Arquivo da categoria: Outros Clubes da Europa

Um Niño nesse planeta bola. O paradoxo de Fernando e Craig.

 

 

 

Sejam muito bem vindos amigos leitores do Em cima da linha, eu sou o Reginaldo Cezar e, a convite do Fernando e do meu amigo Fábio, inicio minha primeira postagem no site.

 

Fernando Jose Torres Sanz, o “El Niño” é um consagrado jogador espanhol que atualmente joga (ou pelo menos é escalado) no Chelsea da Inglaterra. Campeão do Mundo com a Fúria em 2010 despontou profissionalmente pelo Atlético de Madri, aonde permaneceu entre 2001 a 2007 antes de se transferir para o Liverpool na temporada 2007/08. Craig Douglas Bellamy, em contra partida a Torres, é um menos badalado, apesar de ser famoso por ter um comportamento mais enérgico, jogador Gales que iniciou a carreira aos 9 anos no modesto Bristol Rovers e profissionalmente no Norwich City.

 

Apresentações feitas, vamos ao ponto de convergência, o paradoxo entre um jogador campeão do mundial por uma das seleções mais poderosas e o outro titular do nem tão expressivo selecionado do País de Gales: o fato de ambos terem passado pelo Liverpool FC e a atual temporada. Para melhor explicar vamos aos não mentirosos números de ambos por competições com a camisa do clube:

 

Fernando Torres chegou ao Liverpool pela “módica” quantia de £ 20.000.000,00 e marcou 65 gols. Põe, tira, deixa ficar: £ 246.913,58 por gol marcado. E haja gol! 81 gols em 142 jogos, média de 0,57 gols, sendo 33 destes somente na primeira temporada, entretanto saiu da terra dos Beatles rumo ao Stamford Bridge alegando para a mídia que finalmente iria para um time em condições de ser campeão e, por um assustador valor aproximado de £ 50.000.000,00, rumou sem títulos e sem o respeito dos torcedores dos Reds. Em contrapartida Bellamy custou aos cofres do Liverpool £ 6.000.000,00 o que dá um valor de £ 333.333,33 – e mais alguns “3333” de centavos fracionados – por gol marcado e ganhou além de uma Supercopa da Inglaterra o respeito dos torcedores do time vermelho de Liverpool e daqueles que admiram quem joga com raça.

 

Na atual temporada 2011-12, Bellamy chegou ao time como opção sem custos para suprir a carência de homens de ataque resultado da saída de jogadores como N’Gog e Jovanovic para Bolton e Anderlecht respectivamente. Provou dentro de campo o quanto é visto com bons olhos pelos torcedores no último encontro do Liverpool com o Manchester City pela Carling Cup (ou, para os não adeptos do “Naming Rights”, Copa da Liga Inglesa) aonde foi decisivo para classificação a final após marcar aos 74 minutos de jogo o gol de empate garantindo ao time a única e real possibilidade de disputa título contra o Cardiff City, dia 26 de Fevereiro no lendário Wembley.

 

Num Chelsea digno de ser chamado de “Galáctico” por seu proprietário Roman Abramovich (tema que em um futuro post será desenvolvido), Torres chegou com status de estrela para ameaçar a titularidade de Drogba, cuja idade já vem se aproximando, uma vez que jogaderes como, Anelka (que fora destacado mais como ponta até se transferir para China nesta última janela), Kalou (que é tido como peça de composição de elenco) e o recém-chegado Lukaku (ainda sem experiência) não parecem aptos para tal. Entretanto as esperanças depositadas em Torres vêm sendo diluídas a cada rodada que o “matador sem balas” deixa de marcar, resumindo, na atual temporada o atacante marcou apenas 4 gols (na derrota por 3 a 1 contra o Manchester United em setembro e contra os modestos Swansea e Genk, sendo este último alvejado por dois gols do Niño).

 

Pois bem, Bellamy, como já explicado, foi e voltou para um Anfield que o recepcionou de portas abertas, portas estas por onde entraram outro “matador” com o objetivo de substituir Torres: Andy Carroll, que pelos escassos gols marcados parece que esqueceu suas balas no Newcastle, seu último clube, tendo marcado na atual temporada apenas 5 gols. É aqui, portanto, que nos lançamos no seguinte questionamento: com o péssimo desempenho de Carroll e a possibilidade contratar o espanhol por 20 Milhões de Libras na janela de inverno – valor pedido pelo Chelsea segundo o tablóide DailyMail – teria o Liverpool tentado sua reintegração ao elenco se não fossem as declarações do Niño? Afinal os Reds precisam de um atacante e se a formula deu certo no passado por que não tentar novamente? Pois bem, imagino numa adaptação do cântico “You’ll Never Walk Alone” dos adeptos a seguinte resposta em uníssono: “Alone… You’ll never walk alone” (traduzindo: “Sozinho… Você andará sozinho”).

