Arquivo da categoria: Futebol Nacional

Muita calma nessa hora

O primeiro jogo do Allianz Parque entre Palmeiras e Corinthians, acabou virando um verdadeiro pesadelo para a torcida palmeirense. O time ainda em formação, com apenas 3 jogadores do time titular que estavam também em 2014(Prass, Tobio e Allione) e com alguns jogadores ainda por estrear(casos de Cleiton Xavier e Arouca), acabou perdendo por 1 a 0 para o time misto do Corinthians(que contava também com jogadores chegados em 2015, porém em número bem menor, casos de Edílson, Edu Dracena e Mendoza).

Continue lendo Muita calma nessa hora

Escudo apagado, nome trocado e o marketing dos clubes indo para o espaço

Com os campeonatos estaduais em vias de estrear, clubes com sérias crises financeiras, viu-se no último fim de semana algo que ilustra bem o porquê uma mudança de panorama é tão difícil no futebol nacional.

Continue lendo Escudo apagado, nome trocado e o marketing dos clubes indo para o espaço

Depois de dois anos pouco nobres, 2015 será o ano da redenção?

Desde o fim de 2014, quando o Palmeiras não caiu, mais por sorte do que por juízo, o Nobre vinha sendo cobrado e pressionado(principalmente depois de sua reeleição) para que mudasse sua forma de conduzir o time, que nos dois primeiros anos tinha-se mostrado um grande fracasso.

Continue lendo Depois de dois anos pouco nobres, 2015 será o ano da redenção?

7 notícias que mostram: nada mudou no futebol brasileiro

Terminada a copa do mundo, muita coisa foi dita sobre o futebol brasileiro(aqui então, praticamente todos deram seu “pitaco” no problema), seguiu-se algumas “mudanças” na seleção, os campeonatos voltaram e a vida, digamos, continuou.

Porém perto do fim do ano(ainda tem algumas rodadas, a final da copa e as quartas da sul americana), e pegando apenas desde o término da copa, como tantos temas no mínimo nojentos, tiveram algum destaque no noticiário do futebol nacional, que fica praticamente auto-explicativa a razão do porquê as coisas aqui estão um lixo e como a perspectiva de mudar está tão, mas tão distante…

Continue lendo 7 notícias que mostram: nada mudou no futebol brasileiro

Nem só de amor se vive

Perder é ruim, claro, é muito ruim, mas não é o pior que pode acontecer. Faz parte do esporte, quem gosta e acompanha tem que saber que uma hora vai perder.

Mas o que aconteceu com o meu amado Vasco foi pior. Pois com a volta do Eurico, não perdeu só o clube, perdeu o futebol brasileiro. Perderam todos que gostam desse esporte e que queriam que evoluíssemos.

Inocência pensar que o Eurico fará mal só ao Vasco. Aliás, o provável que o Vasco volte a vencer, diria que em no máximo 3 anos ganhará um Carioca. Mas a que preço?

Bom eu digo por mim, para mim deu. Ver o Vasco cair duas vezes doeu, bastante, eu diria. Ver o principal ídolo como jogador do clube fazer o que o Roberto Dinamite fez, muito mais. Aliás, Roberto também se mostrou, além de fraco, covarde, um administrador bem “confuso”, para não acusá-lo de crime algum. Foi o pior essa é a verdade.

E quando eu achava que tínhamos chegado ao fundo do poço, a volta do Eurico foi a gota d’água para eu largar de mão.

“O Sentimento não pode parar!” O sentimento não para mesmo, mas nenhuma relação vive só de amor, e só de um lado. Perder faz parte, ser diuturnamente vilipendiado não. Se os sócios entenderam por bem o retorno de Eurico, eu que tenho que me afastar.

Foi fácil me afastar da seleção, será também do Vasco. Em certos momentos temos que escolher o que é mais importante, ganhar a qualquer custo, para mim, nunca será.

A final da Copa do Brasil e o grande duelo de 2014: Cruzeiro x Atlético-MG

Assistimos na última quarta a dois confrontos épicos e que credenciaram ainda mais as duas equipes a essa final que, exceção aos torcedores dos times derrotados(caso de Flamengo e Santos), todos queriam ver nessa Copa do Brasil: Cruzeiro x Atlético-MG

Sem dúvida nenhuma será a final daqueles que tem jogado o futebol mais vistoso, além dos times que podem ser considerados os melhores do Brasil na atualidade, sendo que o Cruzeiro é atual campeão brasileiro, mineiro e segue para o bi do nacional, enquanto o Atlético-Mg, o último campeão brasileiro da libertadores, campeão da recopa, além de estar entre os 4 primeiros do brasileiro.

O que mais impressiona ao se analisar ambos os times, é que muitos dos jogadores chegaram com status de “refugos” de outros times, porém o rendimento deles lá é algo que impressiona.

Peguemos por exemplo os dois maiores destaques de ambos, casos de Diego Tardelli e Everton Ribeiro.

