Arquivo da tag: bolívia

Libertadores 2014 – Felicitaciones Cuervos!

romagnoli

Acabou mais uma edição da taça libertadores. E como virou praxe desde 2012 cai um mito de um grande time que nunca havia conquistado esse título, e de uma torcida fantástica que merecia fazer uma festa imensa por esse conquista, ao exemplo do que aconteceu com Corinthians e Atlético mineironos anos anteriores, dessa vez a festa foi dos hinchas do San Lorenzo de Almagro. Festa merecida pela torcida que estava com a ausência do título de uma libertadores entalada e também pelo time que jogouo melhor futebol na competição. Continue lendo Libertadores 2014 – Felicitaciones Cuervos!

Libertadores 2014- Vamos Bolívar!

bolivar

 

Acabou a copa, voltamos a nossa realidade de campeonatos de clubes tanto nacionais quanto internacionais e aqui na América o futebol volta com a reta final da competição mais importante, a taça libertadores.

E a competição não podia voltar em data melhor, amanhã dia 24/07 comemoramos o aniversário do mais importante entre os libertadores da América, Simón Bolívar. E em homenagem ao espírito do libertador hoje temos em campo no estádio Nuevo Gasometro a equipe que carrega seu nome, o Bolívar de La Paz.

Com uma campanha surpreendente o Bolívar já superou dentro e fora de casa favoritos como o Flamengo do Brasil e o León do México e até o momento só sofreu uma única derrota na competição para os equatorianos do Emelec, os comandados pelo veterano treinador espanhol Javier Azkagorta tem uma equipe interessante que sabe se fechar fora de casa e matar os jogos como mandante. Com a transferência de seu principal jogador o uruguaio Willian Ferreira mercenário traidor que abandonou o time na reta final da libertadores para o futebol mexicano os destaques do time são os espanhóis Capdevilla e Callejón (irmão gêmeo do Callejón do Napoli) e o ex-corinthiano Arce.

Independente do favoritismo do San Lorenzo e das orações do Papa Francisco, hoje o futebol boliviano está em festa, desde o feito do Blooming em 1985 que nenhuma equipe boliviana chega tão longe em uma libertadores, e com alguma chance de passar mais adiante. Por isso uma caravana de 400 torcedores chegou hoje a Buenos Aires se juntando a comunidade boliviana residente na cidade porteña e promete fazer muito barulho apoiando os celestes, com destaque para o cantor de salsa norte-americano de origem porto-riquenha Marc Anthony que por sua amizade com o presidente/dono do Bolívar, o empresário Marcelo Claure, Anthony se tornou torcedor da equipe e hoje viajou a Buenos Aires para apoiar a acadêmia paceña.

O jogo promete ser acirrado e difícil, Azkargorta escalará uma equipe defensiva com 3 zagueiros e 2 volantes de marcação, apenas Callejón na armação e apostando na velocidade de Arce para puxar contra-ataques. Do outro lado os comandados de Edgardo Bauza entram com esquema mais ofensivo e apostando no talento de Romagnoli.

Com resultado positivo ou não, hoje a cidade de La Paz está em festa desde os boliches (como se chamam as baladas por lá) do centro e da zona sul, até as chicherías (bares) de El Alto. E toda a Bolívia (e grande parte da América do sul) está com Marc Anthony dizendo que hoje é Bolívar desde wawa (criancinha).

Quem é desumano?

Ano novo, vida nova, competições começando, times reforçados, mas os velhos assuntos continuam os mesmos. Entre todos os assuntos chatos que rodeiam o mundo do futebol e ocupam inúteis horas de debates esportivos, um particularmente me irrita mais que todos os outros juntos. Esse assunto é a velha choradeira de parte da imprensa esportiva brasileira quando times tupiniquins tem que jogar em cidades com altitudes consideradas elevadas.

O ano de 2012 promete ser muito interessante para os amantes de futebol, e particularmente a copa Libertadores promete ser o grande destaque futebolístico do primeiro semestre. 3 grandes clubes cariocas vem com boas equipes e muita rivalidade. 2 grandes paulistas sendo um o atual campeão e favorito ao bi (bi em sequencia, tetra em títulos alternados) e o outro é o atual campeão brasileiro e vem com o velho trauma de nunca ter vencido a competição continental. Isso somado ao bom time do Internacional, a volta do Boca que não disputava há algum tempo, a sempre perigosa LDU, e o bom time da Universidad de Chile, entre outros, fazem da Libertadores de 2012 uma competição que promete ser uma das mais emocionantes da história.