 

Despeço-me aqui com um grande abraço e contanto com críticas e sugestões, afinal os elogios somente virão do trabalho árduo e como este é somente o meu primeiro post ainda me falta muito para recebê-los.

 

 

 

 

 

25 vezes Ferguson

Nesta semana o Sir Alex Ferguson comemorou a incrível marca de 25 anos no comando do poderoso Manchester United, para coroar esse feito postarei 25 fatos da carreira e da vida do melhor técnico da história do futebol.

    1. Escocês nascido em Glasgow no dia 31 de dezembro de 1941, Alexander Chapman Ferguson, mais conhecido como Sir Alex Ferguson, além de técnico também foi um bom centroavante.
    2. Começou a carreira no pequeno Queen’s Park de Glasgow, e após grandes temporadas pelo mediano Dunfermline nas quais marcou 66 gols em 88 partidas, foi contratado por seu time de coração, o Rangers.
    3. Chegou ao Rangers com status de ídolo, e dentro de campo correspondeu marcando mais de 1/2 gol por jogo, porém uma polêmica em sua vida pessoal encurtou sua passagem pelo clube protestante de Glasgow. Apesar de ser de família protestante (o que na época era pré-requisito obrigatório para jogar pelos Rangers) Ferguson se casou com uma mulher católica, o que gerou um profundo mal-estar no clube. Após afirmar que havia se casado por amor e que era casado com Cathie e não com a igreja ou com o clube, acabou sendo forçado a deixar os light blues e se transferir para o Falkirk.
    4. No Falkirk acumula as funções de jogador e treinador, mas após a contratação de outro técnico, volta a ser apenas jogador.
    5. Após encerrar a carreira no Ayr United, inicia sua carreira de treinador no pequeno East Stirlingshire, um clube tão modesto que sequer tinha um goleiro de ofício, mesmo com todas essas limitações fez um grande trabalho que o levou a um clube maior, o St Mirren.
    6. No St Mirren fracassou e acabou despedido, mesmo assim os dirigentes do Aberdeen viram seu talento e resolveram apostar no talento do até então desconhecido e inexperiente Ferguson.
    7. Assumiu o Aberdeen em 1978 e começou a série de incríveis façanhas que se tornariam rotina em sua carreira. O clube não ganhava um título há longos 23 anos e em 8 temporadas no clube ganhou nada mais que: 3 campeonatos escocêses, 4 copas da Escócia, 1 copa da liga, 1 recopa européia e 1 super copa da europa. Isso com um clube mediano, em um campeonato dominado por 2 clubes (Rangers e Celtic) que monopolizam praticamente todos os títulos do país.
    8. Após comandar a seleção escocesa em grande campanha na copa de 1986, Ferguson teve a grande oportunidade de sua vida, assumindo o Manchester United.
    9. No início o  Manchester passou por grandes dificuldades e em sua primeira temporada acabou apenas em 11° lugar.
    10. Disciplinador, logo ao assumir os red devils tocou o terror afastando os astros beberrões Norman Whiteside, Paul McGrath e Bryan Robson.
    11. Na temporada seguinte, com alguns bons reforços, Ferguson levou os red devils ao vice campeonato inglês.
    12. Na temporada 89/90 a equipe alternou um longo período entre empates e derrotas e chegou a sofrer uma acachapante goleada de 5 a 1 para o arqui-rival Manchester City.
    13. Ainda na temporada 89/90 Ferguson teve seu trabalho questionado por grande parte da torcida que não aceitava ver um trabalho de longos 3 anos ainda não apresentar nenhum grande resultado.
    14. Em uma consulta informal a dirigentes do Leeds, Ferguson perguntou meio que de brincadeira sobre o atacante francês Eric Cantona, acabou contratando o jogador que mudou a história do Manchester united, transformando-o em um dos maiores clubes do mundo.
    15. Em 1999 na final da Champions league contra o forte time do Bayern de Munique colocou no final da partida os atacantes Ted Sheringhan e o norueguês Ole Gunnar Solskjaer. E aos 43 minutos do segundo tempo os bávaros venciam a partida por 1 a 0, mas a partida acabou 2 a 1 para os red devils com gols de Sheringhan e Solskjaer.
    16. Apesar de seus detratores o acusarem de ser mais um gerente do que um técnico propriamente dito, Ferguson não apenas comanda a parte tática do time, como também fez fama como criador de surpreendentes jogadas ensaiadas, as quais seus auxiliares obrigam os jogadores a repetir exaustivamente em treinamentos.
    17. Apesar de assumidamente míope, tinha o hábito de ver partidas sem óculos, até que após uma derrota entrou nos vestiários “cuspindo abelhas africanas” pra cima do goleiro dinamarquês Peter Schmeichel que supostamente havia falhado em um gol. Após a educada explicação do goleiro de que a bola havia desviado, Ferguson retrucou dizendo: “Só se desviou na sua mãe”. No dia seguinte Feguson viu o gol (e o desvio) pela TV em sua casa, pediu desculpas para o goleiro e nunca mais voltou a acompanhar uma partida sem óculos.
    18. A fama de durão não é à toa, após uma discussão com o astro David Beckhan, arremessou uma chuteira no jogador, cortando-lhe o supercílio.
    19. A quantidade de títulos de Ferguson no Manchester United é simplesmente surpreendente, são: 12 campeonatos ingleses, 5 copas da Inglaterra, 4 copas da liga, 7 super copas inglesas, 2 títulos da UEFA Champions League, 1 recopa européia, 1 super copa da Europa, 1 copa intercontinental e 1 mundial de clubes.
    20. Quando assumiu os red devils o maior campeão ingês era o Liverpool com 16 títulos, enquanto que o Manchester United tinha ganho o campeonato inglês 7 vezes.
    21. Hoje o Liverpool possui 18 títulos, enquanto que o Manchester é o maior campeão inglês com 19 conquistas.
    22. Assim como o histórico Matt Busby, Ferguson revelou grandes jogadores nas categorias de base, fazendo com que os garotos revelados por ele ganhassem o apelido Ferguie babyes em homenagem aos Busby Babyes revelados por Matt.
    23. Se entre os Busby Babyes surgiram talentos como George Best e Bob Charlton, os Ferguie Babyes David Beckhan, Paul Scholes, Gary Neville e etc não ficam atrás.
    24. Em 25 anos comandou os red devils em muito mais de 1000 partidas e escalou o craque Ryan Giggs mais de 800 vezes.
    25. Assumiu um clube já grande e de história centenária, e em 25 anos conseguiu aproximadamente 2/3 das conquistas do clube.

