o Porto, tendo desgarrado apenas no final da fase.

Vejo um favoritismo um pouco maior para o PSG, que diferente do começo da fase de grupos, conta com o time muito mais entrosado e que conta com o interessante reforço do veterano David Beckham, que se não é mais tão novo, mantém o pé calibrado como sempre, e pode ser uma ótima alternativa para uma partida truncada.

O Valência conta com dois atacantes em boa fase: o Jonas que vem sendo destaque do time e o Soldado que desde o ano passado vem jogando muito bem, tendo inclusive sido presença constante nas convocações da seleção desde então.

Seja qual dos dois que passarem, o time que enfrentá-lo terá um pedreira pela frente, pois ambos mostraram-se muito difíceis de se bater na primeira fase.

 

 Juventus x Celtic

Juventus     Artiheiros:       Arturo Vidal 3       Fabio Quagliarella 3                     Sebastian Giovinco 2                     Leonardo Bonucci 1                  Claudio Marchisio 1   Mirko Vučinić 1 campanha:               3v 3e 12gp 4gc
Celtic FC                           Artiheiros:                                 Giorgos Samaras 3                   Gary Hooper 2                             Kris Commons 1                            Tony Watt 1                             Victor Wanyama 1                  campanha:                                                     3v 1e 1d 9gp 8gc

Facilmente o confronto mais desequilibrado das oitavas.

A Juventus começou meio irregular, tendo empatado com o Shakhtar e com o Nordsjeland, porém depois engrenou e acabou terminando a primeira fase na liderança e invicta no grupo. conta com uma defesa muito forte, porém o ataque deixava a desejar(o Quagliarella nunca foi uma unanimidade), tanto que por conta disso na janela de inverno eles foram atrás do Anelka, que estava jogando na China para ser seu novo homem-gol. Sinceramente acho que ele deixa muito a desejar em momentos decisivos, porém reconheço que da sua época pé torto no Real Madrid até o Chelsea ele evoluiu demais, tanto que era dos artilheiros da equipe londrina. Com o meio campo forte e técnico como o da Juve, chances para ele guardar muitos gols é que não faltarão.

O Celtic com certeza é o time mais inesperado da fase. Em um grupo onde ele além de ter de encarar o todo-poderoso Barcelona, ainda contava com equipes teoricamente melhores como o Spartak Moscou e o Benfica, porém o Celtic não só superou ambas, como ainda venceu o Barcelona. O time não tem nenhum grande nome(o mais conhecido certamente é o grego Samaras), porém joga ao melhor estilo clássico inglês: marcação pesada, muitos cruzamentos e não muitos lances de técnica apurada.

Qualquer coisa diferente da classificação da Juventus, pode ser considerada a zebra da fase, dada a diferença técnica entre ambos, porém acho que o Celtic venderá muito cara essa classificação, principalmente no jogo a ser realizado na Escócia, podendo arrancar um empate, ou até mesmo uma vitória, porém na Itália, acredito que a Juve faça prevalecer sua maior qualidade

Manchester United x Real Madrid

Real Madrid CF Artilheiros Cristiano Ronaldo 6 Karim Benzema 3 José Callejón 2 Mesut Özil 1 Marcelo 1 Pepe 1 Kaká 1 campanha: 3v 2e 1d 15gp 9gc
Manchester United FC Artilheiros:                        Javier Hernández 3          Robin van Persie 3          Michael Carrick 1            Jonny Evans 1                 Wayne Rooney 1                campanha:                                 4v 2d 9gp 6gc

Sem dúvida nenhuma o mais esperado confronto dessa fase, pois envolverá duas equipes que contam com verdadeiras seleções.

O Real Madrid, diferente da temporada passada, chega nessa fase com vários problemas internos, jogadores insatisfeitos, possibilidades de saída do Cristiano Ronaldo(entre as especulações, o próprio Manchester), Mourinho, suposto racha no elenco, além de ter sido superado com relativa facilidade pelo Borussia na fase de grupos. Ainda sim conta com o Cristiano Ronaldo jogando muito(como sempre), o que novamente pode ser o elemento diferencial para o time madrilenho.

O Manchester por outro lado vem em uma temporada tranquila, o time liderando com folga o inglês, se classificou sem sustos no seu grupo(que de longe era o mais fácil dentre os 8), se dando ao luxo de perder dois jogos desnecessariamente e ainda terminar na primeira posição. O Van Persie caiu como uma luva no time e vem jogando tão bem quanto estava no Arsenal(talvez até melhor), além de contar com o sempre perigoso Rooney e com o Chicharito, que apesar de nem ser o titular, está sempre deixando sua marca(tanto que divide a artilharia do time na Champions com o Van Persie).

O Confronto é equilibrado ao extremo e qualquer time que se classificar não será surpresa, porém atribuo um leve favoritismo ao Manchester pela melhor fase e tranquilidade do elenco, que não se vê envolvido praticamente toda semana em conflitos internos, como é o caso do Real.

André Villas Boas: A crônica de uma tragédia há muito já anunciada.

Como uma pedra lançada ao céu ou um martelo batendo a fronta de um réu André, por hora já não mais falará “In the left, in the right, in the middle” em Stanford Bridge. Villas Boas, jovem treinador português, caiu sentenciado numa sucessão de resultados negativos, sendo o último capítulo neste sábado contra um módico carrasco: West Bromwich 1, Chelsea 0. Bastou. Convenhamos, desde o início Villas Boas não vinha apenas como novo treinador do Chelsea, em substituição a Carlo Ancelloti, mas sim como substituto de José Mourinho, uma nova espécie de “Mou”. Não obstante esse fardo André também tinha que lidar com a pouca idade para um comandante uma vez que era apenas um ou dois anos mais velho que estrelas do elenco como Lampard e Drogba – cujos já tiveram um histórico de derrubar treinadores, que o diga o Luiz “Big Phill” Scolari. Diante do em cima exposto imagino que boa parte do insucesso do treinador passa pelos bastidores, uma mera hipótese, mas se pegarmos uma sucessão de resultados do Chelsea temos que a nau capitaneada por Villas Boas começou a adentrar mares tenebrosos após a derrota por 3 a 1 em casa para o Aston Villa no último jogo de 2011. Daí em diante foram 8 jogos na liga: 3 Vitórias, 3 Empates e 2 Derrotas, o que resulta numa diferença de 20 pontos diante do líder Manchester City, da calculadora para lógica: The End para a Barclays Premier League. Tudo até agora dito são hipóteses, algumas fundamentadas com números outras não, entretanto para concluir é necessário pensar sob o prisma Roman Abramovich. O magnata russo e proprietário do Chelsea deve enxergar como iminente o “fora” que vai levar da menina dos olhos, a UEFA Champions League que deverá ir para próxima dança com Lavezzi, Cavanni, Hamsik e cia Napolitana após o baile dos 3 a 1 no San Paolo. A próxima rodada além de definir o sonho de Abramovich responderá se Villas Boas contava ou não com apoio do time. Como diria um senhor quase centenário que conheci “vamos aguardar e esperar”, frase válida para o português não mais sentado a beira do gramado e sim em frente a TV.