“Meninos da vila” decidem e Santos vence seu 21º paulista

Robinho, Renato, Elano, Ricardo Oliveira… Quem ouve pensa que está se falando do time do Santos dos anos de 2002 à 2004, porém o ano é 2015 e mesmo eles já não sendo mais os “meninos da vila”(apesar de apenas o Robinho ser realmente formado lá, e o Ricardo ter se destacado primeiro na lusa, ainda sim todos ficaram marcados por essa alcunha da época), fizeram novamente história, levando um time desacreditado no começo da temporada ao um surpreendente e merecido título de campeão paulista de 2015, vencendo o também surpreendente(mas por outras razões) finalista Palmeiras nos pênaltis, depois de uma vitória por 2 a 1 no tempo normal(havia perdido o primeiro por 1 a 0).

Continue lendo “Meninos da vila” decidem e Santos vence seu 21º paulista

Contagem regressiva: Da vantagem à preparação para buscar o título paulista

O domingo será bastante especial para o time do Palmeiras, pois pode coroar mais cedo do que todos esperavam, até do que estava no planejamento do time(que era lutar por títulos em 2016) esse bom trabalho que vem sendo feito no departamento de futebol. A semana após a vitória de 1 a 0 no domingo foi de total concentração, tanto que o time reserva foi mandado para o primeiro jogo contra o Sampaio Corrêa pela Copa do Brasil e o mesmo empatou em 1 a 1 com o time maranhense.

Olhar o resultado do primeiro jogo e as reações(certa resignação palmeirense e comemoração santista), pode até se justificar quando se pensa que o Palmeiras perdeu um pênalti e jogou com um mais praticamente todo o segundo tempo, porém indo mais a fundo, se nota que o resultado foi muito mais significativo do que somente o 1 a 0.

Primeiro, pela forma como a vitória foi conquistada: o time do Palmeiras dominou o jogo inteiro, praticamente não houveram chances de perigo para o time santista.

Segundo, por cada vez mais ficar evidente que o time do Palmeiras consegue ser forte e competitivo na ausência do Valdívia e com o Cleiton Xavier sendo o novo maestro do meio campo, posto que divide com o Robinho. O time ganha muito com a qualidade de passe dos dois, não chega a perder tanto nos lances criativos(apesar de inegavelmente o Valdívia ser o melhor do time nisso) e tem um jogador muito mais confiável, afinal o Cleiton não tem histórico de ficar parado muito tempo.

Por fim, a dependência do time santista no Robinho. Era notável a queda considerável do time sem sua presença. Para os padrões nacionais, ele está muito acima da média e faz diferença para qualquer time, porém o que se via era um time dominado pela marcação alviverde e que não via alternativas para sair dela. Mesmo com seus outros destaques(Lucas Lima, Geuvânio e Ricardo Oliveira) em campo, se via um time pouco criativo e que o máximo que conseguia eram umas tentativas em velocidade com o Geuvânio, já que o Ricardo Oliveira ficou preso a marcação.

O time não entrando para segurar resultado(o que seria suicídio contra um time que ataca demais), tem totais condições de volta da Vila com o título na bagagem. A defesa do Santos mostrou ser o ponto fraco do time e se fazendo pressão desde o início do jogo, o time santista pode ficar mais acuado, justamente preocupado que possa tomar mais um gol e assim complicar de vez suas chances de vencer.

Até pelo estilo de jogar, o Oswaldo não deve apostar em um time defensivo e com a ausência do Arouca, irá confiar em Robinho recuado e alternando com o Cleiton(que também sabe fazer a função de volante) e com o Gabriel um pouco mais fixo, indo menos a frente do que costuma ir.

A dupla de zaga foi bem(os dois Vitors) e além de forte, se mostrou mais rápida. Apesar de ainda achar o Tobio melhor tecnicamente, talvez a aposta em uma zaga mais veloz deva ser mais acertada, até pela velocidade do ataque santista.

Conquistando o primeiro título logo na primeira competição dessa nova era palmeirense, será um resultado acima de tudo que se esperava e mesmo sendo um título paulista, já será mostra de que as coisas serão mto diferentes daqui para frente.

Até mesmo se for derrotado e perder o título, ainda sim é algo a ser muito valorizado, pois já nesse começo de trabalho, o time se mostrou competitivo, voltou a vencer clássicos, eliminou o Corinthians dentro de sua própria casa e disputou de igual com o time do Santos, que mesmo sem um elenco tão vasto, tem um time titular forte. Sinal que o trabalho está no caminho certo.

Mérito para o Oswaldo que fez o time “dar liga” muito antes do esperado, já se nota padrão de jogo, muito mais entrosamento e jogadores com rendimento acima do esperado(casos por exemplo de Gabriel, Robinho, Lucas, Vitor Hugo, Victor Ramos), e opções, pois além dos titulares, diversos jogadores podem entrar, sem que o time caia de nível.

Para não passar batido, vale algumas considerações sobre o empate do meio de semana:

– Gabriel Jesus de fato não pode ser titular, ele ainda precisa continuar como opção, talvez para ganhar mais confiança

– Alan Patrik, Kelvin, Amaral e Jaílson são boas opções para o time, não comprometem e tem se mostrado razoavelmente confiáveis.