Encerro a homenagem a um dos maiores vencedores do futebol com uma frase de minha autoria: “Ferguson não é o Pelé dos técnicos, Pelé que é o Ferguson dos jogadores.”

10 Uniformes de Goleiro que fizeram história

Desde as primeiras versões das regras do futebol, foi definido que o goleiro deveria utilizar um uniforme que diferenciasse dos outros jogadores. Inicialmente foram usados uniformes de cores neutras e discretas, como preto, branco e azul, porém a partir dos anos 70 e 80 começou a haver uma revolução de cores e padrões, que chegou ao ápice nos 90, tornando as vestimentas de goleiro em um retrato da personalidade do goleir.  Para mim esse são 10 (mas não únicos)  uniformes de goleiros que fizeram história:

1 –  Emerson Leão – A partir da metade de sua carreira, Leão começou a usar uma camisa listrada horizontalmente com as cores do clube que defendia e essa se tornou uma de suas marcas. Na Imagem, réplica da usada no Palmeira feita pela Adidas  recentemente.

2 – Zetti – Clássico uniforme vermelhofeito pela penalti que foi usada em boa parte da sua passagem pelo São Paulo. Recebeu uma réplica uns anos atrás, feita pela Reebok.

 

3- Taffarel –  Os uniformes usados nas Copas de 94 e 98 são belíssimos (principalmente em comparação com os atuais)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4 – Rogério Ceni – No começo dos anos 2000, rogério começou a usar camisas com desenhos seus em situações como dirigindo um monster truck ou pilotando um avião, após um tempo aposentou essas camisas.

 

 

 

 

 

 

 

 

5- Chilavert – Se não o primeiro goleiro a usar ilustrações na camisa foi o principal jogador a popularizar. Suas camisas ficaram famosas pela ilustração do cão. Nos últimos anos de carreira usou camisas mais discretas.

 

6- Jorge Campos – Bom goleiro Mexicano que nunca foi levado a sério graças a sua excentricidade e uniformes extremamente coloridos.

7 – Ronaldo – Não sei se era imposição da fornecedora ou se era do próprio jogador, mas as camisas usadas no Corinthians sempre tiveram uma beleza peculiar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8- Template Adidas Copa 94 – Uniforme usado pelos times que vestiam adidas na copa de 94, a grande diferença pra cada seleção eram as cores usadas, porem seu desenho marcou. Na foto o mítico goleiro Sueco Thomas Ravelli.

9 – Pablo Aurrecochea – Goleiro Uruguaio do Guarani do Uruguai, famoso por usar uniformes baseados em super heróis ou desenhos animados.

10 – Jerémie Janot – Goleiro frances do Saint Etienne. Talvez o goleiro mais fanfarrão em atividade, ja chegou ao ponto de até usar uma mascara de homem aranha.