Arquivo da tag: brasil

Os desafios de Dilma

Antes de mais nada, é importante deixar claro que este não é uma postagem sobre política, sobre quem deveria vencer a eleição ou qual candidato/partido é melhor. É uma postagem sobre esportes.

Passada a eleição presidencial, a presidente (re)eleita Dilma Roussef tem muitos desafios no país, incluindo aí melhorias no esporte. “Ah, mas a presidente tem coisas mais importantes para se preocupar”, dirão alguns. Concordo e discordo. O esporte não é prioridade em uma gestão pública, claro, mas pode ajudar muito no desenvolvimento, como explicarei abaixo. Continue lendo Os desafios de Dilma

Libertadores 2014 – Felicitaciones Cuervos!

romagnoli

Acabou mais uma edição da taça libertadores. E como virou praxe desde 2012 cai um mito de um grande time que nunca havia conquistado esse título, e de uma torcida fantástica que merecia fazer uma festa imensa por esse conquista, ao exemplo do que aconteceu com Corinthians e Atlético mineironos anos anteriores, dessa vez a festa foi dos hinchas do San Lorenzo de Almagro. Festa merecida pela torcida que estava com a ausência do título de uma libertadores entalada e também pelo time que jogouo melhor futebol na competição. Continue lendo Libertadores 2014 – Felicitaciones Cuervos!

Dossiê futebol/seleção nacional – ciclo 2014

Depois de tudo, parando e analisando friamente o que ocorreu, vemos que o auge do vexame do futebol nacional, não é assim tão obra do acaso ou de “6 minutos de apagão” como disseram de forma até certo ponto ridícula o Felipão e o Parreira(que aliás continua sendo arrogante quando fala, tem-se a impressão que ele acha ser o único que entende de futebol, coisa que para mim nunca passou de um técnico comum com muita fama). Para entender melhor tudo o que aconteceu, farei um pequeno dossiê, começando pelo que houve nessa copa(ou seja, pelo meio), depois indo para o como o futebol e a seleção chegaram na atual situação e o que pode ser feito para sairmos dela, que nos moldes que está, tende somente a piorar.

Continue lendo Dossiê futebol/seleção nacional – ciclo 2014

Muito além do técnico Dunga

O Dunga, como todo mundo já estava sabendo, foi finalmente anunciado como novo velho técnico da seleção e com isso trará de volta novas/velhas filosofias.

Oportunamente vou falar melhor sobre a questão das baboseiras que ele falou durante a coletiva(e até o pouco que se aproveitou também), mas quero colocar algo mais sobre isso, principalmente sobre a forma como são feitas as coisas no futebol brasileiro.

A começar pelos dois mandatários: Marin e Del Nero. Um político da época da ditadura e um ex-presidente da FPF(federação paulista de futebol) e dois caras que não entendem absolutamente NADA de futebol!!! Entraram no lugar do Teixeira, que também não sabe NADA! Eles sabem sim como fazer uso do dinheiro farto que entra lá, haja visto que federações, clubes e nem a seleção veem a cor de toda essa grana.

Vemos uma CBF que c… dinheiro, tem patrocínios milionários, que prostitui a seleção(sim, prostitui), vende amistosos para empresas ganharem em cima da seleção brasileira, e como o dinheiro fica só pra ela, dá ainda pra dizer que é daqueles cafetões que escravizam as funcionárias, porque não tem outro nome pra definir isso.

Colocaram um técnico de nome com coordenador de nome(Felipão e Parreira) para serem seus escudos, ou seja, jogou tudo para cima deles, como quem diz “se der algo errado é com eles, já fiz minha parte” e como deu, notaram que nenhum dos dois deu a cara a tapa? Curioso não? Sobrou tudo apenas para os dois, que evidentemente foram mal, mas que não erraram sozinhos, já que alguém os contratou, mas cadê esse alguém pra dar alguma explicação?

Agora coloca um coordenador com um passado para lá de contestável em função da sua antiga profissão e como “solução” trás de volta um técnico que ninguém gosta e para que? novamente para sairem do foco e deixarem a imprensa se preocupando com a birrinha que tem com o Dunga, ao invés de analisar aquela sede que quase parece a área 51, tamanho são os mistérios que envolvem aquele local nefasto…

Eles abusam do fato de a FIFA proibir que haja intervenção governamental no futebol e por que afinal tem isso? Para que obviamente possa ser feito todo tipo de bandidagem por debaixo dos panos sem que ninguém investigue nada com medo de que a seleção fique proibida de disputar competições internacionais.

Minha opinião? Eu quero mais que a FIFA se lasque!!! Deviam mesmo era intervir nesse local que usa a seleção para enriquecer, que tem patrocínios próprios, mas onde o dinheiro não chega em clube, não chega na seleção, ou alguém já parou pra pensar que não se tem sedes para seleção de base, não tem investimento no futebol feminino(sim a CBF cuida dele também!), não se tem um projeto para descobrir novos talentos ou mesmo que o único lugar que se tem aqui no Brasil para a seleção treinar é a porcaria da Granja Comary? O lugar é lindo, mas desde quando você treina um time em um local que quase todo dia tem névoa, que é mais frio que os locais onde o time vai jogar, entre tantos outros poréns?

Com o dinheiro que essa Casa Bandida do Futebol(apelido carinhoso que foi dada a confederação) poderiam construir um CT em cada estado do Brasil com sobras.

