Escolha uma Página

O alviverde sendo imponente

Jogos como esse contra o Libertad, são do tipo que o lado técnico do time acaba sendo colocado em segundo plano.

A vitória e principalmente a forma como ela veio, tornam o momento único.

A superação, a entrega, a raça, determinação para conseguir o resultado necessário, sabendo que aquele era o “jogo do ano” até o momento fizeram a torcida apoiar os 90 minutos o time.

Mesmo em momentos adversos a torcida não deixou de apoiar, vaiar? apenas quando o adversário tinha a posse da bola.

A torcida, que praticamente havia rompido com o time pós-goleada sofrida contra o Mirassol, reatou com o time, pois em nenhum momento, nem quando o time ficou com um a menos, a torcida desanimou, continuou apoiando até o fim e teve a recompensa por todo esse apoio.

O time não ficou melhor tecnicamente, ainda possui muitas falhas, nem mesmo parou de errar, ainda continua a ter seus momentos de pane. Porém a forma como o time tem ido para as jogadas, disputando cada bola como se fosse a bola do título, tornam o time cada vez mais difícil de ser batido.

São 4 vitórias seguidas, sendo 3 delas bastante representativas: as duas da Libertadores, que valeram a classificação e a contra a Ponte, única invicta do Paulistão e vencendo em Campinas.

Méritos para o presidente Paulo Nobre que manteve o Kleina no cargo mesmo depois do desastre de Mirassol(momento aquele que eu mesmo tinha muitas dúvidas se era válido que ele continuasse, pois parecia que ele tinha perdido o rumo), porém ele acreditou no que vem sendo feito e apenas 2 semanas depois vê o time saindo do inferno e tendo seus merecidos momentos no paraíso, classificado com uma rodada de antecedência, coisa que nem Grêmio, Fluminense ou São Paulo(esse com grande risco de eliminação) conseguiram.

A moral do time está lá no alto e acredito que essa classificação ainda não é o limite do time, pois considerando até que devem chegar reforços para o time na segunda fase da Libertadores, não seria de se surpreender que o time avance mais ainda.

O título continua sendo uma possibilidade improvável, porém depois de tudo que foi visto, não pode-se dizer mais que é impossível.

Quinta foi o dia que o palmeirense pode, desde o título da Copa do Brasil ano passado, ter verdadeiramente orgulho do time.

Esperança verde

Depois de tudo que aconteceu na última semana, o jogo contra o Tigre parecia o prenúncio de mais uma terrível crise que o time do Palmeiras poderia se enfiar, no entanto o que se viu foi um time jogando como nunca, com uma garra, dedicação e entrega que a torcida espera e o resultado foi uma vitória convincente por 2 a 0 e chances renovadas na competição.

Sem diversos jogadores(contundidos ou não inscritos por conta do “maravilhoso” negócio Barcos), 12 para ser exato e ainda perdendo o Patrick Vieira machucado no começo do jogo, o time conseguiu dominar completamente a equipe argentina, fez os gols com Caio e Charles e ainda apanhou o jogo todo(coisa que o Tigre faz de melhor). Chegou aos 6 pontos e tem no jogo da próxima semana contra o Libertad a chance de inclusive assumir a ponta do grupo.

A diretoria não contratou ninguém até o fechamento da janela e até por conta da paralisação no período da copa das confederações, não se sabe se trará alguém, porém parece mais do que óbvio que contratações são urgentes, em especial com o time se classificando na libertadores, tornam-se obrigatórias, pois com o atual time não dá para se almejar grandes coisas na competição sul-americana.

O time apesar de toda entrega e dedicação, mostra os mesmos defeitos já tanto citados aqui, ou seja há um limite muito claro no que o time pode conseguir apresentar e esse limite está longe de ser alto. Talvez alguns lances de sorte(considerar que algum dos jogadores da base de fato comece a estourar) parece ser o que se pode esperar no momento.

Paulista foi jogado para segundo plano, tanto que o time entrará ainda mais mexido(se é que isso é possível) contra a Ponte Preta, visando evitar novas contusões de peças importantes, tudo para ter o melhor time possível contra o Libertad. Acredito que tentar ganhar a competição estadual serviria principalmente como uma forma de dar mais moral ao time, porém considerando que o time certamente se classificará, a decisão é mais do que acertada.

Essas próximas semanas devem ser decisivas para saber o que espearar desse time e principalmente se ele pode ter algo mais a oferecer ou se será o time que pode jogar bem todos os clássicos, depois ser goleado por um Mirassol da vida.

Uma semana de redenção

Uma semana de redenção

A semana começou com uma grande apreensão da torcida: estréia na libertadores e clássico contra o Corinthians. O time sendo desmontado e começando a ser remontado, desentrosado e com carência em diversas posições… o cenário nem de longe era animador, porém ao final da semana, o torcedor termina muito mais esperançoso com pelo menos uma campanha mais digna do time. Uma vitória 2 a 1 em casa na libertadores e um empate no clássico com chances reais de sair com a vitória foram resultados bem acima das expectativas dos torcedores.

