Arquivo da categoria: Clubes Pequenos

O Brasileirão 2014 parece que acordou!

Hoje dia 27 de agosto, acabamos de completar 40 dias de retorno do campeonato brasileiro pós Copa do Mundo.  E como bem sabemos, é de consenso de todos torcedores de futebol que o sentimento de saudades da bola jogada no torneio de seleções é absurda. Seja pelos esquemas táticos, pela disposição dos jogadores, pelos craques em campo e principalmente pelo nível técnico do futebol apresentado. Mas se por algum momento a gente tinha certeza (com motivos) que esse segundo semestre seria deprimente e duro de assistir os jogos, nessas últimas duas semanas podemos dizer que tivemos algum alento de um pingo de esperança de que esse 2º turno que começará em breve poderá nos reservar grandes emoções.

Continue lendo O Brasileirão 2014 parece que acordou!

O Futebol e a televisão

Antes de mais nada, alguns avisos:

– Este texto irá desagradar a um grande número de pessoas.

– Estou escrevendo como PUBLICITÁRIO  e profissional de MARKETING, e não como torcedor do Corinthians.

– O fato de eu entender um fenômeno de comunicação não significa que eu concorde com ele ou que agiria igual se no comando estivesse.

Posto isso, vamos lá. Em várias conversas com os demais integrantes do Em Cima da Linha, muitos (em especial o Luiz) contestam o número de jogos do Corinthians que são transmitidos pela Rede Globo, além do baixo número de jogos comparados a outros esportes e outras mídias. Vamos entender o que significam Corinthians e Flamengo para a Rede Globo? Continue lendo O Futebol e a televisão

Quem realmente quer a melhora do futebol brasileiro?

Queridos amigos leitores, sabe quando um filme é tão previsível que a gente chega a pensar que é impossível que o final seja tão lógico e ainda assim para nosso espanto no final ele realmente não surpreende nada e cumpre exatamente aquilo que já esperávamos?

Esse é o retrato exato desse quase 1 mês de retorno do futebol brasileiro a copa do mundo.

Tudo de mal que imaginávamos vem acontecendo rodada após rodada. O futebol fraco, a falta de técnica, a falta de novidades táticas, o fraco desempenho ofensivo, uma absurda apatia de técnicos e jogadores e não faltariam adjetivos negativos para descrever esse campeonato brasileiro.

Em consequência disso, não a toa, temos tido péssimos jogos, uma falta de interesse popular absurda pelo campeonato, péssimos públicos e uma queda vertiginosa na audiência da TV. Ou seja, o nocaute que sofremos da Alemanha na copa do mundo transbordou o âmbito seleção brasileira e continuou em nossos campos locais. A decisão atual é unanime: O Futebol Brasileiro foi a Knockout.

O desgaste do produto futebol é tanto que a TV Globo, manda chuva do nosso esporte preferido, foi obrigada a marcar uma reunião urgente com os clubes para uma ação de choque que remende as feridas em nosso campeonatos. Não somos tolos a ponto de não sabermos que a emissora dos Marinhos é uma das principais responsáveis pelo sucateamento do nosso futebol. É ela que determina dias e horários, absurdos, de nosso futebol, é ela que monopolizou a cobertura com transmissões de jogos apenas do eixo RJ-SP, é ela que praticamente centralizou em Corinthians e Flamengo a sua grade esportiva, ela que causou boa parte do desequilíbrio financeiro entre os clubes e por aí vai.

Porém, como é mais sabido do que nunca,  os clubes precisam até as cuecas da TV, mais precisamente da Globo. Os clubes hoje recebem % muito maior da TV do que de bilheterias, do que patrocínios ou mesmo até do que algumas vendas de jogadores. Boa parte dos clubes inclusive já receberam adiantadas as cotas de próximos anos, e muitos deles já até usaram de forma totalmente obscuras essa verba.

Se você leitor parar o texto nesse ponto e refletir chegará a conclusão de que: os campeonatos são ruins, os times tem elencos fracos, os clubes estão sem dinheiro, a TV está sem audiência, os estádios vazios, e nosso futebol chegou a beira do abismo.