O dinheiro entra, não sai, a confederação fica cada vez mais rica, a seleção capengando e com um futuro cada vez mais nebuloso, pois não se tem um trabalho de lapidação de jovens jogadores, que poderia ser muito bem feito com a fortuna guardada embaixo do colchão que a CBF tem, mas que obiviamente nunca será feito, até porque não se investiga, não se sabe o que é feito com isso e enquanto isso eles dão risada sabendo que por mais 4 anos(se o Dunga durar até lá) o foco principal será apenas cornetar o técnico do Brasil, enquanto eles continuam dia após dia a fazer uso de tanto dinheiro que entra lá, sabe-se lá para o que.

O Símbolo de Lições Aprendidas

Muitos falam em vergonha, vexame e tristeza. Este é com certeza a sensação da maioria dos brasileiros em virtude da vexatória desclassificação da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2014. Muitas teorias têm sido desenvolvidas, entre elas o excelente texto de nosso colunista Fernando Rossini aqui para o Em Cima da Linha. Mas, eu não quero escrever sobre tragédias.

Muitas coisas passaram despercebidas no jogo deste 8 de Julho: a) superioridade técnica e tática alemã; b) a experiência dos jogadores da seleção bávara (12 dos 23 convocados jogaram a Copa de 2010); c) a longevidade do trabalho do técnico Joachim Löw (foi auxiliar técnico na Copa de 2006 e assumiu a seleção logo após – são quase 8 anos de trabalho); d) são 4 semifinais seguidas (sem vencer a Copa em nenhuma delas); e) a seleção alemã aprendeu lições com seus recentes fracassos (a arrogância de 2002, a renovação e fracasso em casa de 2006, a superioridade na posse de bola do adversário de 2010).

Continue lendo O Símbolo de Lições Aprendidas

A vergonha

brasil

Sim, eu me enganei. pra variar

Escrevi aqui neste texto, antes do jogo que a seleção brasileira não passaria mais vergonha na copa, que sem o Neymar o time ia melhorar, que íamos para a final e mais um monte de coisa que agora sabemos não fazer mais sentido algum.

Como explicar a derrota de hoje? A humilhação? Como explicar o inexplicável? Continue lendo A vergonha

A hora da verdade

Objeto cobiçado por todos os jogadores.
Objeto cobiçado por todos os jogadores.

Hora de separar os homens dos meninos. Os adultos das crianças. Hora da onça beber água. Hora da cobra fumar. Dê o nome que quiser ao momento em que chegamos. Mas o fato é que depois de quase um mês de ótimos jogos e muita emoção, a Copa do Mundo FIFA 2014 está chegando ao seus derradeiros momentos.

Hoje e amanhã teremos os dois jogos que determinarão quais as seleções que jogarão a final. Que estarão a 90 minutos da glória, ou da desgraça. Muito já se falou sobre desfalques, reforços, especulações, vou tentar fazer uma rápida análise dos dois jogos, sem fugir de dar meus palpites.

Começaremos hoje falando de Brasil x Alemanha. Continue lendo A hora da verdade

Duelo de campeões agitam as semifinais da Copa das Copas

De um lado, Brasil e Alemanha. Do outro, Argentina e Holanda.
Se já não bastasse o peso e a tradição das camisas, os quatro times que entram em campo pela disputa de uma vaga na final contam com uma bagagem bem recheada de troféus: são 10 títulos mundiais e 11 vice-campeonatos em campo.
No primeiro duelo, logo mais às 17h, no Maracanã, Brasil e Alemanha são responsáveis por oito títulos e mais seis vices.
Já as seleções da Argentina e da Holanda somam dois títulos mundiais e cinco vice-campeonatos.
E não para por aí. Esta é a primeira vez na história que as semifinais reeditam duas finais de Copas passadas.
Brasil e Alemanha entram em campo hoje para reeditar a final da decisão de 2002, que foi disputada em 30 de junho no Internacional Stadium, na cidade de Yokohama no Japão. Naquela ocasião, o Brasil venceu a Alemanha por 2–0, com gols do Ronaldo.
Coincidentemente, o outro jogo da semifinal entre Argentina e Holanda reedita a final de uma outra Copa: a de 1978.
A 11ª Copa da história foi disputada no país dos hermanos que ficaram com o título após vencer a Holanda por 3×1 na prorrogação. Vale dizer que nesta copa, o Brasil ficou em terceiro lugar.
E para encerrar as coincidências, outra disputa chama a atenção. Nesta Copa 2014, os quatro times que estão nas semifinais disputam acirradamente a artilharia da competição. Müller (Alemanha), Messi (Argentina) e Neymar (Brasil) marcaram quatro vezes cada e tentam (excluindo Neymar que está fora da Copa) alcançar o colombiano – já eliminado – James Rodríguez. Robben e Van Persie da Holanda estão logo atrás, com três gols cada.
Um pouco mais atrás e ainda na disputa, o brasileiro David Luiz e Hummels (Alemanha) com dois gols cada.
Apenas por este histórico já dá para ver que serão disputas bem acirradas. E que vença o melhor futebol.

Rivais do Brasil – O duelo dos titãs das copas

Depois de alguns adversários razoáveis e das duas gratas surpresas sul americanas, o Brasil finalmente irá encarar uma seleção de peso na copa do mundo e para compensar o que não encarou antes, será “apenas” uma seleção que se equivale a seleção em tradição nos mundiais: a Alemanha.

Continue lendo Rivais do Brasil – O duelo dos titãs das copas