Escolha uma Página
Anfitriã, Alemanha está eliminada

Anfitriã, Alemanha está eliminada

Parece que não é só na Copa América que a zebra tem feito a festa. Lá na Alemanha, onde sendo disputada a Copa do Mundo Feminina de Futebol algumas surpresas também têm surpreendido os torcedores.
Que o diga a própria equipe alemã, bicampeã mundial e anfitriã dos jogos, que hoje foi derrotada pelo Japão no estádio Volkswagen Arena, em Wolfsburg, e está fora do Mundial. O gol da equipe japonesa foi marcado por Karina Maruyama na prorrogação.
Na outra partida do dia, a Inglaterra e a França empataram no tempo regulamentar por 1 a 1 (gols de Scott para a Inglaterra aos 59 minutos e Bussaglia da Suécia aos 88 minutos). Na prorrogação ninguém marcou e a partida acabou decidida nas penalidades máximas. A França levou a melhor e venceu por 4 a 3 garantindo sua vaga na próxima fase do torneio.
Amanhã jogam Suécia e Austrália (quem vencer enfrenta o Japão) e Brasil e EUA (o vencedor pega a França).

Após sufoco, Brasil empata com o Paraguai

Foi na base do sufoco que o Brasil, país que venceu quatro das últimas cinco Copa América, empatou por 2 a 2 com o time do Paraguai na tarde de hoje lá no estádio Mario Alberto Kempes, em Córdoba.
E para surpresa de muitos, o empate brasileiro só saiu aos 44 minutos do segundo tempo, após gol heroico de Fred.
Agora a seleção soma dois pontos e por enquanto lidera o grupo B (Venezuela e Equador se enfrentam mais tarde). Para passar para a próxima fase sem depender de ninguém, o time comandado por Mano Menezes deve vencer o Equador, quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), para se classificar para as oitavas de final.

Defeitos

O excesso de preciosismo em várias jogadas, a falta de seriedade de alguns jogos e ausência de maturidade de outros, além da péssima atuação do técnico Mano explicam o resultado negativo de hoje.
O Brasil realmente jogou mal: a defesa falhou duas vezes, o time passou a maior parte do tempo perdido em campo e até os atacantes desperdiçaram boas oportunidades de marcar. Por conta disso, a seleção canarinho teve que ouvir gritos de Olé a cada vez que o Paraguai tocava na bola e até o craque Neymar saiu de campo vaiado pela torcida que chegou a brincar pedindo que o técnico brasileiro escalasse a brasileira Marta.

Os gols

Jadson, aos 39 minutos do primeiro tempo abriu o placar para o Brasil. Apesar do gol, o jogador que foi bastante criticado pela torcida durante a partida, acabou sendo substituído por Elano na volta do segundo tempo.
Na segunda etapa do jogo, o paraguaio Santa Cruz empatou aos dez minutos. O atacante, que há um ano não fazia gol pela sua seleção, recebeu sozinho passe de Barrios já dentro da área e bateu à direita de Julio César.
Já Valdez virou para os paraguaios aos 22 minutos após falha grotesca da zaga brasileira. Poucos minutos depois de entrar em campo, Fred recebeu bom passe de Ganso e aos 44 minutos do segundo tempo fechou o placar.

Copa do Mundo chega às quartas de finais

As quartas de finais da Copa do Mundo Feminina de Futebol 2011 começam nesse sábado, dia 9 de julho às 10h45 com a partida entre Alemanha e Japão na Volkswagen Arena, em Wolfsburg.
No mesmo dia, mas às 18h está prevista o embate entre Inglaterra e França, no BayArena, em Leverkusen.
No domingo serão realizadas mais duas partidas. Na preliminar a Suécia enfrenta a Austrália, na SGL Arena, em Augsburgo. Já o Brasil joga às 17h30 (12h30 de Brasília) contra a seleção dos Estados Unidos, Glücksgas-Stadion, em Dresden.

Tarefa difícil

Invicta e com a melhor campanha na primeira fase dessa Copa do Mundo, o time do Brasil vai encarar uma grande rival na partida do domingo: a seleção dos EUA, duas vezes campeã do mundo (1991 e 1999).
Para tentar vencer as rivais norte-americanas, a equipe brasileira treinou nessa sexta-feira no Centro de Treinamento Ostra. No treino, o técnico Kleiton Lima, passou para as atletas as jogadas realizadas pelas americanas nos jogos anteriores do Mundial da Alemanha. Aproveitou para passar o posicionamento e a marcação.

Próximos passos:

Semifinais

13 de julho

Vencedor do jogo 25 – Vencedor do jogo 27 Commerzbank-Arena, Frankfurtam

Vencedor do jogo 26 – Vencedor do jogo 28 Borussia-Park, Mönchengladbach

Terceiro lugar

16 de julho
Perdedor da SF1 – Perdedor da SF2 Rhein-Neckar-Arena, Sinsheim

Final

17 de julho
Vencedor da SF1 – Vencedor da SF2 Commerzbank-Arena, Frankfurtam

Milan em busca do novo Shevchenko

Milan em busca do novo Shevchenko

O Milan está definitivamente atrás de um novo Shevchenko. Os
dois ucranianos que atuam no Dínamo de Kiev, Artem Milevskiy e Andriy
Yarmolenko, estão na mira do time rossoneri.

Yarmolenko, de 21 anos, é o que mais agrada aos italianos. O
atacante já foi comparado várias vezes como o novo Shevchenko, jogador que fez
história com a camisa 7 do Milan. O jovem ucraniano gosta de jogar pelos lados
e se encaixaria perfeitamente no esquema tático de Massimiliano Allegri.

 

 

Juventus, Milan, Inter e Roma apresentam os novos uniformes
Os grandes da Itália apresentaram os uniformes que serão
utilizados na temporada 11/12. Destaque para a camisa número dois do Milan, que
me agradou bastante.

 

Milan

Inter

Roma

Juventus

Palmeiras joga abaixo da média e sai no lucro com empate.

Palmeiras joga abaixo da média e sai no lucro com empate.

Quinta-Feira, um jogo que tinha tudo pra levar o Palmeiras a vice-liderança do Brasileirão, já que do outro lado estava o América-MG, que não consegue se acertar, apesar de ter um time bem montado, conseguir criar chances, mas apesar de ser o “coelho” anda muito sem sorte…

Eis que o Palmeiras resolveu ajudar na sorte do América, pois começou o jogo e passou praticamente o primeiro tempo sem criar uma grande chance e ainda deixou em vários momentos o América dominar as ações do jogo. O primeiro tempo de fato é algo a ser esquecido, pois além de tudo foi de péssimo nível técnico.

Algo a ser considerado: na volta do intervalo, um momento patético de Thiago Heleno que foi brigar com o juiz, levou o terceiro amarelo e não joga contra o Santos domingo.

Começa o segundo tempo e o Palmeiras resolve de fato buscar jogo e tentar a vitória, porém travava em uma noite terrível tanto do Lincoln, como do Wellington Paulista. Apesar do maior volume de jogo, quem acabou saindo na frente foi o América-MG, com um gol de Alessandro. O Palmeiras então partiu pro abafa, tentando chegar ao empate sem a menor organização(trocou os inoperantes Lincoln e Wellington Paulista por Patrik e Dinei respectivamente) e acabou conseguindo, com Maurício Ramos. Após o gol o Palmeiras até buscou a vitória, mas sem sucesso.

O empate acabou sendo bom, pelas circunstâncias do jogo, pelo fraco futebol apresentado e pelo rendimento horrível de quase todo o time.

 

A se destacar:

– Cicinho foi exceção a regra e fez uma partida excelente, indo bem até na marcação que não é o seu forte

– Luan de novo foi um dos melhores jogadores do time, senão pela técnica, pelo esforço e disposição, sendo por ele que surgiram as principais jogadas do time, uma pena que de fato ele não permaneça.

 

Agora o Palmeiras fica em quinto com 15 pontos e no domingo faz o clássico contra o Santos, às 18:30.

 

Aqui os gols e melhores momentos

 

A Vitória na Derrota

A Vitória na Derrota

Obrigado! É tudo que penso ao lembrar da noite de ontem. Sim da minha ida ao Pacaembu para ver mais uma derrota vascaína (não que o Vasco perca muito, mas comigo no estádio esse resultado tem se repetido).

Você que está me lendo já foi ou é uma criança, um adolescente. Você já teve ídolos, no futebol, na vida, na música, aquele cara ou aquela mulher que fazia algo que o inebriava.

Na verdade todos tivemos muitos, e teremos sempre, mas com menor intensidade que nos nossos tenros anos. Quando a maior preocupação é a prova de matemática e o maior desafio, beijar aquela garota. Está certo vai, beijar aquela garota ainda é o maior desafio, mas isso fica para outra ocasião.

Eu tive muitos, e no esporte, no futebol um dos maiores foi Juninho Pernambucano. No começo só Juninho; para sempre nosso Reizinho!

Juninho que em 97 foi coadjuvante de Edmundo, que em 98 foi um dos maiores jogadores daquela Libertadores, Juninho que em 2000 quando o Vasco virou aquele jogo contra o Palmeiras e sagrou-se Campeão da Copa Mercosul fez uma das comemorações mais emocionantes que já vi.

Bateu contra o peito, virou-se à torcida como quem diz “podemos perder, mas vamos morrer lutando” E ganhamos…

Juninho se foi e disse que com aquelas pessoas, leia-se Eurico Miranda, ele não voltava ao Vasco, e diferente que, é cumpriu o que disse.

Em 2006 ele prometeu, talvez de brincadeira a dois torcedores que voltaria, e muito diferente que é, cumpriu o que disse.

Quantas janelas de transferências se passaram, promessas de dirigentes e nada…a ida para o Catar foi um golpe duro. Vê-lo indo para tão longe deu a sensação de que ele nunca mais voltaria.

Eurico foi embora, o tempo passou, nós crescemos, Juninho se consagrou. Nós torcedores, fãs, órfãos de Juninho e de seu amor sabíamos que ele voltaria. No fundo tínhamos a certeza de que ele conhecia o caminho de volta.

O dia chegou, Juninho voltou…Desde o momento que ele disse que viria o coração do vascaíno parou. Era muito bom para ser verdade. O Vasco tem disso, Ademir de Menezes, Roberto Dinamite, Edmundo, Romário e Juninho, seus 5 maiores craques foram mas voltaram. É, a casa deve ser mesmo muito boa.

Dia 6/7/2011, o dia da reestreia, o dia de celebrar a volta da monarquia à Colina. Sim, temos um Rei, um Reizinho, na acepção mais carinhosa da palavra. E ele voltou ao seu reino, seus súditos já não podiam mais esperar.

A tarefa era difícil, o líder em sua casa; mas o que isso importa? Nada é demais para um Rei. Confesso que fui só para vê-lo jogar, queria poder dizer aos meus filhos que um dia virão, que tinha visto Juninho jogar.

Ver um gol seu então, e de falta, não, eu não merecia tanto. Lembro como se fosse hoje aquele 22 de Julho de 1998, o jogo praticamente perdido, a gente querendo pelo menos segurar a derrota mínima até os pênaltis quando veio aquela cobrança perfeita.

Mas isso é memória, fomos ao jogo, não me importei de ir na cadeira laranja, no meio do bando de loucos, até porque louco eu também sou, uma loucura diferente é verdade.

Noite fria, o Vasco sobe em campo com camisas pretas e calções brancos com ele na frente. Ricardo Gomes tinha dito que Fernando Prass seria o capitão, mas no fundo a gente já sabia que esse lugar já tinha dono.

Começa o jogo e ele termina com apenas dois minutos. O jogo não foi no Engenhão, não acabou a luz. Não caiu o alambrado, nada disso aconteceu, mas para mim o jogo acabou, minha missão estava cumprida!

Diego Souza sofre falta na intermediária eu viro para o lado e falo, “olha lá, presta atenção”. Não, eu não sou vidente, nem achava que a bola pudesse entrar. Ah mas eu queria, como eu queria que aquela bola entrasse.

O Reizinho partiu para a bola, bateu com a precisão de sempre, ela quicou, passou por Júlio César e estufou a rede corinthiana.

Gol! Gol do Juninho! Gol de falta do Juninho!

Nada de comemoração, estava no meio da torcida adversária. Me contive e comemorei em pensamento, não; comemorei em sonho.

Pois é naquele momento realizei um sonho. O Corinthians virou a partida, o Vasco quase empatou no final, enfim, um grande jogo entre líder e campeão da Copa do Brasil, mas eu não queria mais nada, eu nem precisava acordar daquele sonho.

Eu só queria chegar em casa por a cabeça no travesseiro e lembrar, eu vi um gol de falta de Juninho ao vivo, eu vi um gol de falta do Juninho ao vivo.

E foi o que aconteceu, demorei a dormir, quando o sono vinha, trazia a lembrança daquela bola passando pelo goleiro e entrando. Não é comum, é até muito raro, mas ontem eu senti uma vitória na derrota.

watch?v=7KNTrG98V14