Escolha uma Página
Crise na Venezuela!!

Crise na Venezuela!!

A Seleção Venezuelana joga para o gasto e empata com o fraco Brasil (CBF) sem sequer ameaçar o goleiro brasileiro.

É o início da mais nova crise do futebol venezuelano, em um jogo em a equipe “vinhotinto” mal conseguiu passar do meio campo a perspectiva de alcançar um resultado histórico na Copa América ficou mais distante!

É isto mesmo, não estou brincando. Diante do péssimo futebol apresentado pela seleção da CBF a seleção venezuelana perdeu uma grande chance de vencer o jogo e liderar seu grupo na Copa América.

Embora os jogadores venezuelanos tenham comemorado o resultado contra a seleção “canarinho” ficou evidente que com um pouco mais de ousadia os venezuelanos poderiam sair com a vitória. Bastava apertar um pouco na saída de bola, principalmente quando a “pelota” estivesse com o brucutu Lúcio, que algumas chances seriam criadas e gol histórico sairia.

O que fica de positivo para os venezuelanos é que mesmo diante de um ataque muito falado (Ganso, Robinho, Pato e Neymar) sua seleção não passou nenhum grande susto o que possibilita sonhar com vitórias contra Paraguai e Equador (que também empataram) e talvez até com uma classificação para a 2ª fase que seria um resultado histórico.

O próximo jogo é contra o Equador e para seguir sonhando é preciso vencer!

 

O Grande desperdício

O Grande desperdício

Quando fui convidado para acompanhar a seleção Argentina pela Copa América para o Em Cima da linha, fiquei extremamente feliz.

Não somente por ser torcedor dos hermanos, mas também por ter a oportunidade de acompanhar um dos ataques mais talentosos dos últimos anos.

Carlitos Tevez, Aguero, Milito e… Lionel Messi. Não tem como não ter uma bela expectativa com tantos bons jogadores (sobre Lavezzi, falo mais à frente).

Porém, ao analisar a primeira partida, a escalação, as alterações, cheguei À duas conclusões: 1 – a Argentina tem um sério problema tático; 2 – O técnico atual, Batista, consegue ser pior que Diego Maradona.

Historicamente, a Argentina joga com uma linha de 4 zagueiros (são raros os laterais que sobem), um volante muito marcador, que joga quase como zagueiro, e daí pra frente habilidade, toque de bola, cadência. Pois bem, a Argentina deste ano mantém os 4 marcadores lá atrás (Zanetti tem um ótimo apoio, mas raramente passa do meio de campo, pelo sistema montado e pela idade avançada), Mascherano no meio de campo, quase como um terceiro zagueiro, e na armação das jogadas… Banega e Cambiasso! Aí não dá. A bola simplesmente não chega no ataque, pois há um buraco enorme entre os volantes e os atacantes.

E é aí que entra o fanfarrão técnico argentino. ele escala Tevez pela ponta esquerda, ok. O mais sensato seria escalar Messi um pouco mais recuado, para jogar nas costas dos volantes adversários, e alguém enfiado, pode ser Milito, Aguero, até o Di Maria que é meia serviria ali. Mas ele escolhe a pior dentre as opções e escala Lavezzi, o “mirandinha argentino”. Ele é esforçado, corre, briga, mas… talento que é bom, nada né?

E assim, como quem brinca de escalar um time para o Cartola, o señor Batista faz o favor de desperdiçar uma das mais talentosas gerações de atacantes argentinos… lamentável.

Agora vai…

Agora vai…

CARACAS, 28 de junho de 2011 (AFP) – O técnico da Venezuela, César Farías, deu a conhecer, nessa terça-feira, a lista dos 23 jogadores que participarão da Copa América 2011, na Argentina.

A principal ausência da lista anunciada por Farías é o defensor Juan Fuenmayor, que sofreu uma lesão no joelho direito treinando nos últimos dias de preparação.

Além de Fuenmayor, o zagueiro William Díaz e os meios campos Edgar Jiménez, Francisco Flores, Angelo Peña, Angel Chourio e Alejandro Guerra foram descartados por Farías para a Copa América.

A seleção venezuelana estreará nesse domingo contra o Brasil, parte do Grupo B, que conta com Paraguai e Equador.

A lista completa é:

Goleiros: Renny Vega, Dani Hernández e Leo Morales

Defensores: Gabriel Cichero, Grenddy Perozo, José Granados, Oswaldo Vizcarrondo, José Manuel Rey, Roberto Rosales e Alexander González.

Meias: Giácomo Di Giorgi, Franklin Lucena, Tomás Rincón, Juan Arango, Yohandry Orozco, Luis Manuel Seijas, César González e Jesús Meza.

Atacantes: Nicolás Fedor, Salomón Rondón, Daniel Arismendi, Giancarlo Maldonado e Alejandro Moreno

 

Em busca da melhor campanha de todos os tempos

Em busca da melhor campanha de todos os tempos

Terei a gloriosa tarefa de escrever colunas sobre o desempenho da seleção venezuelana de futebol na Copa América 2011.

A seleção “Vinhotinto” que estréia no dia 03 de Julho contra o Brasil é a seleção com o pior desempenho na história da Copa América. São 14 participações, com:

49 jogos;

2 vitórias;

9 empates;

38 derrotas;

34 gols pró;

155 gols contra;.

 

Nesta edição da competição a Venezuela está no Grupo B, junto com Brasil (atual campeão), Equador e Paraguai.

Os jogadores venezuelanos, dirigidos por César Farías, permaneceram dez dias em um centro de treinamentos na cidade de Dallas (EUA) para se preparar para o torneio. A seleção continuará sua preparação em seu país na ilha de Margarita.

A lista com os 23 jogadores que viajam para a Argentina deverá ser anunciada somente hoje (27/06).

O objetivo da seleção “Vinhotinto” é realizar a melhor campanha da história do futebol venezuelano que foi um modesto 5º lugar em 1967 quando somente 6 países disputaram o torneio.