O primeiro era aquele jogador que sempre se esperava algo, mas quando parecia que ia, não ia. Teve uma boa primeira passagem no time mineiro(quando sua carreira começou a recuperar), foi para fora, voltou e desde então tem jogado um futebol que salta os olhos, tamanha qualidade, não para menos foi chamado para a seleção e ainda decidiu no clássico contra a Argentina, está jogando demais!

O segundo apareceu com alguma expectativa no Corinthians, porém não deu certo, foi descartado para o Coritiba, onde começou a render e o Cruzeiro resolveu apostar nele, aposta muito certeira, diga-se. Foi o melhor do time no título brasileiro do ano passado, vem sendo um dos destaques esse ano novamente(apesar de não estar com o mesmo nível de 2013) e também conseguiu uma convocação para a seleção. Entrou bem, mas ainda é difícil saber se ele terá carreira longa no time do Brasil.

Isso sem contar tantos outros jogadores, como Borges, Dagoberto, Nilton, Marquinhos(aquele ruim que jogou no Palmeiras mesmo), Léo(outro pereba ex-palmeiras). Já no lado do galo podemos colocar o Leonardo Silva, Pierre, Jô(apesar de ter saído agora no fim do ano, ainad teve grande participação na campanha do time), Maicossuel, entre outros.

Os dois times tem como principal característica jogar um futebol mais ofensivo, sempre em busca do gol, o que foge a regra dos times brasileiros em geral, que privilegiam a defesa, para depois ver se sai algum gol. Não chegam a ter uma defesa horrível, mas seguem mais a lógica do “tomo 3, mas marco 4”

O Cruzeiro teve uma campanha com menos percalços que o galo(pegou alguns times mais fracos e atropelou sem dó, exceção ao ABC, que tomou certo sufoco), porém contra o Santos chegou a estar eliminado durante parte do segundo tempo e conseguiu buscar o empate mesmo jogando na Vila Belmiro. Mostras também do poder de reação do time.

Já o Atlético-Mg… Bom o time do galo foi responsável por dois dos momentos mais épicos do futebol nacional neste ano. As viradas que ele conseguiu em casa contra Corinthians e Flamengo, são daqueles momentos que tanto vem rareando no Brasil, de que o futebol daqui ainda pode ser emocionante. Foram grandes partidas, que mesmo sem torcer para nenhum dos times, você ficava tenso junto. Além do que, a torcida mostrou sua força e sem dúvida empurrou o galo para essa final, igual em 2013 na libertadores, onde o time sempre conseguia reagir em casa.

Eu ainda cito mérito dos técnicos, um que chegou sem muito holofote, caso do Marcelo Oliveira, que atualmente é disparado o melhor do Brasil e o Levir Culpi, que sempre achei uma porcaria de técnico, mas que faz um trabalho no galo realmente impressionante. Tirou o Ronaldinho Gaúcho e acertou o time para que ele continuasse rendendo mesmo sem seu maior astro(que estava em queda, diga-se).

Não bastasse tudo isso, ainda tem a rivalidade local, que com os times em ótima fase, fica ainda mais acentuada. É o tipo de jogo que se o cara já entra para ganhar, só por ter o prazer de vencer em cima do maior rival, entra com vontade dobrada.Uma pena não se ter o estádio dividido, faria do espetáculo ainda mais bonito, então os times que se preparem, pois a pressão não será pouca para nenhum deles quando forem visitantes.

Um palpite? Acredito que pelos jogos das fases anteriores, o vencedor será o Atlético-MG, porém clássico é praticamente impossível dar um prognóstico.

Por tudo dito aqui, é uma final que certamente entrará para a história e que todo amante de futebol, está proibido de perder!

Dossiê futebol/seleção nacional: torcidas organizadas

Para começar essa nova parte do dossiê, fica registrada a desculpa pela demora em dar continuidade, por conta de alguns problemas. Dito isso, vamos ao que interessa…

Esse novo capítulo será marcado por uma questão bastante controversa para alguns, mas que para mim resta muito pouca dúvida que é mais um malefício(dada a quase nulidade de pontos positivos em relação a elas) do que propriamente algo bom: as torcidas organizadas.

Pode até parecer exagerado dizer que elas sejam responsáveis também pela atual situação do futebol nacional, ainda mais se considerarmos que esse é um problema mundial(o de torcidas violentas, porém em outras partes do mundo as punições são enérgicas, ao passo que aqui…), porém ao olharo caso com mais atenção, veremos que elas tem uma parcela bem considerável de culpa.

Abaixo vou listar aqueles que considero os principais problemas em relação a elas:

– violência: sem dúvida o principal problema. Pegando pelo lado objetivo, isso afasta a torcida eventual(aquela que irá alternar entre jogo e outro, mas que garantiria o estádio sempre cheio), faz com que o time perca mandos de campo e consequentemente tenha prejuízo tanto no aspecto técnico como no financeiro. Além do fato de em horários de jogos fazerem a vida de pessoas que nem ao menos irão na partida um inferno, vide a total falta de respeito dessa gente com pessoas que não torcem pelos seus respectivos clubes. Coisa que honestamente mostra que eles não tem o mínimo de civilidade(em sua maioria), agem como animais.

– ameaças: não em relação a outras torcidas(isso fica na conta da violência citada acima), mas sim em relação aos jogadores. Quantos jogadores já não abandoram o clube em função disso? Muitos que as vezes apenas passavam por uma má fase, mas foram praticamente expulsos do time. Sem contar também o fato de que muitas vezes atletas deixam de ir para um clube por saber desse comportamento imbecil.

– massa de manobra política: muitos dirigente usam eles como forma de pressionar esse ou aquele dirigente ou mesmo esse ou aquele jogador que desagrada alguma ala da diretoria em troca de benefícios daquela ala, sejam viagens gratuitas, ingressos para jogos, entre outros.

– aproveitamento indevido: usam símbolos do clube(como por exemplo o escudo do time) para lucro próprio, sem que com isso a agremiação receba algo em troca, ou seja trás prejuízo para o clube, pois muitos desses “torcedores” gastam o dinheiro com esses produtos ao invés de gastar com produtos do clube e assim trazer mais renda ao mesmo.

– desrespeito: a mania de muitos deles de acharem que são mais torcedores do time que os outros, tratando muitas vezes a própria torcida com falta de educação, isso para não dizer a coisa lamentável de ter alguns que acham que podem ir lá dar “palestra” pra jogador(o que me impressiona são alguns dirigentes darem esse tipo de liberdade a eles).

O que mais me chama atenção(mas não me surpreende) é que durante essa semana que estava pensando sobre esse texto, acontecem mais coisas que dão razão ao que falo, que foi o protesto dos torcedores em frente ao Corinthians, com direito a presidente recebendo esses vagabundos. Os bandidos que armaram emboscada para os torcedores santistas(saldo dessa selvageria: um morto e outro internado em estado grave) e a torcida do Botafogo que invadiu o CT do clube e quase saiu na mão com os jogadores(em especial o Carlos Alberto).

Com exemplos como esses em apenas uma semana, o que dá pra se tirar de bom dessa corja? NADA!

Sei também que existem torcedores que até são de fato apenas torcedores, mas na minha opinião esses que tem como finalidade de fato apenas torcer pelo clube do coração, que se reúnam com amigos, com familiares, com quem quer que seja e vão assistir o jogo, porque definitivamente você ficar fazendo parte de algo que tá mais do que escancarado que não tem nada de bom a acrescentar, é no mínimo uma grande burrice.

O pior é diretor dessas torcidas dizer que eles tiram essa gente e que não tem como controlar e outras desculpas. Tudo balela, eles são sim é coniventes com essa gente que faz isso, pois se de fato houvesse algum interesse em fazer com que essas gangues de bandidos fossem tiradas das torcidas, eles o fariam, mas não fazem simplesmente porque não querem.

Lamentável ver clube dar ouvido a essa gente que além de não ter a menor noção de futebol, não pensam no bem do clube. Isso aí pra mim não é torcedor, pois se o cara realmente gosta, ama o time como diz, ele vai protestar sim, vai lutar por mudanças, porém não é com selvageria, desrespeito e agressão imbecil a torcedores rivais que isso será alcançado.

A impunidade que as autoridades tratam essa gente, a conivência dos clubes com atos violentos e a certeza de que nada de diferente será feito para que isso, se não acabar, pelo menos diminuir, é dos fatores principais que mantém essa bandidagem, arruaça e vandalismo ativos e sem nenhuma perspectiva de acabar. Pior para os torcedores comuns, que acabam deixando de ir ao estádio com medo de serem vítimas disso e acabarem até apanhando(e em casos mais graves sendo mortos) por essa escória, que se chega a tal ponto, sequer pode ser chamada de gente.

Uma coisa que li esses dias é sem dúvida uma das boas conclusões que se tira disso tudo: que bom seria se as pessoas tivessem essa mesma intensidade e agisse com essa mesma revolta em relação a política nacional, certamente se isso ocorresse, as coisas não estariam o lixo que estão…

Fim dos investidores no futebol: o que pode mudar?

Na esteira do dossiê que venho publicando, surgiu uma notícia que pode fazer a médio/longo prazo os clubes brasileiros avançarem um pouco mais à caminho da profissionalização: que foi a proibição de investidores no mundo do futebol.

Na pratica o que isso significa? Continue lendo Fim dos investidores no futebol: o que pode mudar?

Dossiê futebol/seleção nacional – STJD

Hoje continuaremos com o dossiê sobre o futebol nacional e uma das instituições que mais gera o descrédito no
nosso futebol: o STJD.

Nada mais político do que esse tribunal, que toma decisões sem nenhum critério, coloca muitas vezes casos iguais
com pesos diferentes e sempre analisa a punição de acordo com o peso de cada clube na CBF.

Continue lendo Dossiê futebol/seleção nacional – STJD