Escolha uma Página

A metamorfose ambulante

Ver o Palmeiras jogar tem sido algo realmente complicado para a torcida… Quando parece que o time vai, ele empaca… Depois daquelas duas semanas perfeitas, onde o time garantiu com antecipação a classificação no Paulista e Libertadores, o time vacilou, perdeu para o Ituano e Sporting e complicou e muito sua situação nas competições… tanto que pagou o preço no Paulista, pois foi eliminado pelo Santos.

Apesar de não ter jogado mal contra o time da vila, o Palmeiras poderia ter enfrentado algum time de menor expressão e até evitado cair tão cedo na competição. É o preço que se paga quando se relaxa na hora errada.

Terça será o real teste do primeiro semestre: o jogo contra o Tijuana, no México, outro jogo que poderia ser evitado, pois se tivesse vencido o já eliminado sporting, estaria do outro lado da chave, onde pegaria o Emelec e na próxima fase enfrentaria ou Tigre ou Olímpia, porém desse lado pega o complicado time mexicano e na fase seguinte pode enfrentar ou Atlético MG ou São Paulo.

A equipe alviverde continua a oscilar demais, relaxou quando conseguiu as classificações e acabou complicando sua vida em ambas competições, reagiu de certa forma no Paulista, fez um bom jogo contra o Santos e a eliminação nos pênaltis não pode ser considerada uma falha pelo time ter jogado mal, foi um jogo bastante equilibrado.

O melhor do jogo foi a moral com a qual o goleiro Bruno irá para os jogos da Libertadores. Desacreditado após o jogo contra o Ituano, fez uma partida praticamente impecável contra o time santista e chega muito mais confiante para esses jogos

Acredito que o time consiga passar pelo Tijuana com certa dificuldade e chegando nas quartas com um clássico nacional, tem até chance de chegar as semifinais(pois considero o jogo doméstico sem favoritos por conta de rivalidade, mesmo que o rival seja o Galo), depois acho que talvez seja o limite da equipe alviverde, acho improvável que caso chegue as semis, passe, porém dependerá muito principalmente do time que estará jogando(leia-se contar com o “incontável” Valdívia) e até com o desempenho do Kleber, agora que desencantou, podem ser fatores que deem uma chance de vida mais longa na competição, porém como tudo esse ano no Palmeiras, é extremamente incerto, então o jeito é o torcedor aguardar…

Um time difícil de explicar…

Inexplicável talvez seja a melhor definição para o desastre alviverde do meio da semana. Infelizmente não é algo que tem sido tão raro, pois alguns outros vexames recentes já ocorreram.

Vendo resultados como esse fico pensando: como um time tradicional, com peso de camisa, consegue chegar a um nível tão lamentável em alguns jogos? é até compreensível perder para um time pequeno, soma-se um mau dia do time e um dia extraordinário do outro, é até relativamente normal se ver por aí, porém não da forma que ocorreu…

Foram 6 gols apenas no primeiro tempo! Até grandes clássicos com goleadas históricas, recentemente não lembro de nenhum com um time tomando tantos gols em apenas um tempo, apenas quando o time grande da história fez, não o contrário.

A principal culpa disso tudo é tanto da direção antiga como da nova. Da antiga já foi comentado tantas vezes que é até desnecessário explicar mais, mas da nova a falha grave foi: não conversar com o Assunção e pedir para que ele esperasse a eleição para tentarem uma renegociação e a outra a do Barcos, que esse negócio ridículo não tem quem me convença que foi bom, simplesmente porque não foi!!

O time não tem mais referências, não tem jogadores que “segurem a bronca”, é só olhar o time que levou a goleada, onde o mais experiente era o Prass, que tem pouco mais de 3 meses de clube e é o goleiro e não é do tipo líder, que em um momento de nervosismo, poderia dar um esporro nos jogadores e botar a cabeça deles no lugar para que não se afobassem. O Henrique que é o que vinha fazendo isso, está machucado. E agora sem ele? As partidas decisivas da Libertadores provavelmente sejam sem ele em campo. Será torcer para o time sair na frente, pois se houver um revés, é quase certo que tudo desanda, pois o time não tem equilíbrio emocional, muito menos quem o possa trazer.

