Os gols inúteis da Espanha e o jogo morto da Holanda

Muito se falou sobre a Espanha nesse mundial. De atual campeã e provável finalista a fracassada e vergonhosa. Os jornais espanhóis deste fim de semana já deixavam claros que um último lugar não seria tolerado, já que até então tinha perdido dois jogos e o terceiro seria contra a fraca e inexpressiva seleção da Austrália.

Frente aos australianos, os espanhóis foram claramente superiores (o que já era obrigação) e fizeram três gols (inúteis) que só valeram para fazer com que voltassem pra casa com ao menos uma vitória e diminuíssem o vexame.

David Villa fez um belo gol de letra, mas como dizia Romário “Não interessa como é o gol, o que interessa é que é gol”. E com certeza é melhor fazer quatro, cinco, seis gols de bico e ganhar todos os jogos do que fazer um gol de letra, bicicleta ou voleio e só ganhar um.

E só uma curiosidade para fechar o assunto Espanha… Ontem no voo que levou os jogadores de volta a Madrid um raio atingiu o avião na descida. Seria talvez para acordar os jogadores  e mostrar que eles não jogaram nada???

Já Holanda e Chile fizeram um jogo comum, morno, de comadre… (pode escolher o nome que quiser) e só ficaram enrolando o tempo. No final do jogo, os reservas da Holanda (Fer e Depay) marcaram e consumaram o que todos já imaginavam, Holanda primeira colocada do grupo B e Chile em segundo. A Holanda pega nas oitavas-de-final o México e o Chile enfrenta o Brasil.

O time chileno até que tentou algumas jogadas pra cima da Laranja, mas parou na defesa bem postada. O grande lance do Chile foi de Alexis Sanchez que em jogada individual deu uma bela caneta em Lens e chutou forte, o goleiro Cillessen fez boa defesa e evitou o gol.

Agora o Chile vai com tudo pra cima do Brasil, acreditando que podem conquistar vitória, apostando no ataque rápido e nas artimanhas de Sampaoli, que sempre muda o esquema do time por completo atuando com três e até quatro atacantes.

A Holanda enfrenta o México e confia no poder de seu elenco e principalmente na força e velocidade de Robben para passar as quartas-de-final.

Deixe uma resposta