Escolha uma Página
7 notícias que mostram: nada mudou no futebol brasileiro

7 notícias que mostram: nada mudou no futebol brasileiro

Terminada a copa do mundo, muita coisa foi dita sobre o futebol brasileiro(aqui então, praticamente todos deram seu “pitaco” no problema), seguiu-se algumas “mudanças” na seleção, os campeonatos voltaram e a vida, digamos, continuou.

Porém perto do fim do ano(ainda tem algumas rodadas, a final da copa e as quartas da sul americana), e pegando apenas desde o término da copa, como tantos temas no mínimo nojentos, tiveram algum destaque no noticiário do futebol nacional, que fica praticamente auto-explicativa a razão do porquê as coisas aqui estão um lixo e como a perspectiva de mudar está tão, mas tão distante…

(mais…)

Nem só de amor se vive

Nem só de amor se vive

Perder é ruim, claro, é muito ruim, mas não é o pior que pode acontecer. Faz parte do esporte, quem gosta e acompanha tem que saber que uma hora vai perder.

Mas o que aconteceu com o meu amado Vasco foi pior. Pois com a volta do Eurico, não perdeu só o clube, perdeu o futebol brasileiro. Perderam todos que gostam desse esporte e que queriam que evoluíssemos.

Inocência pensar que o Eurico fará mal só ao Vasco. Aliás, o provável que o Vasco volte a vencer, diria que em no máximo 3 anos ganhará um Carioca. Mas a que preço?

Bom eu digo por mim, para mim deu. Ver o Vasco cair duas vezes doeu, bastante, eu diria. Ver o principal ídolo como jogador do clube fazer o que o Roberto Dinamite fez, muito mais. Aliás, Roberto também se mostrou, além de fraco, covarde, um administrador bem “confuso”, para não acusá-lo de crime algum. Foi o pior essa é a verdade.

E quando eu achava que tínhamos chegado ao fundo do poço, a volta do Eurico foi a gota d’água para eu largar de mão.

“O Sentimento não pode parar!” O sentimento não para mesmo, mas nenhuma relação vive só de amor, e só de um lado. Perder faz parte, ser diuturnamente vilipendiado não. Se os sócios entenderam por bem o retorno de Eurico, eu que tenho que me afastar.

Foi fácil me afastar da seleção, será também do Vasco. Em certos momentos temos que escolher o que é mais importante, ganhar a qualquer custo, para mim, nunca será.

Carta Aberto ao sr. Paulo Nobre

Carta Aberto ao sr. Paulo Nobre

Excelentíssimo senhor presidente Paulo Nobre, boa tarde.

Você não me conhece, nunca ouviu falar de mim, então permita-me uma breve apresentação. Meu nome é Fernando, tenho 29 anos, sou publicitário e professor universitário. Sou corintiano roxo (pleonasmo, eu sei) e tão apaixonado por futebol que resolvi fazer disso meu ganha pão, estudando marketing esportivo em meu mestrado e hoje começando a escrever os primeiros artigos e livros nesta área. (mais…)