O jogo contra a Linense, pós-desastre foi o que se esperava: um jogo feio com um time desequilibrado e quase com mais medo de perder de novo, que outra coisa. O time foi misto(poupar pra que agora? enfim…) e ganhou no susto com um gol no final.

Vai para o jogo contra o Tigre com ao menos uma vitória, porém é difícil dizer o que dá para esperar do time, pois além de tudo, o melhor jogador ofensivo do time(Leandro) não pode jogar a Libertadores… mais uma daquele “excepcional” negócio do Barcos, que por sinal está indo muito bem na libertadores, pois o Palmeiras fez tudo para que ele pudesse ser inscrito pelo time gaúcho, parabéns…

Volto a dizer que espero realmente que o Brunoro não tenha mentido e que trará REFORÇOS, no sentido real da palavra para a série B, segunda fase da Libertadores e Copa do Brasil, porque sinceramente com isso aí que o Palmeiras tem, vai sofrer até pra jogar a série B, pois o time não é bom, não é equilibrado nem técnica, nem psicologicamente.

Precisa de jogadores com condição de trazer calma ao time em momentos difíceis, capazes de decidir um jogo enrolado, jogadores acima da média do que se tem no clube no momento.

A diretoria quer ajeitar o marketing do clube, mas com esse time, não há torcedor que aguente ou que se anime a gastar… a série B muito provavelmente terá público apoiando o time, mas para isso precisará também de retorno em campo.

O que esperar?

O que esperar?

Pós-libertadores, o Palmeiras teve a chance de se redimir dos vexames no exterior, porém após essa última sequência de jogos, fica-se meio incerta a evolução ou não do time.

Dois empates(contra São Caetano e São Paulo) e um vitória no sufoco(contra o Paulista) mostraram dois times: o do jogo contra o São Paulo, que tal como no clássico contra o Corinthians, jogou de igual pra igual, teve chances de vencer, mas acabou ficando no empate. O Valdívia por sinal havia feito uma excelente partida, sendo o principal destaque do time.

O outro Palmeiras é aquele dos jogos contra Paulista e São Caetano, um time inseguro, que se afoba para tentar definir, que s abala quando toma gol e que não tem nenhuma “válvula de escape”, ou seja um jogador que para e acalma os outros.

Valdívia, apenas para variar está machucado e novamente o time fica sem referência. O Barcos que deveria ser essa peça, já se foi e sinceramente ainda fico me perguntando aonde que essa porcaria foi um bom negócio…

Devo admitir sim, que Vilson e Leandro devem logo ser titulares, porém e ao fim do ano? o time perde eles e nada? Negócio que passa os limites do ridículo… Que pegassem um empréstimo, que renegociassem, mas não liberar dessa forma, ainda mais sem um substituto à altura. Porque por mais que o Kleber seja até um bom jogador, é pressão demais para alguém tão novo(ele só tem 22 anos). Até no último jogo ele já mostrou mais participação e empenho, porém a torcida não tá dando folga pra ele, o que complica ainda mais a adaptação e evolução dele no time.

Vendo a situação atual é muito difícil dizer o que esperar nos próximos jogos, em especial os 3 próximos da Libertadores… o time corre um risco real até de ser eliminado na primeira fase(o que inegavelmente seria patético), vai depender demais do time jogar todos próximos jogos 110% do que pode, terão de fazer tudo e mais um pouco, em especial no jogo contra o Sporting Cristal no Peru.

O time em si é todo falho e para piorar as laterais são desesperadoras… Se por um lado Ayrton e Juninho são duas avenidas, por outro Weldinho e Marcelo Oliveira fugiram dos treinos de cruzamento. Eles até marcam de forma razoável, mas o apoio de ambos tem sido legitimamente o “a natureza marca” e com a ausência de um meia de ofício, o time fica sem o desafogo das jogadas laterais.

Tem sido difícil dar uma real perspectiva de otimismo para esse time… vejo que tudo dependerá do time se classificar na libertadores e virem os ditos 3 reforços “de peso” prometidos pelo Brunoro, porque do contrário será um verdadeiro calvário a série B, pois esse time nem de longe é melhor que os que disputarão a competição.