Há que se exaltar a dedicação, entrega e muita raça do time em ambos os jogos, coisa que por exemplo não se via no ano passado(méritos para o Kleina). O time joga de forma solidária, acredito por saber das suas limitações(e o elenco tem diversas, diga-se), então eles buscam compensar uma eventual falta de qualidade técnica com disputar cada jogada como se fosse a decisiva do jogo.

Os dois jogos dessa semana mostraram isso. O time marca em cima desde a saída de bola do adversário, tem um meio de campo forte(apesar de pouco técnico), que impede o adversário de criar livremente jogadas. Foi notável nos jogos os problemas dos setores criativos do Sporting(que foi presa muito mais fácil por ser muito limitado tecnicamente) e do Corinthians, que mesmo tendo um time mais técnico, teve muitos problemas em sair com a bola e para criar jogadas, muitas vezes se viam apenas os zagueiros e o Ralf para iniciar as jogadas.

Acredito que o ponto mais louvável desse time, seja o ataque rápido, que foi principalmente notado no clássico. A boa saída de bola do Souza e do Wesley, diversas vezes pegaram em velocidade os atacantes Patrick Vieira(esse me parece ter muito potencial) e Vinícius, e os dois caindo pelas pontas, preparavam lances para chegada de trás dos volantes(tanto que o primeiro gol foi em um lance desse, onde o Wesley recebendo um passe de contra-ataque, pegou a bola na lateral e cruzou para a chegada surpresa do Vilson).

O Kleina com isso mostrou que pode conseguir compensar os defeitos do time com adaptação do esquema e principalmente rigidez tática: o time tem de jogar no limite e de forma obediente, principalmente na marcação, para suprir uma falta de maior técnica. Apesar de tudo, o Kleina tem se mostrado falho ao mexer no time. No clássico ele mexeu mal duas vezes: ao tirar o Patrick e colocar o Charles e ao Tirar o Vinícius e colocar o Ronny. Ele deixou o time sem ataque, e fatalmente como presa fácil, já que não agredia, apenas tentava conter a pressão, tanto que acabou tomando o gol justamente nesse momento do jogo. O Kleina apenas precisa ter menos medo de agredir o adversário na vantagem e não se fechar quando se está na frente. Creio que esse seja o único defeito que ele ainda precisa corrigir.

Acredito que principalmente na Libertadores, o time jogando assim como foi nessa semana, deve passar sem muito susto pela primeira fase, pois mostrou que pode engrossar muito o jogo como visitante com essa marcação pressão, elemento fundamental para jogar contra os sul-americanos. O problema é que ao chegar na fase eliminatória, o time já deverá ter contratado 3 REFORÇOS(letra maiúscula mesmo) para encarar a fase, pois com o time que foi inscrito, passar a primeira fase é possível, mas ser campeão, extremamente improvável, pois há a necessidade de um fator de desequilíbrio e isso até o momento o Palmeiras não tem.

O caminho palmeirense na Libertadores

O caminho palmeirense na Libertadores

O esperado sorteio dos grupos de Libertadores veio. Alguns times brasileiros estão lamentando a falta de sorte e o Palmeiras saiu em um meio termo. Não pegou um grupo realmente difícil, mas também não é um grupo que se possa jogar de qualquer jeito para passar

Os adversários são:

Libertad(paraguai) – de longe o pior. Sempre chega bem na libertadores e costuma dar um bocado de trabalho, principalmente na fase de grupos, promete dois jogos duros, porém dá pra ganhar.

Sporting Cristal(Peru) – mais um daqueles times de altitude, que dá trabalho e geralmente ganha em casa e fora é saco de pancadas e deve ser isso de novo, arrancar pontos em casa e perder todas fora(talvez algum empate)

Tigre(Argentina) ou Deportivo Anzoátegui(Venezuela) – o Tigre já se mostrou um time bem desagradável de se jogar contra, nem tanto pelo nível, porque o time é fraco, mas bate demais e é extremamente encrenqueiro. Ele passando(o que é mais provável) devem ser dois jogos bem truculentos… Se passar o da venezuela, não deve ser tão problemático, já que raramente times de lá trazem dificuldades.
O principal problema do Palmeiras na primeira fase é o próprio Palmeiras: como já virou praxe, o time tá devagar, não contrata, e não bastasse o imprestável tirone não se movimentar, ainda conta com o nefasto COF bloqueando praticamente todas negociações, ou seja até o presidente novo, praticamente nenhum reforço deve chegar e considerando que o novo só assume no dia 22, vai ser difícil arrumar bons nomes com os campeonatos já tendo início.

Ano promete ser difícil se não houver alguma mudança pra ontem de mentalidade dessa direção que de tanto mal faz ao clube, chega a ser difícil definir o que é aquilo, que acho que câncer ali é pouco, pois eles desde a saída da parmalat fazem de tudo para estragar o time, é realmente surreal.

