A história de como se assiste futebol no Brasil.

Que todos nós apaixonados por futebol adoramos assistir e comentar futebol é inegável. Mas se pararmos para analisar, a forma como fazemos isso mudou demais com o passar dos anos.

Quando o futebol se popularizou no Brasil, isso no início do século passado, o meio de comunicação de massa único era o rádio. Foi através dele que se acompanhou as primeiras copas do mundo, inclusive a de 50 e o fatídico “Maracanazzo”, os primeiros campeonatos regionais e nacionais de futebol, entre outros torneios até então amadores. O rádio através da sua forma imaginária, e folclórica, atenuou bastante o amor que o brasileiro tem por esse esporte. Eram comuns grupos, famílias, amigos, se reunirem para torcerem pelo seu time e pela seleção. Esses grupos muito mais que assistir, comentavam, discutiam, ou seja, já faziam por merecer o título de milhões de técnicos que temos em nosso país. Nessa época surgiram também os primeiros programas de debates esportivos, apenas migrando de bares e ruas, para o rádio.

Com a chegada da televisão e sua rápida popularização, muito se imaginava o fim da era do rádio nas transmissões e debates esportivos. Mas na verdade isso não ocorreu. Seja pelo alto custo das televisões até então, pelo baixo número de jogos televisionados, ou até mesmo pela tradição criada pelos jogos narrados no rádio. Passadas décadas, mas precisamente nos anos 80, a televisão entre forte nas transmissões esportivas. Com isso crescem o número de jogos televisionados e surgem diversos programas de debate sobre futebol também na TV. Esses programas em sua maior parte contavam com integrantes oriundos do rádio e que mostravam sua cara na telinha.

Você deve pensar que o Rádio nesse momento, enfim, começa sua decrescente no número de público, de ouvintes. Mas novamente não é o que ocorre. Os jogos televisionados em sua maioria são os jogos fora das cidades e ainda assim eram transmitidos poucos jogos, com exceção de finais.

Na década de 90, temos o “boom” de programas de discussão sobre futebol na TV, que popularmente acabou conhecido como “Mesas Redondas”. Eram poucos canais que domingo a noite não tinham em sua grade um programa que seja sobre o assunto. Nessa década, temos dois acontecimentos que mudariam radicalmente a transmissão de futebol no país. Primeiramente a Rede Globo de Televisão entra com todo seu forte capital na disputa pelos direitos dos campeonatos de clubes e com isso começam as alterações de horários, datas, entre outros interesses. Outro fator que revolucionou a relação TV e futebol no Brasil foi o projeto iniciado pela TVA, juntamente com o canal ESPN Brasil, de transmitir para quem pagasse pelo canal pago, os jogos realizados na cidade de origem dos assinantes.

Como a Globo percebeu que financeiramente o futebol era uma mina de ouro, no final da década de 90 é criado pela Globosat o canal Sportv também para planos a cabo de televisão, e no início da década de 00 os canais Globosat compram o direito exclusivo de transmissão do brasileirão, criam o sistema PPV (Pay Per View), onde além do assinante pagar a TV a cabo, ele deveria pagar pela exibição de todos os jogos do campeonato e a rede Globo mais do que nunca define horários, datas, estádios e o que mais puder na realização dos campeonatos nacionais e estaduais. A patir da copa de 2002 a Rede Globo monopoliza também a cobertura de copas do mundo para a TV aberta, e com isso, nos jogos da copa do Japão e Coréia obteve um dos seus maiores índices de audiência de sua história.

É também no início da década de 00 que a maior revolução da comunicação começa a se popularizar e com isso a Internet chega também ao futebol. São centenas de blogs e grandes portais de notícias que chegam com equipes esportivas. Com o avanço da tecnologia, esses portais inserem vídeos de jogos, gols, melhores momentos e debates sobre as partidas em seus sites. São criados também na grande rede, podcasts, rádio´s e TV´s Web, dessa forma, criando canais alternativos e mais democráticos de cobertura esportiva.

A partir de 2004, temos o início do auge das redes sociais, e através do Orkut temos a criação das comunidades internas de discussão sobre futebol. Nesse momento temos novamente, como foi com o início da era do rádio, concentrações de torcedores discutindo futebol, ainda que não fisicamente. Hoje temos a consolidação dos debates esportivos nas redes sociais através do facebook e principalmente do twitter, onde populares podem interagir ao mesmo tempo com amigos, jornalistas e os próprios jogadores, dessa forma potencializando em grandes números o percentual de comentaristas de futebol.

Como se percebe, o futebol vive se adaptando ao mundo em que vivemos e aos meios de comunicação. A grande paixão nacional se modifica, e porque não dizer, modifica muita coisa no país também. Para nós que amamos o futebol fica a satisfação de ter sempre onde assistir e debater futebol. Seja no rádio, na TV e até na internet. O importante é viver o futebol.

Deixe uma resposta