Nosso país sempre foi campeão em dar um jeitinho nos problemas, principalmente dentro das 4 linhas. Mas a falência dessa vez é tão forte, que nem mesmo nas peças de chuteiras dentro de campo nós podemos ter um alento. Não temos mais de onde extrair ouro, a mina secou. Não adianta mais esperarmos uma resolução imediata, sensacional, surpreendente ou inovadora. A salvação é simplesmente recomeçar do zero.

Vocês seguidores do em cima da linha devem ter reparado que a quantidade de textos do site deu uma diminuída. Nós pedimos desculpa, sabemos que muita gente quer nos ler, ainda mais nesse momento, mas está bem difícil ter ânimo, pique, disposição e inspiração para falar de futebol nesse país. Muitas vezes falamos mais das contratações dos clubes europeus do que dos próprios resultados do nosso fim de semana de jogos.

É trágico isso!!

Ainda não sabemos o que virá da reunião da Globo com os dirigentes, sabemos como é público há anos, que o interesse da emissora global é o retorno do mata-mata. Eu que sempre fui defensor desse modelo ida e volta mais justo começo a repensar sobre isso visto que o playoff com eliminações talvez estanque por um pouco de tempo a dor de vermos esse futebol medonho que temos jogado.

Agora, para não falarmos que só temos visto desesperança em nosso universo futebolístico, estou cada dia mais feliz com o papel e desempenho do bom senso. Hoje mesmo eles retaliaram o nojento calendário proposto pela CBF para 2015. E não só foram contra como deram justificativas, e muitas, para comprovar porque esse calendário é patético.

Poderia escrever aqui mais algumas horas sobre esse poço de lama do nosso futebol, mas nesse momento o que podemos fazer é cobrar dos nossos jogadores, dos nossos clubes e dirigentes, para que eles acordem e comecem a subir a cobrança de acordo com a pirâmide de poder do nosso futebol.

É isso, ou isso. Não tem mais como empurrar com a barriga. Ou então clubes como Botafogo irão falir de vez e não será o único, virão outros tantos na rabeira.

 

O Abismo entre os clubes na 1ª divisão do Brasileirão

O futebol brasileiro, dentre os principais países do mundo, talvez tenha sido o que mais demorou para aderir definitivamente ao profissionalismo e ao poder do dinheiro.

Até a década de 80 a Televisão ainda tinha muito pouco poder sobre os clubes e os campeonatos, os valores de patrocínios eram quase irrisórios, e praticamente não haviam diferenças estruturais entre os clubes da primeira divisão. Bem por isso se justifica a grande variação de campões que tivemos na extinta Copa Roberto Gomes Pedrosa e também nos 15 primeiros anos do atual formato de campeonato Brasileiro.

De 71 a 85 por exemplo, no campeonato brasileiro tínhamos:

– Internacional e Flamengo com 3 títulos
– Palmeiras com 2 títulos
– Atlético Mineiro, Fluminense, Grêmio, Vasco, Coritiba, Guarani e São Paulo com 1.

Ao todo 10 times campeões.

De lá para cá foram 28 campeonatos brasileiros e:

– 5 títulos do São Paulo e Corinthians
– 3 de Flamengo (sim 87 ele foi o campeão brasileiro) e Vasco
– 2 de Palmeiras, Santos, Cruzeiro e Fluminense
– 1 de Atlético Paranaense, Bahia, Grêmio e Botafogo.

Ou seja, em 15 anos tivemos 10 times campeões e nos 28 anos seguintes apenas 12 times diferentes campeões. Se compararmos com os torneios internacionais é um número excelente, mas se considerarmos no âmbito brasileiro encontraremos gradualmente um sinal de início de monopólio.

Dos 12 times do eixo RJ, SP, MG e RS, Atlético Mineiro não vence brasileirão há 41 anos, Internacional há 35 anos,  Palmeiras 20 anos, Botafogo 19, Grêmio 18, Vasco 14 e Santos 10.

O estado do Rio Grande do Sul nos últimos 30 anos venceu apenas um campeonato brasileiro, Bahia também 1, Minas Gerais apenas 2, Paraná 2, Rio de Janeiro 9 e São Paulo 14. O estado Paulista venceu quase metade dos campeonatos brasileiros desse período.

Isso é sinal claro que a diferença econômica e de infraestrutura dos estados chegou definitivamente no futebol desde então. Hoje por exemplo se colocarmos no papel o poder aquisitivo de clubes como Corinthians e Botafogo, é impossível afirmar que ambos entram com chances iguais em seus campeonatos. É impossível até afirmar que hoje ambos são grandes.

Não analisamos história e sim condições profissionais de competição. No último final de semana os jogadores do Botafogo entraram em campo com uma faixa citando todas as dívidas que o clube tem com seus funcionários atualmente. (Sim jogadores de futebol são funcionários CLT como todos nós).

É absurdo pensar que em um país que Flamengo e Corinthians recebem cotas de TV e patrocínio de camisa a altura de grandes clubes do mundo, nós tenhamos um clube de primeira divisão, da cidade que irá receber as próximas olimpíadas e acabou de sediar a final do copa do mundo, devendo 3 meses de salário para seus jogadores. Isso porque estamos falando do clube que junto com SPFC mais cedeu jogadores para seleção brasileira em copas do mundo.
Imagina se analisarmos os clubes do interior do estado ou mesmo dos demais estados do país.

Aliás, hoje na primeira divisão do futebol brasileiro temos apenas 4 clubes fora das regiões Sul e Sudeste do país. Esse é um exemplo claro do ABISMO que existe no futebol brasileiro e que já chegou com toda força até a primeira divisão do país. Quando nós do Em cima Da Linha cobramos que não seja apenas o técnico da seleção alterado, mas sim toda a estrutura, todos dirigentes que comandam a CBF, é por isso.

O futebol brasileiro passa por um processo de desmoronamento em suas estruturas. Se não tivemos clubes pequeno revelando jogador, não vamos ter seleções brasileiras com novos craques. Apenas as escolinhas dos clubes grandes não são suficientes para apresentarem novos ronaldos, romários, etc.

É por isso que cada dia mais aumentamos o limite de jogadores estrangeiros em nosso país. Pois no final das contas, sai muito mais barato contratarmos jogadores medianos nos países vizinhos do que investir na escola de base. E mesmo que tenhamos uma ótima estrutura, como a do São Paulo em Cotia, se não tivermos mãos de obra qualificada, se não tivermos jogadores sendo revelados fora do eixo, não teremos novas perspectivas.

Ou fortalecemos nosso futebol, ou não voltaremos tão cedo a vencer copa do mundo.

Samoa Americana enfim vence a primeira

Acompanho a seleção de Samoa Americana desde 2001, não por seu bom futebol ou grandes resultados, mas por ter levado a goleada de 31-0 da Austrália nas eliminatórias para a copa de 2002 (Austrália que na época não tinha nem sombra do respeito e fama que tem hoje) num jogo que contou até com uma confusão com o placar, que perdeu a conta dos gols. Após o fim da primeira fase Samoa Americana foi a última colocada do seu grupo com 4 derrotas, 0 gols marcados e 57 gols sofridos.

Melhores momentos de Samoa Americana e Austrália –  detalhe para os 2 belos uniformes e o “ótimo” nível da seleção samoana

Após 3 anos, nas eliminatórias de 2006 houve uma evolução, a seleção manteve as 4 derrotas, porém marcou um gol e sofreu 34, melhorando seu saldo em 24 gols em relação à 2002. Já nas eliminatória de 2010, Samoa Americana novamente teve as 4 derrotas e um gol marcado, entretanto sofreu 4 gols a mais do que na eliminatórias anterior. Com essas incríveis perfomances,  20 gols marcados e 265 gols sofridos em jogos oficiais, por vários anos Samoa americana detem o 204º e ultimo lugar no ranking da fifa, acompanhada de seleções como a vizinha Samoa, Andorra, San Marino e Montserrat.

Para a alegria de Pago Pago (capital de Samoa Americana) o dia 23 de Novembro iria mudar a história. Com o início das eliminatórias da Oceania, os Samoanos americanos iriam enfrentar Tonga, seleção que havia os vencido em 2007 por 4-0 e em 2002 por 5-0, e tudo levava a crer que haveria mais uma derrota, porém Ramin Ott e Shalom Luani, que fez um golaço, a seleção de Samoa Americana abriu 2-0, Neo Feao fez o gol de honra de Tonga e o jogo terminou 2-1. Com esse resultado a seleção samoana americana lidera o grupo junto com Samoa, país onde está acontecendo a primeira fase das eliminatórias.