Santos: o saldo do primeiro turno da Libertadores

Santos: o saldo do primeiro turno da Libertadores

Passados os três primeiros jogos do Santos na Libertadores, acho bastante válido fazer um breve resumo deles e comentar sobre desempenho e expectativas  do clube na competição:

The Strongest 2 x 1 Santos – Essa derrota nem de longe refletiu o que foi o jogo, porém o Santos pecou por excesso de erros de Neymar, Ganso, Elano, principalmente. Difícil saber se era questão de querer fazer gols bonitos, ou apenas um mau dia, porém essa derrota até inesperada pelo desenrolar do jogo, foi uma punição pelas falhas do time.

Santos 3 x 1 Internacional – Jogo que mostrou o porquê o Neymar é considerado disparado o melhor brasileiro em atividade, pois depois de fazer um golaço e deixar o jogo 2 a 0, o Inter diminuir com o Damião e dar a entender que o time santista acabaria sofrendo pressão, ele em seguida, foi e fez quase um “replay” do segundo gol: arrancou do meio e só parou no gol.  O time estava recuperado(pricipalmente na moral) da derrota na Bolívia.

Juan Aurich 1 x 3 Santos – Um campo pequeno, aquele gramado artificial, mais parecendo jogo de society do que campo. O time sofreu no início, saiu atrás, mas conseguiu se recuperar com um ótimo jogo de Ganso, que acabou sendo corooado com um gol.

 

O time santista terminou como vice-líder de seu grupo com 6 pontos, mesma pontuação do Inter e The Strongest, porém perde no saldo de gols para o Inter. Não acredito que apesar da pontuação do time boliviano, ele venha a ser uma ameaça da classificação dos brasileiros.

O Santos mostrou que está retomando o bom ritmo do ano passado, que o levou a conquista da última Libertadores, com jogadores como Ganso retomando a forma de antes das contusões e demonstrando melhor futebol a cada dia e principalmente o Neymar, que continua sendo o principal fator de desequilíbrio do time.

Acredito que a perda do Danilo de longe foi a mais sentida, pois apesar do Fucile ser um bom jogador, ele não tem a mesma qualidade ofensiva do atual jogador do Porto. O Juan é uma incógnita, pois saiu do São Paulo pela porta dos fundos, já que não conseguiu mostrar o futebol dos tempos de Flamengo e ninguém sabe qual lateral que chegou, porque se foi o do São Paulo, a torcida santista pode esperar fortes emoções…

A subida de produção do Ibson também foi importante na melhor do rendimento do time, pois desde que o Elano caiu absurdamente de rendimento, o Santos sentia falta de um jogador de meio que pudesse ajudar tanto na marcação e que tivesse qualidade na saída de bola, pois ano passado nem Henrique, nem o próprio Ibson vinham tendo atuações convincentes. Atualmente os dois subiram muito de produção, mas o ex-Flamengo ganhou a posição e ao que parece deixou de de vez o antes incontestável Elano no banco.

Dentre todos brasileiros, o time santista deve ser o de vida mais longa na competição, pois é o que ainda vem mostrando o melhor futebol e que conta com o maior fator de desequilíbrio dentre os elencos nacionais: Neymar.

 

Tem elenco e tem padrão

Tem elenco e tem padrão

Padrão do time corinthiano.

Não tenho me animado a escrever aqui porque sinceramente o Campeonato Paulista não é muito passível de análises, por falta de competência técnica dos competidores.

Mas tenho observado algumas coisas no Corinthians que se confirmaram ontem na Copa Santander Libertadores.

Antes de mais nada, gostaria de deixar claro que ainda acho o Tite um técnico muito fraco para comandar o Corinthians. Porém, quando ele acerta devemos aplaudir e reverenciar.

Independente dos resultados dos jogos, que aliás é o que menos importa a essa altura, principalmente no Paulistinha, a equipe do Parque São Jorge tem mostrado que possui duas coisas muito importante no futebol atual: Padrão de Jogo e Elenco.

Mesmo mesclando várias vezes os jogadores titulares com os reservas, o Corinthians tem mantido uma forma de atuar, que gostemos ou não (eu, particularmente, prefiro um time mais agressivo) tem dado certo. Foi com o futebol “burocrático”, de toque de bola e muito 1 x 0 que o time chegou ao título brasileiro do ano passado, e tem mantido isso neste ano.

Pode-se argumentar que é um jogo feio, mas mantendo a posse de bola e marcando à frente do meio de campo, como fez ontem contra o Nacional do Paraguai, o Corinthians corre muito pouco risco, e sua defesa nem é verdadeiramente testada. Quando se fala da defesa pouco vazada, deve-se lembrar que estamos falando de um sistema, e não somente de dois zagueiros que fazem o trabalho sozinhos.

Além disso, é de se admirar o conhecimento sobre o elenco e a excelente utilização que vem sendo feita pelo técnico Tite. Priorizando a condição física dos seus atletas (vale lembrar que no ridículo futebol brasileiro pré-temporada é luxo), ele vem fazendo um rodízio e dando oportunidade a todos, e ninguém está jogando somente com o nome, têm ficado no time titular os melhores jogadores. Tudo isso sem que haja crise de ciúmes, chilique em público ou reclamações sobre a insatisfação de não jogar.

Sou um crítico contumaz dele, mas neste momento, palmas para o Tite.