Com tantos atrativos, podemos pensar que a imprensa está fazendo uma grande cobertura, mostrando destaques de várias equipes, etc. Mas não, a única coisa de que se fala (além das também chatíssimas contendas entre Ronaldinho e Luxemburgo) é sobre o Flamengo jogar na temida Potosí. Sobre a altitude “desumana”, um monstro mitológico que na boca de certos pseudo-intelectuais parece vestir a camisa 10 dos times locais, bater escanteios e cabecear a bola do escanteio que ela mesma cobrou.

O primeiro ponto que pretendo tocar sobre a “desumanidade” do assunto, é justamente o lado humano, imagine você, caro leitor, seja nascido onde for, que um “gênio” de um país estrangeiro saia dizendo por aí que a prática do que quer que seja na cidade em que você nasceu, ou vive, é desumana. Quer dizer que aqueles que conseguem praticar normalmente não são humanos? E os que nasceram e vivem nesses lugares? São o que? Animais? E Ts? Notaram o quanto esse tipo de declaração é no mínimo uma deselegância e uma tremenda falta de educação? Afinal de contas o que é mais desumano? Jogar futebol onde vivem milhões de pessoas e todos praticam esportes normalmente, ou dizer que fazer o que quer que seja em regiões habitadas por seres HUMANOS é desumano?

Outro ponto importante é o da saúde dos atletas, pois da última vez que o Flamengo atuou na mesma Potosí, a choradeira foi tão grande que chegaram até a fraudar relatórios médicos, e tudo que encontraram em toda a história foi a morte por ataque cardíaco de um atleta amador, em uma partida realizada na cidade de Oruro, do mesmo tipo que os que já mataram jogadores no Brasil, na França, em Portugal, entre outros países de altitudes baixas. E esse relatório obviamente nunca vai poder refutar os vários laudos sérios que comprovam que o risco de morte é o mesmo em altitudes altas ou baixas.

Aí os pseudo-intelectuais dirão que jogar na altitude é uma covardia, uma deslealdade, e que a diferença de desempenho de quem está adaptado para quem não está é absurda. Nesse caso também não é bem assim. Pra começar que jogar em casa é sempre uma vantagem, e quando se tem alguma particularidade ambiental que dificulte mais para o adversário, essa vantagem tende a aumentar. Exemplos não faltam, equipes que jogam em estádios grandes e com torcida distante do campo como o São Paulo por exemplo, sempre tem dificuldades de jogar na Vila Belmiro, ou na Arena da Baixada que são alçapões. O Juventude sempre usou o frio de Caxias, assim como o Paissandu o calor de Belém como uma arma a mais. Equipes italianas, e espanholas sofrem quando jogam no frio da Russia ou da Noruega. O Brasil teve uma grande vantagem quando enfrentou a Holanda em 94 no calor de mais de 40 graus de Dallas. Assim é o mundo em que vivemos, quente, frio, seco, úmido, alto, baixo.

Ainda no ponto da diferença técnica, muitos “especialistas” garantem que atletas profissionais praticamente não sentem dificuldades de respirar, mas que o problema maior é que a reação da bola é muito diferente, ela fica mais leve, e tem que colocar bem mais efeito para que ela faça curva. De fato isso é verdade, porém é uma situação com dois lados da moeda, pois quem está acostumado a jogar lá em cima, quando vem jogar em baixas atitudes sente a bola muito pesada (quase uma bola de futebol de salão) e rebelde, que faz muita curva, ou seja, o que dificulta um no jogo de ida, dificulta o outro no de volta.

Por fim dirão: “Se a altitude não é esse monstro, por que times tecnicamente superiores perdem tanto para equipes mais fracas?”. Isso se explica justamente pelo drama criado em alguns países sul-americanos (principalmente no Brasil) que não tem elevadas altitudes, quando seus times jogam lá. Simplesmente se criou um monstro tão grande, que ficou impregnado na cabeça das pessoas, nenhum jogador do Flamengo teme o Real Potosí, nenhum jogador brasileiro teme a hoje fraca seleção boliviana (que morre de saudade da geração de Baldevieso, Etcheverry e etc). Mas todos temem de forma exagerada e desnecessária o”jogador altitude”, e este fator psicológico faz toda a diferença. Posso citar dois exemplos que provam o quanto o medo da altitude provoca efeitos que ela não causa em ninguém.

Em 1992 quando o São Paulo, enfrentou o San José nos 3.700 Mts da cidade de Oruro, o vôo fez escala na cidade de Santa Cruz de la Sierra (que está praticamente no nível do mar) e por um imprevisto, a equipe brasileira teve que passar um dia na capital crucenha, como o Mestre Telê Santana não gostava de dormir em serviço, aproveitou o dia em Santa Cruz para treinar a equipe em um campo alugado. Eis que em poucos minutos de treino o atacante Macedo de tanto ouvir falarem sobre os males da altitude boliviana e com muito medo de passar mal naquele clima “desumano”, sentiu uma falta de ar insuportável e dizendo que não havia ar nenhum para se respirar, desmaiou. Sim, ele desmaiou devido ao “ar rarefeito” de uma cidade que está na metade da altitude de São Paulo!!!