Melhores momentos de Samoa Americana e Tonga – detalhe para o estádio e o segundo gol

Algumas curiosidades sobre o time de Samoa Americana

– o zagueiro do time,  Johnny Saleua, é transexual

– o técnico, o holandês Thomas Rongen, também é treinador da seleção sub-20 dos EUA (Samoa Americana é um território dos EUA)

– Rammin Ott, autor do primeiro gol do jogo, também foi o primeiro jogador a marcar pela seleção

– A produtora Agile Films está acompanhando a seleção para a criação do documentário Next Goal Wins e eles possuem o tumblr http://nextgoalwinsmovie.tumblr.com/ que mostram detalhes sobre a preparação e campanha nas eliminatórias.

 

Seleção de Samoa Americana

 

Novo Uniforme da Seleção do Tibete

A seleção do Tibete, apresentou seu novo uniforme com a presença do lider político da região Dalai Lama. O uniforme, que é desenvolvido pela Copa, marca holandesa que nos últimos anos se especializou em réplicas de camisas históricas do futebol mundial, desenhou a camisa utilizando a estilização  dos raios solares presentes na bandeira da região, elemento que a tornou a camisa similar com o uniforme do clube sul africano Kaizer Chiefs, que é produzida pela Nike.

Novo Uniforme do Tibete
Atual uniforme titular do Kaiser Chiefs

 

A primeira camisa do Tibete que conheci foi a utilizada em meados dos anos 2000, feita pela dinamarquesa Hummel (que não tem nenhuma ligação com a brasileira Rhummell), que ia numa direção totalmente contrária da atual, tendo um design mais clássico e usando mais o amarelo, cor que no modelo atual não aparece.

 

Assim como as seleções da Catalunha, Groelandia e País Basco, o Tibete não está filiado a Fifa nem em federações regionais e apenas disputa jogos e torneios amistosos. Para mais informações sobre a federação visite o site : http://www.tibetansports.org/About_TNFA.htm

Palpites da equipe

No primeiro programa do Em Cima da linha, ocorrido na primeira rodada do Campeonato Brasileiro, dia 22/05, os presentes colocaram seus palpites sobre quem seria o campeão, os classificados pra Libertadores e os Rebaixados. Guardem os palpites, coloquem os seus nos comentários, e o principal, cornetem!

Bernardo Marchesini

4 primeiros: Santos, Cruzeiro, São Paulo, Atlético-MG

4 últimos: Bahia, Améri, Atlético-GO, Atlético-PR

Carlos Teixeira

4 primeiros: Fluminense, Cruzeiro, Santos, São Paulo

4 últimos: América, Bahia, Figueirense, Atlético-Go

Fernando Rossini

4 primeiros: Grêmio, Inter, Atlético-MG, Santos

4 últimos: Botafogo, América, Ceará, Bahia

Luciano Sant’Anna

4 primeiros: Santos, Grêmio, Inter, São Paulo

4 últimos: Atlético-PR, Atlético-GO, Bahia, Ceará

Luiz Fernando

4 primeiros: Santos, Inter, Cruzeiro, Coritiba

4 últimos: Botafogo, Figueirense, América, Bahia.

Tatiana Ferreira

4 primeiros: Inter, Grêmio, Santos, Flamengo

4 últimos: Atlético-GO, Bahia, Botafogo, Ceará

O sonho continua…

 

Infelizmente não foi desta vez que a seleção “vinotinto” conseguiu disputar a final de uma competição oficial. Os venezuelanos estão fora da final da Copa América.

Em um jogo em que as melhores chances foram criadas pela Venezuela, o Paraguai se classifica nos penaltis e pode ser campeão sem uma vitória sequer.

A Venezuela dominou todo o jogo enquanto a seleção paraguaia se acovardava jogando recuada e a espera de um contra-ataque que não aconteceu. Qualquer espectador  desavisado acreditaria que a seleção mais tradicional era a “vinotinto” já que os paraguaios limitavam-se a se defender.

Foram várias chances, com três chutes acertando a trave do goleiro paraguaio – dois destes chutes ocorreram já no tempo extra, e um gol anulado corretamente (embora tenha sido um lance em que normalmente os árbitros assistentes não percebem).

O Paraguai teve um atleta expulso, Jhonatan Santana após falta cometida em Rondon – embora o árbitro deveria ter expulsado também o paraguaio Dario Veron que agrediu Miku Fedor. Após a expulsão de Santana a Venezuela impôs seu melhor futebol porém não conseguiu transformar a superioridade em gol. O jogo se arrastou para os penaltis e brilhou a estrela de Justo Villar – goleiro paraguaio.

A nota triste por parte da seleção venezuelana, ficou por parte da briga generalizada depois do jogo.

A Venezuela, invicta até aqui, enfrenta no sábado a seleção peruana na disputa do 3º lugar da competição, e mesmo com derrota já garantiu sua melhor colocação na história da Copa América – a frente de potências do futebol mundial como Argentina e Brasil.

O sonho acabou? Não, logo após a disputa do 3º lugar a “vinotinto” focará suas atenções para conquista da inédita classificação a uma Copa do Mundo, já que a excelente campanha na Copa América faz com que todos acreditem que o sonho de disputar uma Copa do Mundo é um sonho possível.

O sonho continua…

 

Sonhar não custa nada

A Venezuela acaba de se classificar para a semifinal da Copa América 2011. Depois de mais um jogo emocionante, desta fez contra o Chile a Venezuela em uma só competição iguala o número de vitórias conquistadas em todas as suas participações na Copa América e JÁ alcançou a MAIOR colocação do futebol venezuelano em todos os tempos.

A “vinotinto” dominou o primeiro tempo, envolvendo o Chile com seu toque de bola e sua objetividade (a Venezuela joga com a bola sem tocar de lado, verticalmente em busca do gol) e fez 1X0 quando já merecia estar vencendo.

No segundo tempo, a equipe estranhamente recuou em demasia, não conseguia encaixar nenhum contra-ataque e sofreu uma enorme pressão do Chile – foram 2 bolas na trave e diversas defesas do goleiro Vega – até sofrer o empate.

Com o jogo empatado a Venezuela voltou a jogar ofensivamente, e jogo ficou aberto com chances de ambas equipes, e em uma falha do goleiro chileno conseguiu o gol da histórica classficação.

Agora os venezuelanos enfrentam o Paraguai, que desclassificou o Brasil nos penaltis, e podem chegar à final já que na fase de classificação jogaram MUITO melhor que os paraguaios.

A Venezuela ser campeã é algo impossível? Não sei, até pouquíssimo tempo todos acreditavam que uma seleção brasileira perder 4 penaltis no mesmo jogo era impossível e aconteceu.

Da-lhe Venezuela! Em busca do título, porque sonhar não custa nada!

Não há mais bobos no futebol ou os bobos não são mais os mesmos?

A seleção venezuelana de futebol tem sido a maior surpresa nesta Copa América, principalmente depois do empate heroico com Paraguai no último jogo.

Neste jogo os “vinotintos” foram superiores  à seleção paraguaia durante todo o jogo. Já no começo do jogo a Venezuela fez um gol (um golaço na verdade) e dominou todo o jogo até que o Paraguai achasse o empate em um lance fortuito.

Depois do gol, a seleção venezuelana teve uma pane (o que acontece até em seleções mais tradicionais) e com isto sofreu a virada do Paraguai, que depois ainda ampliou para 3X1.

Mesmo com a classificação assegurada, os venezuelanos não se deram por satisfeitos e buscaram incessantemente o gol, encurralando o Paraguai em seu campo de defesa até conseguir o empate (2 gols nos 4 minutos finais – contando acréscimos) de forma cinematográfica com a assistência do goleiro Vega.

Com este resultado, a Venezuela, que ficou em segundo lugar do grupo pelo saldo de gols, enfrenta o Chile (talvez o melhor adversário possível por causa da tradição) e pode jogar de igual para igual e passar para a inédita semi-final.

Ainda que a seleção não consiga a classificação, há uma perspectiva positiva com relação às eliminatórias para Copa 2014 que pode dar a inédita classificação a uma Copa do Mundo.

A Copa América nos deixa uma dúvida: Não há mais bobos no futebol ou os bobos não são os mesmos?