 

 

 

 

 

 

Vitória e estréia com gol

Vitória e estréia com gol

Alcançando seu sétimo jogo de invencibilidade, o Palmeiras venceu o Barbarense por 1 a 0 e segue a boa fase.

O time continua a apresentar alguns defeitos já esperados, como o problema criativo e a falta de pontaria(fruto da falta de reforço em ambas áreas), porém vem mostrando mais consistência defensiva, tanto que durante todo o jogo, o time pouco foi ameaçado. O Vilson entrou muito bem como primeiro volante e vem dando mais segurança para a zaga, tanto que até o Maurício Ramos subiu de produção com esse meio mais forte(Vilson, Souza, Márcio Araújo e Wesley), o único problema é que esse meio não é tão criativo, haja visto que não tem nenhum meia, porém para o momento parece ser o mais confiável.

Os laterais Weldinho e Marcelo Oliveira também trouxeram mais consistência defensiva ao time, apesar de não serem também primores técnicos(acho ambos apenas razoáveis), entraram consideravelmente melhor que seus antecessores Ayrton e Juninho, que deixavam avenidas na defesa.

O ataque com Vinícius e Patrik Vieira vem se mostrando eficiente no que se propõe: dar muita velocidade ao ataque, entretanto infelizmente ambos ainda não tem tanta eficiência nas finalizações, o que acaba resultando no desperdício de diversas chances, porém pelo fato de ambos serem muito novos, talvez um treino mais específico de finalização possa se não corrigir pelo menos atenuar esse defeito. Porém é de se reconhecer que ambos subiram de produção nos últimos jogos.

O jogo marcou o retorno do Valdívia, que entrou bem na partida, apesar de ainda estar claramente fora de ritmo. Não é um jogador que ainda se possa confiar, pois não sabemos se dessa vez ele conseguirá emplacar uma sequência de jogos(o que vem sendo raríssimo nos últimos tempos)

Estava reservado para esse domingo a mais grata surpresa do dia: a ótima estréia do atacante Leandro, que palmeirense assumido marcou o gol da vitória e fez boa partida. Pelo nível demonstrado durante a partida, parece ser apenas questão de tempo para que ele assuma o posto de titular da equipe. Outro vindo da troca do Barcos(que continuo achando ruim pelo fato de todos jogadores terem vindo por empréstimo) que parece será muito útil ao time.

O time agora pega o Libertad fora de casa e jogará como gosta: firme no setor defensivo e apostando em rápidos contra-ataques. Se demonstrar a mesma força, raça e entrega dos últimos jogos, não será surpresa se trouxerem um bom resultado do Paraguai.

Confiança era algo que o time havia perdido nos últimos tempos, porém as boas apresentações parecem estar trazendo-a de volta. A cada jogo a tendência é que o time torne-se mais difícil de bater, principalmente se a defesa mantiver o ritmo e os jogadores de frente encaixarem bem no time(casos de Kleber, Valdívia, Leandro e até mesmo o Rondinelly). Não será um time genial, entretanto um time que joga cada jogo como uma decisão, buscando trazer de volta o respeito e a grandeza que essa camisa merece.

Uma semana de redenção

Uma semana de redenção

A semana começou com uma grande apreensão da torcida: estréia na libertadores e clássico contra o Corinthians. O time sendo desmontado e começando a ser remontado, desentrosado e com carência em diversas posições… o cenário nem de longe era animador, porém ao final da semana, o torcedor termina muito mais esperançoso com pelo menos uma campanha mais digna do time. Uma vitória 2 a 1 em casa na libertadores e um empate no clássico com chances reais de sair com a vitória foram resultados bem acima das expectativas dos torcedores.

Há que se exaltar a dedicação, entrega e muita raça do time em ambos os jogos, coisa que por exemplo não se via no ano passado(méritos para o Kleina). O time joga de forma solidária, acredito por saber das suas limitações(e o elenco tem diversas, diga-se), então eles buscam compensar uma eventual falta de qualidade técnica com disputar cada jogada como se fosse a decisiva do jogo.

