Apagão, derrota… e pra compensar uma apresentação

Depois de tantos incidentes lamentáveis, gente morrendo por nada, gente brigando por nada(até onde me consta, futebol é diversão, não guerra), pensava até em deixar o jogo de lado, que de certa forma foi posto de lado, em vista de tantos eventos dignos de meros marginais, que envergonham aqueles que são os verdadeiros torcedores de ambos times. Entretanto com a chegada e apresentação do Wesley, aproveitarei, para além de comentar sobre a chegada do sexto reforço do time, dar um ponto de vista diferente da imprensa corintiana, que na segunda soltava um monte de asneiras(pra não dizer outra coisa), pensando que o ouvido dos outros é privada.

O jogo(o real, não o criado por boa parte da imprensa) teve 3 momentos:

Primeiro tempo – O Palmeiras tendo entrado muito melhor, praticamente dominava as ações do jogo e o Corinthians limitava-se a ficar em seu campo e arriscar umas poucas vezes. Dois lances que pra mim foram no mínimo absurdos, foi a solada do Liédson no Deola(esse pra mim imprudente e nem tanto maldoso) e o pisão do Chicão no Barcos(esse imprudente E maldoso). Já vi muito comentarista de arbitragem e comentaristas mesmo, chiarem por muito menos, ex-árbitros que sempre falam em “imprudência e força excessiva que deve ser punida com expulsão”, dessa vez simplesmente disseram que foi do jogo e que não valia a expulsão. Evidentemente que sim, já que é muito natural durante o jogo você disputar uma bola, indo com o pé na altura da canela do adversário e torcendo o tornozelo do mesmo, é simplesmente ridículo a ruindade do árbitro em não punir um lance desse com expulsão e a tendenciosidade da mídia em dizer que isso não foi nada. O Palmeiras marcou seu gol através de um belo chute do Marcos Assunção(que comemorou ao estilo Professor Raimundo em uma bela homenagem ao Chico Anysio) e o time apesar de ter tido chance, não matou o jogo.

Primeiros 10 minutos do segundo tempo – O time deu o mesmo apagão/acomodada que vinha dando nos últimos jogos(casos de Ponte Preta e (o primeiro contra o Coruripe) e achou que tava tudo certo e o jogo ganho, porém isso em clássico não vale e em duas bobeadas do Márcio Araújo(que diga-se não é costume dele errar de forma tão grotesca), renderam o empate e a virada. O time travou de tal forma que por pouco não levou o terceiro em seguida.

Restante do segunndo tempo – Aproveitando-se da total desorganização alviverde, o Corinthians simplesmente recuou(como é de praxe) e apenas administrou o resultado, pois quando o Palmeiras voltou a se organizar, faltavam poucos minutos pra terminar e as chances criadas já eram puramente base de desespero. O time durante praticamente toda segunda etapa, nem de longe mostrou o toque de bola e organização que tem sido sua marca durante o ano.

O time corintiano mereceu a vitória porque soube aproveitar as oportunidades e o momento de falha(ou pane como queiram) do time do Palmeiras, porém não vi a superioridade dita nos comentários da segunda-feira em boa parte dos programas de esporte. Vi sim dois times muito equilibrados e equivalentes, pois em nenhum dos dois casos os times tem um Neymar por exemplo, como fator de desequilíbrio, tem sim o conjunto como forte.

O maior problema do time palmeirense é depender de jogadores como o Ricardo Bueno para dar um rumo diferente ao jogo. Eu inclusive havia comentado sobre ele na coluna anterior, que achava ele muito pouco confiável e como tal fez jus ao que eu disse, sendo elemento nulo quando entrou, inclusive errando praticamente tudo o que tentava. Daniel Carvalho fez muita falta, pois na minha opinião ele vinha jogando até melhor que o Valdívia e ele sim poderia mudar o rumo do jogo caso fosse uma opção para entrar. Esse ainda é o maior defeito do time, o número reduzido de boas opções ofensivas.

 

Wesley é apresentado!

Como havia comentado há pouco mais de uma semana, era fato que o Wesley chegaria ao final do período daquela arrecadação(que diga-se, foi um algo pra lá de desconexo e sem razão). Tirando tal evento, a chegada dele deixa o meio campo do time muito bem encaminhado, já que passa a ter uma opção diferente para segundo volante e alguém que pode jogar tanto mais recuado, como mais à frente de segundo meia. Deve ser titular rapidamente do time e não tenho a menor dúvida de que fará tanto sucesso quanto as outras contratações do time.

Olhando para o elenco atual, o que fica faltando é basicamente uma opção melhor pra lateral esquerda(Juninho está muito a frente do Gerley) e melhores opções de ataque(os reservas de Barcos e Maikon não chegam nem perto do nível dos titulares), considerando que o Luan esteja de volta para o brasileirão e ele e o Maikon podem se revezar na função, creio que mais duas contratações deixariam o elenco do Palmeiras em condições de entrar no Brasileirão almejando no mínimo uma classificação direta para a Libertadores. As seis peças contratadas até o momento foram muito bem escolhidas e além de qualidade, deram mais profundidade ao elenco que tem mais opções que lances esporádicos de bola parada.

Ainda sobre reforços, esse já está, mas a notícia é boa como se fosse uma contratação: nos próximos dias a direção deve confirmar a contratação em definitivo do zagueiro Henrique, que tinha seu vínculo se encerrando no meio do ano. Ótima notícia, haja visto que ele vem jogando em alto nível esse ano, lembrando sua boa fase da primeira passagem pelo Palmeiras

Pra finalizar: quarta contra o Paulista deve ser a primeira oportunidade de poder apreciar a estréia do mais novo reforço alviverde.

 

Deixe uma resposta