A retranca nessa copa não teve vez

Aproveitando que os jogos do outro lado da chave serão neste sábado, não posso deixar passar um fato sobre dois times que caíram nas oitavas e que acho que merecem uma citação: a seleção Grega e a seleção dos EUA.

Das 16 seleções que passaram de fase, digo sem pensar duas vezes que eram os dois times de futebol mais feio que se classificaram. Credito a passagem de ambos muito mais a incompetência dos rivais de grupo do que propriamente pelo primor do futebol de ambas.

A Grécia no grupo C contou com as brigas de ego entre os marfinenses e as panes futebolísticas japonesas para conseguir passar. Os EUA por sua vez contaram com a copa ridícula dos portugueses(que também por conta de contusões jogaram sem padrão nenhum de jogo) e claro pelos ganeses, que tinham para mim a segunda melhor seleção da chave, mais preocupados em receber a premiação do que jogar bola.

Grécia cai nos pênaltis frente aos costa riquenhos
Grécia cai nos pênaltis frente aos costa riquenhos

O futebol nesse caso acabou até sendo justo e ambas caíram cedo. A Grécia chegou mais perto de passar, mas muito em função do fato da Costa Rica ter sentido o peso de ser a favorita do confronto. Entrou muito nervosa e não conseguiu matar o jogo quando deveria, porém conseguiu superar o time grego nos pênaltis.

Os EUA por sua vez foram eliminados com requintes de crueldade. Sofreram o jogo inteiro e boa parte da prorrogação com um bombardeio de chutes que poucas vezes s viu em jogos da copa, não para menos o Howard entrou para a história como o goleiro com maior número de defesas em uma partida(16) em um total de 38 chutes dados pelos belgas. O time nem é dizer que não tentou, mas simplesmente não conseguiu jogar, pois a seleção belga é consideravelmente superior. Conseguiu achar um gol naquele momento de pressão onde vai para o ataque na base do “tudo ou nada”.

Não sou daqueles entusiastas que acham que os americanos estão chegando. Para mim continua sendo uma seleção de futebol feio com jogadores no máximo medianos. É fato o aumento do sucesso da seleção, pelo menos no caso da copa, porém não os vejo como futuras potências. Acredito que cheguem a um nível de seleção médio pra bom, digamos assim um México da vida, porém com muito menos técnica, tendo como ponto forte o jogo tático. A seleção grega por sua vez viu o último suspiro da geração campeã da euro 2004. Deve ser um time que a não ser que conte com a sorte nas eliminatórias, deve demorar pra voltar a disputar outro mundial.

Ver seleções como essas tendo vida curta inegavelmente me deixa muito satisfeito, pois é a mostra que o futebol deve ser jogado para o ataque em busca de marcar gols e não de não tomá-los. Muito bom que a tendência da primeira fase foi mantida e as seleções que vão avançando são as que mostraram maior disposição em jogar para a frente. Que a tendência dessa copa siga para esse próximo ciclo.

Deixe uma resposta