Enfim, uma final!!

Depois de mais de uma década, o Palmeiras consegue finalmente retornar a uma final de um campeonato importante(a conquista do Paulista, apesar de ter sido em 2008, não teve o peso de outros tempos), ao empatar em 1 a 1 com o Grêmio na Arena Barueri, se classificando graças a excelente vitória no jogo de ida por dois a zero.

Apesar de não ter mostrado uma atuação tão consistente como a do primeiro jogo, aproveitou  a vantagem que tinha conquistado e basicamente jogou com o regulamento debaixo do braço. Teve mais chances que o Grêmio durante o jogo, pois o time gaúcho fazia-se valer principalmente das bolas alçadas na área, que eram repelidas com relativa tranquilidade. Mantendo o mesmo esquema que utilizou no primeiro jogo, porém sem o Assunção que estava contundido, o time aparentemente não sentiu tanta falta do volante, pois o Daniel Carvalho supria razoavelmente bem a falta dele nas bolas paradas, tendo cobrado algumas com muito perigo.

O jogo mostrou além de tudo um Grêmio que abusou da violência e um juiz absurdamente conivente, pois além de deixar jogadores quase apitarem o jogo por ele(casos de Kleber e Pará), ainda deixou jogadores como Fernando, Edilson, Gilberto Silva e André Lima, abusarem de jogadas violentas, sem sequer serem punidos.

Sossego é algo que parece que não entra muito no vocabulário palmeirense nos últimos tempos e o gol do Fernando após bobeada do Bruno, ao rebater mal uma cobrança de falta, parecia que ia trazer dificuldade a um jogo aparentemente dominado, porém o jogo ainda reservava a redenção de um dos jogadores de quem mais se espera algo no elenco: Valdívia.

Ele entra no meio do segundo tempo e muda totalmente o cenário da partida: cria jogadas de perigo e em uma dessas jogadas, faz um belo gol, garantindo o empate do time. Depois em um lance onde ele faz embaixadinhas e toca para o Barcos, que ia em direção ao gol, até ser parado com falta por Rondinelli, que acaba expulso e aí se inicia a confusão…

Jogadores do Grêmio totalmente descontrolados, ainda agridem o Barcos caído(o jogador claramente deixa a perna para acertá-lo) e depois ainda o Edílson dá um soco no Henrique e também é expulo.

Segue-se aí o fato mais absurdo de todos: o Henrique(sim o mesmo que apanhou) é expulso!!! Eu vejo futebol há muito tempo e não me lembro de ter visto alguém levar vermelho por apanhar, não ter batido, não revidar e apenas ter tirado os jogadores do Grêmio de cima do Barcos, que estava caído. O juiz(que foi totalmente frouxo no apito) ouviu a indicação do bandeirinha(o mesmo que havia dado dois impedimentos absurdos) e o mandou para fora, prejudicando claramente o Palmeiras no primeiro jogo da final.

Lamentável ver um time ser prejudicado de forma tão clamorosa por um árbitro que deixa baterem à vontade e um bandeirinha que simplesmente inventa uma expulsão… A coisa foi de tal forma, que mais parecia algo armado, porém como não se tem certeza de coisas assim, vou apenas considerar que eles deveriam aposentar-se e nunca mais trabalharem em jogo nenhum, pois péssimo para ambos ainda é elogio.

Mérito dessa campanha também para o Felipão, que volta a levar o Palmeiras a uma final nacional e por conseguir manter durante essa campanha o time focado e sem se deixar abater pelos revezes que teve, tanto no Paulista, como nesse começo de Brasileirão.

Com a redenção de duas peças-chave no elenco, o time chega a final contra o Coritiba mais do que preparado para realizar dois bons jogos e trazer esse título ao Palestra Itália.

Destaque ainda para o Barcos, que foi peça importante no ataque, levando sempre perigo nas jogadas e de novo para o Henrique, que fez outra ótima partida atuando como líbero. Aparentemente ele achou uma nova posição e deve permanecer mesmo nela, já que ele trás muito mais segurança para a defesa que o Márcio Araújo.

Deixe uma resposta