Primeiro empate, mas um bom sinal.

O primeiro jogo que pude ver de fato do Palmeiras, teve um resultado que apesar de não ser grandes coisas(um mero empate jogando em casa), não pode ser considerado de todo ruim, pois a Portuguesa atual, nem de longe lembra aquele time bagunçado do paulistão passado(nesse ritmo deve fazer bom papel no paulista e copa do brasil, mas não vem ao caso), porém não dá pra dizer que foi de todo ruim o jogo de ontem.

A partida acabou por ser bastante equilibrada, pois a Portuguesa segue o estilo de jogo que marcou sua campanha na série B: com toques rápidos, ofensividade e contra ataque geralmente em velocidade, então até aí nada de novo, porém o Palmeiras diferente do ano passado, está jogando com a bola no chão, pensando as jogadas. O chuveirinho na área sem dúvida continua sendo uma arma poderosa(Marcos Assunção por sinal completou 100 jogos na quarta), mas principalmente graças ao Valdívia, que dá um toque de qualidade no meio que o Palmeiras não tinha praticamente ano passado, o time consegue organizar jogadas a partir de lances do camisa 10. O maior problema em especial no primeiro tempo, era a presença da nulidade chamada Tinga no time titular. Nada pessoal contra ele, porém o futebol dele desde que chegou no Palmeiras, é algo sofrível e nem dá pra alegar que foram falta de oportunidades, pois ele sempre entra em campo e joga com muita frequência(para desespero dos torcedores).

O segundo tempo veio e um alento! Tinga saiu e entrou o Maikon Leite. Aqui devo dizer que apesar de gostar do estilo de jogo dele, ontem ele abusou de ser fominha, cansou de tentar arriscar jogadas onde haviam companheiros melhor posicionados. Apesar da melhora do Palmeiras, quem saiu na frente foi a Lusa, com uma falha da zaga, o Maylsom abriu o placar. A etapa complementar foi marcada pela estréia do camarão que mais parecia um peixe-boi: Daniel Carvalho. Estranho como são as coisas, quando o via na seleção, até em partidas do CSKA, pensava: um cara desses no meu time, ia dar jeito, já hoje em dia, apesar da pouca idade dele(tem apenas 28 anos), tenho sérias dúvidas do que de fato esperar dele: o cara tem anos q vem brigando com a balança, apesar de um segundo turno do brasileiro relativamente bom, é uma incógnita saber se ele será aquele jogador do fim do ano ou aquele que nada fez nos últimos 2 anos, só jogou com o nome.

Apesar de tudo isso contra, foi dele o passe para o Maikon Leite(que apesar de alguns lances fominhas, foi o cara que deu outra movimentação ao time) que foi pela linha de fundo e passou para o Ricardo Bueno empatar e dar números finais a partida.

Depois de tudo que vi, posso dizer que apesar de ainda ser começo de temporada e o time ainda ter muito para se ajeitar, apenas o fato de ver que o time joga com a bola no chão ao invés de jogar a base de cruzamentos e nada mais, já é um alento, porém mantenho minha posição que com Ricardo Bueno(que não foi tão sofrível como de costume, mas ainda sim acho muito, mas muito fraco) e Fernandão como opções, o Palmeiras não irá muito longe, pois continuam a faltar reposições.

Em tempo: estão dizendo que deve vir um tal de Artur do São Caetano. Não faço ideia de quem seja, ou como joga, porém é estranho quando uma diretoria diz que trará “4 camarões”, trazer apenas 1(considerando que o Barcos o seja), mas com essa diretoria esperar alguma ação mais audaciosa é querer demais, quando sequer um patrocínio eles conseguem arrumar(apenas como informação: dizem que existe a possibilidade da JAC motors ser o novo patrocinador, porém isso surgiu e logo caiu no esquecimento)

Deixe uma resposta