Os dois jogos dessa semana mostraram isso. O time marca em cima desde a saída de bola do adversário, tem um meio de campo forte(apesar de pouco técnico), que impede o adversário de criar livremente jogadas. Foi notável nos jogos os problemas dos setores criativos do Sporting(que foi presa muito mais fácil por ser muito limitado tecnicamente) e do Corinthians, que mesmo tendo um time mais técnico, teve muitos problemas em sair com a bola e para criar jogadas, muitas vezes se viam apenas os zagueiros e o Ralf para iniciar as jogadas.

Acredito que o ponto mais louvável desse time, seja o ataque rápido, que foi principalmente notado no clássico. A boa saída de bola do Souza e do Wesley, diversas vezes pegaram em velocidade os atacantes Patrick Vieira(esse me parece ter muito potencial) e Vinícius, e os dois caindo pelas pontas, preparavam lances para chegada de trás dos volantes(tanto que o primeiro gol foi em um lance desse, onde o Wesley recebendo um passe de contra-ataque, pegou a bola na lateral e cruzou para a chegada surpresa do Vilson).

O Kleina com isso mostrou que pode conseguir compensar os defeitos do time com adaptação do esquema e principalmente rigidez tática: o time tem de jogar no limite e de forma obediente, principalmente na marcação, para suprir uma falta de maior técnica. Apesar de tudo, o Kleina tem se mostrado falho ao mexer no time. No clássico ele mexeu mal duas vezes: ao tirar o Patrick e colocar o Charles e ao Tirar o Vinícius e colocar o Ronny. Ele deixou o time sem ataque, e fatalmente como presa fácil, já que não agredia, apenas tentava conter a pressão, tanto que acabou tomando o gol justamente nesse momento do jogo. O Kleina apenas precisa ter menos medo de agredir o adversário na vantagem e não se fechar quando se está na frente. Creio que esse seja o único defeito que ele ainda precisa corrigir.

Acredito que principalmente na Libertadores, o time jogando assim como foi nessa semana, deve passar sem muito susto pela primeira fase, pois mostrou que pode engrossar muito o jogo como visitante com essa marcação pressão, elemento fundamental para jogar contra os sul-americanos. O problema é que ao chegar na fase eliminatória, o time já deverá ter contratado 3 REFORÇOS(letra maiúscula mesmo) para encarar a fase, pois com o time que foi inscrito, passar a primeira fase é possível, mas ser campeão, extremamente improvável, pois há a necessidade de um fator de desequilíbrio e isso até o momento o Palmeiras não tem.

Hora de decisão

Hora de decisão

Terminou a fase de classificação do Paulista, e agora com as oitavas de fina da Copa do Brasil, podemos dizer que o Palmeiras entrou naquele momento onde erros não serão mais perdoados.

O jogo de domingo contra o rebaixado Comercial, foi uma verdadeira aberração… o time estava completamente perdido em campo, errava passes fáceis, falhava na marcação, tanto que tomou um gol de contra-ataque por total desatenção do time. Custou a empatar, mesmo estando com 2 a mais, ainda tomou um gol e empatou no susto no final. Independente do time ter tido um gol muito mal anulado no final, que daria a vitória, a atuação pífia é de se chamar a atenção.

Díficil dizer o que acontece, pois parece que além de ter de ouvir as bobagens que saem na imprensa, visando justamente jogar outra crise no clube, as vezes parece que os jogadores de fato acreditam naquele monte de baboseiras que falam, pois o que se viu nesses jogos foi justamente o time sem confiança e com medo de perder e de falhar.

Se já houveram times/elencos que falharam, o time tem de saber diferenciar o que é aprender com os erros, de achar que porque aconteceu com um, que acontecerá com eles também.

O time terá a primeira prova domingo contra o Guarani, em uma “revanche” daquele primeiro jogo, onde foi derrotado por 3 a 1. Uma vitória já serviria para recupera a moral do time, que na quarta seguinte, encara o Paraná pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

Apesar dos jogos horríveis e derrotas inexplicáveis, o time ainda perdeu quando poderia perder, e agora eles terão a chance de escolherem: se vão jogar com garra para ter um ano bom, ou jogar como vem jogando e aí sim dar razão a possíveis temores com mais um ano pífio. Depende apenas dos jogadores mudar esse cenário e domingo pode ser o divisor entre um ano promissor e mais um ano na fila.