Arquivo da categoria: Grupo C

Palpitômetro – saldo grupos C e D

Continuando com as conclusões do palpitômetro, hoje serão os grupos C e D

Grupo C

Colômbia empata com a Grécia
Resultado – Colômbia 3 x 0 Grécia

Costa do Marfim vence Japão
Resultado – Costa do Marfim 2 x 1 Japão

Colômbia empata com a Costa do Marfim
Resultado – Colômbia 2 x 1 Costa do Marfim

Japão perde para Grécia
Resultado – Japão 0 x 0 Grécia

Grécia perde para Costa do Marfim
Resultado – Grécia 2 x 1 Costa do Marfim

Colômbia vence Japão
Resultado – Colômbia 4 x 1 Japão
Classificação(palpite)

Costa do Marfim – 7 pontos
Colômbia – 5 pontos
Grécia – 4 pontos
Japão – 0 ponto

Classificação(real)

Colômbia – 9 pontos
Grécia – 4 pontos
Costa do Marfim – 3 pontos
Japão – 1 ponto
Análise dos palpites – Sem dúvida fiquei surpreso em como a Colômbia conseguiu superar bem a falta da sua estrela maior, Falcão Garcia, e atropelar todos seus adversários. Por outro lado decepcionado com a campanha da Costa do Marfim, que na última chance dessa geração de fazer um bom papel, parece que o ego de novo falou mais alto. Grécia se aproveitou disso e passou pela primeira vez de fase e o Japão foi pífio, como esperado.
Grupo D

Uruguai vence Costa Rica
Resultado – Uruguai 1 x 3 Costa Rica

Inglaterra empata com a Itália
Resultado – Inglaterra 1 x 2 Itália

Uruguai Vence a Inglaterra
Resultado – Uruguai 2 x 1 Inglaterra

Itália vence a Costa Rica
Resultado – Itália 0 x 1 Costa Rica

Itália empata com o Uruguai
Resultado – Itália 0 x 1 Uruguai

Costa Rica perde para a Inglaterra
Resultado – Costa Rica 0 x 0 Inglaterra

Classificação(palpite)

Uruguai – 7 pontos
Itália – 5 pontos
Inglaterra – 4 pontos
Costa Rica – 0 ponto

Classificação(real)

Costa Rica – 7 pontos
Uruguai – 6 pontos
Itália – 3 pontos
Inglaterra – 1 ponto
Análise dos palpites – certamente o grupo que derrubou todo mundo. Não dá nem pra considerar que realmente tenha sido um erro de avaliação, porque acredito que nem os próprios costa-riquenhos acreditavam em uma campanha fabulosa como essa em um grupo tão difícil. Surpreendente o fato de a seleção italiana não ter empatado nenhum jogo e o Uruguai como imaginei levou os jogos mais na raa do que na técnica. Inglaterra continua sendo pífia, apesar de essa copa ter superado os limites.

 

Saldo

12 partidas

3 acertos

9 erros

 

Saldão do C e, “há uma Colômbia no meio do caminho”.

Como eu disse antes da Copa, o grupo C foi, seguramente, um dos grupos mais disputados dessa primeira fase.

O Japão foi frágil em todos os sentidos. A seleção japonesa não mereceu em momento algum ir além.  Até começou ganhando o seu primeiro jogo, mas nada que pudesse animar.

Por outro lado, tivemos mais do mesmo. Costa do Marfim decepcionou. Menos pela não classificação, mais pelo futebol (não) apresentado. E a Grécia, ah a Grécia… Confesso que não é um futebol que me encha os olhos, mas é impressionante a consciência desse time.

Se algum dia a Grécia tiver uns 4 jogadores muito bons, não sei não. Foram surrados pela Colômbia, não fizeram nada contra o Japão, mas a partir do momento que precisavam apenas vencer da Costa do Marfim, jogaram em cima a partida inteira e mereceram a classificação.

Esse é o resumo do que foi o Grupo C. Mas ele foi muito mais, aliás, a Colômbia foi muito mais.

Fernando já disse isso em seu post mais recente e eu concordo, a Colômbia é a seleção que apresentou até agora o melhor futebol dessa Copa. E o argumento da fragilidade dos adversários não cabe.

Não creio que a Colômbia seja campeã, na verdade imagino que ela pare nas quartas-de-final, se ela passar do Uruguai, é claro. Mas o futebol mais divertido de se ver, rápido, habilidoso e ofensivo, sem dúvida nenhuma é o colombiano.

Cuadrado (foto do post), James Rodríguez (já citei aqui duas vezes), Quintero e mais a frente, especialmente, Jackson Rodriguez, têm nos dado motivos ainda maiores de ficarmos na frente da tv nos jogos colombianos.

Antes da Copa começar, escrevi que a Colômbia não passava das oitavas, e ainda hoje, depois de tudo que o time vem jogando, não vejo ela como favorita contra o Uruguai. Mas tem time, e pode sim, passar.

E aí, Chile e Brasil já sabem, se não se cuidarem, terão uma Colômbia pelo caminho. E pelo que está jogando, é uma pedra grande demais no sapato de qualquer um dos dois.

 

 

6 motivos que provam que a Colômbia é a grande seleção da copa

Resolvi passar aqui rapidinho para elencar cinco motivos pelos quais a Colômbia é a grande seleção dessa copa. Eis:

1 – Futebol

Eu sei, deveria ser motivo mais do que suficiente, mas não é. A Colômbia ganhou os três jogos da primeira fase (ok, grupo fraco, eu sei, mas ganhou com autoridade) jogando um futebol que enche os olhos. Com um time muito rápido e habilidoso, os colombianos têm envolvido a marcação adversária e dado verdadeiras aulas de contra ataque.

2 – Torcida

Tem sido fantástico em todos os jogos o número de colombianos presentes. Conforme já disse aqui, para o jogo de hoje os torcedores estavam desde sábado no aeroporto de Cuiabá. Em quantidade, em animação e beleza a torcida colombiana está ganhando de goleada.

3 – Pablo Armero

É a grande figura dessa copa. Duvido que vocês estejam vendo os jogos da Colômbia sem aguardar ansiosamente pelas comemorações, lideradas pelo autor do famoso “Armeration”. Independente da qualidade técnica, que é discutível, não há como negar que é extremamente carismático.

4 – Mondragon

Quarenta e três anos de idade, recordista em longevidade em jogos de copa. Quem viu o jogo agora há pouco certamente se emocionou com a entrada do goleiro, sendo homenageado e aplaudido até pelos adversários japoneses – e ainda deu tempo para fazer uma grande defesa.

5 – Romarinho

Cuadrado, com suas madeixas à la Romarinho, é no mínimo um personagem interessante, não só pelo futebol mas pelas piadas futebolísticas que proporciona pela semelhança com o atacante corintiano.

Separados pelo nascimento?
Separados pelo nascimento?

6 – Shakira

Uma imagem vale mais que mil palavras.

shakira

A uma rodada do fim, e agora?

O jogo de ontem que prometia ser o melhor do grupo, não decepcionou. Costa do Marfim e Colômbia apresentaram um ótimo espetáculo, ambas tendo chances até o final da partida.

O meio campo colombiano é de alto nível, e Quintero que veio do banco foi decisivo para a vitória sulamericana. Apesar de James Rodríguez ter feito outra partidaça, Cuadrado foi o melhor em campo, trucidando Boka do começo ao fim da partida.

Há que se destacar também o gol de Gervinho que, por enquanto, está entre os 5 mais bonitos dessa Copa, mesmo com descontos da mão de alface do goleirão.

A Costa do Marfim apresentou, o que para mim é o grande problema das seleções africanas: falta de sentimento de grupo. Sem querer me aprofundar muito no tema, essas lendas históricas de futebol irresponsável, de falta de consciência tática, não podem mais ser consideradas. Tanto técnicos quanto jogadores atuam na Europa, e são, em sua grande maioria, obedientes taticamente.

Agora, são nítidas as desavenças, os “subgrupos” que existem nas seleções. Os camaroneses mesmo chegaram ao ponto de trocarem carinhos no final do jogo contra a Croácia.

Ontem, Drogba e Yaya Touré discutiram em todos os lances que estavam juntos, reclamando um do outro. Desse jeito fica difícil.

