Oscilação, a verdadeira “crise”

Domingo foi daqueles dias para serem esquecidos… Derrota, jogando muito mal, contusão do reforço mais trabalhoso e as cornetas soando a todo vapor nos lados palmeirenses depois do jogo contra o Guarani.

Deixando um pouco o jogo de lado, vale analisar que novamente já querem criar aquela tensão, clima de crise, que o time tá desandando, que o Felipão está ameaçado, que os jogadores não são tudo isso… menos né?

Primeira questão a ser analisada: quais os dois jogos mais importantes do time até o momento? Coruripe e Horizonte, que eram eliminatórios e válidos pela Copa do Brasil e o time conquistou 3 vitórias – 0 a 1 e 3 a 0 contra o Coruripe e 1 a 3 contra o Horinzonte, eliminando o jogo de volta. Ainda fazendo a ressalva que o último foi entre duas derrotas e mesmo saindo perdendo, o time teve calma e tranquilidade para virar e marcar o gol que classificaria direto, ou seja quando foi realmente pra valer, o time soube como reagir.

Segunda questão: a mudança do time. Vamos olhar o time d 2011 primeiro – Marcos(Deola), Cicinho, Thiago Heleno, Danilo(depois Henrique), Gabriel Silva(Gerley ou Rivaldo), Márcio Araújo, Marcos Assunção, Lincoln(Valdívia), Kleber, Luan, Welington Paulista(depois Fernandão ou Ricardo Bueno). Esse time foi mais ou menos o que jogava no início do Brasileirão, ou seja na última parte boa do time ano passado, antes das crises internas minarem o time. Agora o time d 2012 – Deola, Cicinho, Leandro Amaro, Henrique, Juninho, Márcio Araújo, Marcos Assunção, João Vitor(o ideal era o Wesley, mas pela contusão, já nem considerarei), Valdívia(Daniel Carvalho), Maikon Leite e Barcos. Olhando os dois times bases, são 6 mudanças, alguns até podem dizer que 3 deles já estavam lá, porém o futebol de Maikon, João Vítor e Leandro(esse tem jogado apenas de forma regular, nada de mais) era incomparavelmente pior do que o atual, ou seja o time está se readaptando.

O time contou com um fator surpresa de cara, que seria aquela coisa inesperada dos adversários, que se habituaram a ver o time do Palmeiras jogar de uma forma e do nada ele aparece mostrando um futebol diferente, o que acaba dando um tempo de resultados muito favoráveis por conta do “inesperado”. Porém isso tem um prazo de validade e os times aprendem como parar aquele estilo inicial, o que força uma readaptação e durante essa readaptção é que ocorrem essas oscilações. Foi por exemplo o que ocorreu com o Santos em 2010, que justamente nas finais contra o Santo André e nas finais da Copa do Brasil teve essa mesma queda de rendimento e quase jogou no lixo a brilhante campanha em ambas edições.

Terceira e pior questão: a mídia. O time nos últimos anos pegou o péssimo hábito de externar toda e qualquer rusga, por mais besta que fosse, para meio mundo ouvir/saber. Agora toda er fase de oscilação, já criam novas crises, que o grupo está rachado, e outras baboseiras… Isso sem contar matérias maldosas, que criticam o time por momentos infelizes, como a contusão do Wesley, tratando como se a culpa de um baita azar, fosse de fato do clube. Esse tipo de jornalismo é algo realmente revoltante, já que eles preferem especular qualquer coisa que soltam, sem ir averiguar se de fato procede a notícia, apenas para vender mais jornais, ou conseguir mais audiência.

O time passa por uma oscilação que todos os times tem, porém graças ao histórico recente, tudo é tratado como tempestade, ainda sim vejo esse time com condições de  fazer um bom papel nessa temporada e claro contando com o retorno dos contundidos e com as contratações prometidas pela diretoria.

Deixe uma resposta