Escolha uma Página

Quem pode acompanhar o nosso programa domingo percebeu meu “carinho” para com o jogador Elano. Seria muito pertinente, e eu diria até oportunista, depois do jogo de ontem falar: “Eu avisei que ele não joga nada, olha lá o que ele fez”.

Mas não farei! Acho que mais importante que criticá-lo, é tentar expor os motivos que fazem eu tomá-lo como exemplo. Pois claro que deposito, mesmo que de brincadeira, em Elano, parte de minhas frustrações com o futebol brasileiro atual. E ontem, mais que perder um pênalti de forma bisonha, mais que prejudicar o time dele num jogo fantástico, com 9 gols, ele mostrou que mais culpado que ele é quem o colocou “lá”.

Explico melhor, Elano é pereba? Não, não é mesmo. Elano é craque? Elano pode ser um desfalque fundamental em quartas-de-final de Copa do Mundo? Acho que ficou clara a diferença não é mesmo?

Como em tudo no Brasil, no futebol estamos nos acostumando com o “ah tá ruim mas tá bom”. Sim, é um problema socio-cultural que assola a sociedade brasileira. Aceitamos a mediocridade. Sim, nos damos bem com ela, “nos viramos”. Sempre foi assim, mas não no futebol.

Tínhamos orgulho porque no futebol éramos superiores, na “nossa” seleção só jogavam craques. Isso mudou.

Ah não tem mais bobo no futebol? Besteira…vi Peru e Venezuela, ambos times melhoraram, mas ainda são muito inocentes, marcação em linha, espaços gigantes no meio campo. Enfim, pioramos muito mais que nossos adversários melhoraram.

Não sejamos tão profundos, não estou criticando o trabalho de Mano, tampouco estou levando em consideração o resultado da Copa América. O que falo é mais amplo e simples. Pioramos. Simples assim.

É o fim do mundo? Não, acontece, podemos melhorar em breve, podemos ser campeões mundiais com esse time. Então qual o problema?

O problema é alguns “formadores de opinião” e por consequência grande parcela dos torcedores, quererem enfiar na minha cabeça que o Elano é craque, que Felipe Melo não passa de um volante grosso.

Mauro Silva, infinitamente melhor que esses dois era considerado grosso naquela seleção de 94 que todos dizemos que era ruim.

Ficou mais claro agora? Se na seleção que todos criticam, o jogador considerado “solidário”, esforçado, era infinitamente melhor que esses, não tentem me dizer que eles são de alto nível.

Minha crítica não vai ao Elano diretamente, meu problema é com quem falou para ele que ele era tudo isso. Não suporto quem quer me convencer que ganhamos a hora que queremos.

Perdemos a Copa América, principalmente, para nosso despreparo emocional e nossa soberba. No fundo, Elano, André Santos sabem que são fracos para serem da seleção, e isso pesou na hora da decisão. Os erros nos pênaltis denotam que eles não sabiam enfrentar aquele momento.

E a culpa é só dele? Não, quem os colocou lá tem parte muito maior.

Por fim, não quero transformar o Elano num novo Dunga, no sentido Era Dunga, não seria cruel a tal ponto.

Agora passado um ano não consigo ouvir quando falam, “Ah se o Elano tivesse contra a Holanda a história seria diferente”.

Meus caros, se Elano faz diferença numa SELEÇÃO, ela tem problemas muito maiores do que imagina.

 

 

%d blogueiros gostam disto: