Escolha uma Página
O Grande desperdício

O Grande desperdício

Quando fui convidado para acompanhar a seleção Argentina pela Copa América para o Em Cima da linha, fiquei extremamente feliz.

Não somente por ser torcedor dos hermanos, mas também por ter a oportunidade de acompanhar um dos ataques mais talentosos dos últimos anos.

Carlitos Tevez, Aguero, Milito e… Lionel Messi. Não tem como não ter uma bela expectativa com tantos bons jogadores (sobre Lavezzi, falo mais à frente).

Porém, ao analisar a primeira partida, a escalação, as alterações, cheguei À duas conclusões: 1 – a Argentina tem um sério problema tático; 2 – O técnico atual, Batista, consegue ser pior que Diego Maradona.

Historicamente, a Argentina joga com uma linha de 4 zagueiros (são raros os laterais que sobem), um volante muito marcador, que joga quase como zagueiro, e daí pra frente habilidade, toque de bola, cadência. Pois bem, a Argentina deste ano mantém os 4 marcadores lá atrás (Zanetti tem um ótimo apoio, mas raramente passa do meio de campo, pelo sistema montado e pela idade avançada), Mascherano no meio de campo, quase como um terceiro zagueiro, e na armação das jogadas… Banega e Cambiasso! Aí não dá. A bola simplesmente não chega no ataque, pois há um buraco enorme entre os volantes e os atacantes.

E é aí que entra o fanfarrão técnico argentino. ele escala Tevez pela ponta esquerda, ok. O mais sensato seria escalar Messi um pouco mais recuado, para jogar nas costas dos volantes adversários, e alguém enfiado, pode ser Milito, Aguero, até o Di Maria que é meia serviria ali. Mas ele escolhe a pior dentre as opções e escala Lavezzi, o “mirandinha argentino”. Ele é esforçado, corre, briga, mas… talento que é bom, nada né?

E assim, como quem brinca de escalar um time para o Cartola, o señor Batista faz o favor de desperdiçar uma das mais talentosas gerações de atacantes argentinos… lamentável.