Escolha uma Página

Peço desculpas aos colunistas que escrevem sobre o futebol do Rio e, em especial, ao Vasco. Mas não poderia deixar esse relato passar.

Há um bom tempo não tenho mais a mesma alegria e vontade de acompanhar o futebol como tinha antes.

As baixarias, as intrigas e as maracutaias de diretores e a falta de comprometimento de muitos jogadores minaram o tesão.

Mas foi preciso voltar a ver meu ídolo em campo para essa paixão toda voltar. E aos montes!  Ontem, infelizmente, não pude ver o amistoso entre Vasco e Barcelona de Guayaquil. Quando vi o placar do jogo achei que fosse brincadeira. Mas bastou ver alguns momentos da partida para entender que não era. Como é bom ver um bom futebol e como é bom ver nosso ídolo em campo.

Estou falando dele. Edmundo mostrou porque foi e é idolatrado por vascaínos e palmeirenses. Jogou, driblou, fez gols, deu passe para outros, comemorou com provocações aos adversários flamenguistas, enfim, mostrou em menos de 90 minutos o porquê sempre foi o ANIMAL.

Capa da primeira edição de “Placar – Futebol, Sexo & Rock’n Roll”, em abril de 1995

Quisera eu que outros jogadores tivessem o mesmo talento e capacidade que esse cara teve e tem de encantar. Falam de Messi, de Neymar, de Pato, de Kaká, de Cristiano Ronaldo, de Payol, etc etc etc. Mas pra mim, nenhum chega ao status de ídolo como Edmundo chegou.

Que fique claro que não estou comparando técnica ou estilo de jogo. Falo de algo maior. Do status de ídolo mesmo. E pra mim, no futebol, do que vi jogar até agora só Edmundo e São Marcos.

Ontem, ver e ouvir a torcida de São Januário pedindo para o craque ficar, não me surpreendeu. Até hoje gostaria de vê-lo no meu time. Tenho certeza que sua estrela brilharia fácil. E que seria muito melhor em campo do que muitos atacantes que temos em atuação.

É tão fácil falar dele. Jogador de habilidade imensa, rápido, polêmico, artilheiro e CRAQUE. Poderia falar o dia inteiro dele e mesmo assim teria a sensação de que seria pouco.

É na fase que ele jogou no meu time que tenho as melhores lembranças. Os títulos do Campeonato Paulista, os gols – Quem não lembra do ataque formado por Edmundo e Evair?, as disputas na Libertadores, representando a seleção brasileira, etc.

Foi o primeiro jogador que fiz questão de acompanhar a carreira inteira. Por onde ele passou, torci por ele. Fiorentina, Flamengo, Vasco e até Corinthians para citar alguns.

Até por isso, não ouso dizer que isso seria um texto de homenagem. Ele merece muito mais. Mereceu a festa de ontem, merece as homenagens que vão vir ainda. Merece e deve ser sempre lembrado.

Obrigada Edmundo por me ensinar o que é futebol de alto nível, por me ensinar o que é um drible da vaca (Também conhecido como meia-lua. É um drible onde o jogador de frente para o oponente, toca ou chuta a bola para um lado, e corre para o lado oposto, buscando a bola novamente), obrigada por todos os títulos, obrigada por todos os gols.

 

%d blogueiros gostam disto: