A culpa é minha, só pode ser minha!

A CBF anunciou como Coordenador da seleções Gilmar Rinaldi. Aquele goleiro do bigode, se não lembram, aquele empresário do Adriano, do Danilo, do Fábio Santos. É, aquele mesmo.

Eu só não digo que chegamos ao fundo do poço, porque com as pessoas que comandam a CBF, não se sabe qual é o fundo do poço. Eu, sinceramente, já não sei mais o que esperar. Minha imaginação é incapaz de ir tão longe quanto à vontade daqueles que dirigem a seleção brasileira. Não digo nossa seleção, pois, claramente, de nossa não tem nada.

Gilmar Rinaldi, até hoje pela manhã era agente de jogador, empresário de vários atletas, eis que de repente ele larga essa tão lucrativa carreira para se tornar coordenador das seleções.

E ainda diz que não há conflito ético. Claro que não, para ele que já foi deixou de ser e voltou a ser empresário do Adriano sempre por motivos misteriosos, para ele que aceita um cargo desse, entendo que não haja conflito nenhum. Para Marín, Del Nero, Mano Menezes, eles não devem se sentir com a moral abalada. E é por isso que não iremos evoluir.

Enquanto o poder falar mais alto que a ética, que a moral interna de cada um, não dá para ir para frente. Eu me pergunto, e agora, a cada convocação, digamos, controversa, quem não irá desconfiar de Gilmar? E se tempos depois esse jogador for vendido? Como acreditar que não há interferência desse coordenador nisso?

Não bastasse, Gilmar já disse que não contratarão treinador estrangeiro. As pessoas têm falado tanto nisso que acho que estrangeiro é uma doença incurável.

E é muito simples, pode ser brasileiro, americano, argentino, alemão, pode ser de qualquer lugar do mundo, basta ser bom, quiçá o melhor. Alguém acredita que temos no Brasil alguém que seja realmente bom? Tenho certeza que não.

Por tudo isso eu digo, a culpa é minha! A culpa é minha de ainda acompanhar a seleção. De me interessar por ela, torcer, vibrar e me chatear. Cada vez mais tenho que concordar com Mauro Cezar Pereira; a seleção não é brasileira, é “cebeefiana”, é o brinquedo deles, em que ficam rico, desfilam seu poder, sua falta de capacidade e seu caráter dúbio.

É, a culpa só pode ser minha, ou como diz um grande amigo meu, “Pois é, depois, o errado sou eu”!

2 ideias sobre “A culpa é minha, só pode ser minha!”

  1. Eu parei de torcer pra seleção da CBF antes de 1998.
    Não consigo entender como ainda existem pessoas tolas que vibram com essa farsa. Só lamento por essas almas infelizes.

  2. Perfeito! Diz o Delfim que o Leonardo recusou o cargo. E o pior: o Gilmar nao tinha contrato assinado com muitos jogadores, como o Danilo, ou seja, o contrato é verbal e, assim, não há como saber realmente quem era empresariado por ele.

Deixe uma resposta