Do jogo entre Japão e Grécia pouco a dizer, se não foi horrível, para jogo bom também não serve. De destaque só o nome do jogador grego Jose Cholevas… No meio de Katsouranis, Sokratis, Samaras, um Jose Cholevas é, no mínimo, engraçado.

Com os resultados de ontem, o grupo tem:

Colômbia com 6 pontos; Costa do Marfim com 3; Japão e Grécia com 1 ponto cada. A seleção sulamericana já está classificada, bastando um empate com o Japão na última rodada para ficar em primeiro do grupo. Costa do Marfim também com um empate deve classificar, só uma goleada japonesa tiraria sua vaga.

Mas nem só de alegria vive a Copa do Mundo. O problema da Costa do Marfim agora é outro. Com o falecimento de seu irmão mais novo, Yaya Touré e Kolo Touré devem voltar ainda hoje para o país. E aí, qual será a reação da equipe sem seu melhor jogador?

 

Técnicos Tipo Exportação

Todos desfrutamos de um passeio hoje no Maracanã. O Chile, com seu futebol atual, rápido, agressivo,  colocou a Espanha na roda e eliminou a atual campeã.

Amanhã a Colômbia enfrentará a Costa do Marfim, e a repetir a atuação da primeira rodada, encaminhará, certamente,  sua passagem para as Oitavas.

E aí você pensa, o que tem a ver uma coisa com a outra…

Ambas equipes, as Sulamericanas que demonstraram o melhor futebol até agora, são treinadas por técnicos argentinos. E o que me espanta, o pior time taticamente, aquele que demonstrou a pior formação em campo, foi a própria Argentina.

A verdade é que tanto Sampaoli quanto Pekerman não são novidades no mundo do futebol. Este por ter tido muito sucesso com as seleções de base argentinas e aquele pelas temporadas brilhantes comandando a equipe da Universidade do Chile.

E mais, Sampaoli é um discípulo assumido de Bielsa. Outro técnico argentino com muito sucesso fora de lá.

Na verdade, ou Messi, Di María e Aguero começam a jogar, ou o melhor argentino da Copa pode defender outras cores.

Estou dividido, não gostaria de pegar a Holanda logo agora, mas ao mesmo tempo queria muito que o Chile fosse longe nessa Copa.

Vidal, Vargas, Sanchéz, Bravo e, principalmente, Sampaoli merecem chegar lá.

Se é cedo para decretar o fim do Tiki Taka, não é cedo para enaltecermos o estilo coletivo, veloz e ofensivo de La Roja.

Enquanto isso, Messi e companhia entram em campo com GPS para poderem se achar nas quatros linhas.

E se reclamamos de vermos que nossos craques estão fora do país, imaginem os “hermanos”, que se viram com Maradona, Sabella e afins…

 

Mar Amarelo em Belo Horizonte, e era a Colômbia

 

Para mim, a Colômbia sempre foi a favorita do Grupo C, aliás, se é a cabeça de chave, é porque traz consigo esse favoritismo. Mas não sei se esperava por tudo que vi em BH neste sábado.

A começar pela torcida colombiana. Parecia jogo do Brasil, o estádio inteiro amarelo, sensacional. Confesso que não imaginava que teríamos tantos colombianos aqui. Mesmo com a proximidade dos países.

E o que se viu nas arquibancadas, refletiu-se em campo. A Grécia não viu a cor da bola. Tirando um belo chute de Kone no primeiro tempo e o gol incrivelmente perdido por Gekas no final do jogo quando já estava 2×0 para os colombianos, os gregos não assustaram ninguém.

Samaras já não era lá essas coisas jovem, agora depois de velho achou que era craque e protagonizou algumas patacoadas.

Mas do outro lado não. Se ao sair a escalação Pekerman me deixou receoso, poucos minutos foram necessários para mostrar o acerto da escalação da equipe.

James Rodríguez foi um dos melhores jogadores da primeira rodada, um jovem com uma camisa amarela de número 10… as semelhanças não foram poucas.

Por tudo isso, a vitória colombiana foi um passeio, e se vier uma vitória contra a Costa do Marfim, por que não acreditar em uma improvável quartas-de-final?