Outro exemplo que posso citar é o exemplo pessoal meu, já estive em cidades de altitudes moderadas (Tarija e Sucre), e em cidades bem altas (La Paz, Potosí, El Alto, e Copacabana). Em minha primeira vez na Bolívia tive uma indisposição intestinal quando o avião estava prestes a aterrizar no aeroporto de El Alto, e devido a isso, meus primeiros minutos a mais de 4.000 mts de altitude foram de uma intensa corrida e descida de escadas em busca de um banheiro, e posso dizer que não senti nada de muito diferente do que senti quando tive de correr devido a apertos parecidos no Brasil. Nas cidades de La Paz, e Potosí, além de caminhar muito em subidas e descidas, fiquei hospedado em edifícios altos e sem elevadores (isso não é raro por lá) e cheguei a ter que subir escadas correndo sem problemas. Em Copacabana (não a praia carioca, mas sim a belíssima cidade nas margens do lago Titicaca) tive a experiência de jogar futebol com alguns garotos locais, e a única dificuldade que tive foi ter que usar de minha habilidade para chapelar uma ovelha que pastava ao lado da quadra, e sabe-se lá por que invadiu a quadra no meio do jogo.

Tenho um exemplo que comprova a importância do fator psicológico. Na escalada ao topo do pico Chacaltaya que fica há mais de 5.000 mts de altitude, na excursão rumo ao lindo pico nevado famoso pela pista de esqui mais alta do mundo, mais da metade dos turistas eram brasileiros, sendo a outra metade dividida em gente de várias partes do mundo, no final da escalada rumo ao pico estavam no topo, além dos guias locais, turistas noruegueses, israelenses, americanos, japoneses, ingleses(todos de países que não tem cidades muito altas), e dos brasileiros apenas meu irmão asmático, e eu chegamos no topo, todos os outros brasileiros pararam alegando que estava difícil respirar. O que mais pode explicar brasileiros sentirem um “mal da altitude” que o inglês não sente? A única explicação que encontro é um temor criado por gente que transforma uma coisa normal em um monstro.

Por fim recomendo que as pessoas antes de fazerem julgamentos, conheçam esses países belíssimos como Bolívia, Peru e Equador, e que todos os torcedores disfrutem muito dessa Copa Libertadores de nossa querida e diversificada América.

 

 

 

.

O Grande desperdício

Quando fui convidado para acompanhar a seleção Argentina pela Copa América para o Em Cima da linha, fiquei extremamente feliz.

Não somente por ser torcedor dos hermanos, mas também por ter a oportunidade de acompanhar um dos ataques mais talentosos dos últimos anos.

Carlitos Tevez, Aguero, Milito e… Lionel Messi. Não tem como não ter uma bela expectativa com tantos bons jogadores (sobre Lavezzi, falo mais à frente).

Porém, ao analisar a primeira partida, a escalação, as alterações, cheguei À duas conclusões: 1 – a Argentina tem um sério problema tático; 2 – O técnico atual, Batista, consegue ser pior que Diego Maradona.

Historicamente, a Argentina joga com uma linha de 4 zagueiros (são raros os laterais que sobem), um volante muito marcador, que joga quase como zagueiro, e daí pra frente habilidade, toque de bola, cadência. Pois bem, a Argentina deste ano mantém os 4 marcadores lá atrás (Zanetti tem um ótimo apoio, mas raramente passa do meio de campo, pelo sistema montado e pela idade avançada), Mascherano no meio de campo, quase como um terceiro zagueiro, e na armação das jogadas… Banega e Cambiasso! Aí não dá. A bola simplesmente não chega no ataque, pois há um buraco enorme entre os volantes e os atacantes.

E é aí que entra o fanfarrão técnico argentino. ele escala Tevez pela ponta esquerda, ok. O mais sensato seria escalar Messi um pouco mais recuado, para jogar nas costas dos volantes adversários, e alguém enfiado, pode ser Milito, Aguero, até o Di Maria que é meia serviria ali. Mas ele escolhe a pior dentre as opções e escala Lavezzi, o “mirandinha argentino”. Ele é esforçado, corre, briga, mas… talento que é bom, nada né?

E assim, como quem brinca de escalar um time para o Cartola, o señor Batista faz o favor de desperdiçar uma das mais talentosas gerações de atacantes argentinos… lamentável.