– Ryder foi horrível, uma péssima partida

– Renato, Victor Luís e Ayrton oscilaram demais, mas ainda tiveram alguns bons momentos

– Cristaldo e Tobio mostraram que são jogadores tanto quanto ou melhores que os atuais titulares, acredito que devam voltar a fazer parte dos 11.

O Palmeiras pegou um adversário que disputará a série B do brasileiro e tem um time bem entrosado, com um time que nunca havia jogado junto praticamente, ainda sim criou mais, apanhou muito(e contou com erros do banderinha a seu favor também) e trouxe um resultado para São Paulo que será apenas para ratificar a passagem na próxima partida, aí já com os principais jogadores ou pelo menos boa parte deles. Decisão acertada de mandar os reservas, o time que se mantenha focado e não se desgaste com uma viagem tão longa, assim como o Santos que teve a semana livre.

A decisão será em pé de igualdade tecnicamente, mas com uma vantagem alviverde pelo resultado em casa. Há grandes chances do time sair vencedor, mas dependerá dele jogar com a mesma aplicação que mostrou nos 3 últimos clássicos, caso se confirme isso, ao final da partida, estarão os palmeirenses comemorando o 23º paulista.

O fim dos vexames? O respiro de esperança italiano

Não, o futebol italiano não saiu da crise feia que se instalou, com a falta de grandes jogadores e a dificuldade de manter os bons valores que aparecem lá e até mesmo conseguir atrair outros, porém os resultados dessa semana, com a classificação da Juventus para as semifinais da UCL e da Fiorentina e Napoli, para as semifinais da UEL(e com possibilidade de final italiana), são um alento para um futebol que vinha de anos de vexames em competições européias.

Continue lendo O fim dos vexames? O respiro de esperança italiano

Em dia de Prass, Palmeiras dá primeiro passo na volta ao protagonismo

O cenário não poderia ser mais desfavorável: a classificação como o pior dos 4 grandes, jogo na casa do rival, com ele invicto no ano e no estádio há mais de 20 jogos. O Corinthians era amplamente favorito e alguns até davam a classificação como certa do alvinegro. Indo contra tudo que se esperava, o Palmeiras não só fez um grande jogo(em boa parte melhor que o rival) e conseguiu nos pênaltis com uma atuação brilhante de Fernando Prass, uma classificação que certamente será daqueles grandes jogos da história.

Será muito em função de toda carga emocional, de ter sido o primeiro clássico decisivo no itaquerão, da classificação dramática nos pênaltis e da entrega de ambos times no jogo.

O Corinthians, por mais que tenha mantido o ótimo retrospecto em casa, ainda não se sabe como os jogadores irão assimilar uma eliminação dessas(ainda mais por ter sido para o maior rival, em casa…), apesar da competição não ser nem de longe uma das prioridades do time no ano, porém jogos como esses sempre são marcantes.

Principalmente pelo fato de ser algo marcante, que a vitória foi tão importante para o time do Palmeiras, pois além da questão moral, é um resultado que vem muito antes do esperado, pois o que se espera desse time é que ele realmente comece a dar resultados no ano que vem, porém essa disputa de título já no primeiro torneio, dá ainda mais crédito ao ótimo trabalho realizado pelo Oswaldo de Oliveira.

Ótimo principalmente quando se olha a diferença do time que enfrentou o mesmo Corinthians na terceira rodada e agora o da semi. Ele mudou praticamente todo o setor ofensivo e ainda contou com o problema inesperado de remendar toda a defesa, mas ainda sim fez o time jogar de uma forma muito segura, mesmo tendo precisado improvisar o Wellinton, que foi mal, mas não determinante para uma derrota. Contou também com uma atuação muito boa do Victor Ramos(que com o que vem jogando, deveria de entrar no lugar do Vitor Hugo), que até gol marcou.

O time mostrou poder de reação, pois depois de sair na frente no placar(e aqui vai uma crítica ao time, que deu muito espaço ao Corinthians depois disso), tomou a virada, saiu para o intervalo perdendo e mesmo assim teve força para pressionar, empatar e até mesmo ter a chance de virar novamente o jogo. Mérito tanto do bom começo, como da reação, do Oswaldo, que soube montar muito bem o time, soube como marcar as principais jogadas do rival(vide a dificuldade que eles tinham na saída de jogo), assim como inteligência e ousadia nas mudanças(ele soube como virar a situação a favor com as entradas, mesmo improvisadas dos jogadores, dando mais volume de jogo ao time, que passou a pressionar e encurralar o time corintiano

Contou com uma partida excelente do Cleiton Xavier, que foi quase um “maestro” no meio, pois junto com o Robinho e Arouca, iniciava praticamente todas jogadas ofensivas do time, além do que, dava a tranquilidade para os jogadores, pois mesmo atrás no placar, o time não se afobou, procurava construir as jogadas de forma pensada, buscando espaços, procurando os avanços do Rafael Marques e do Dudu(dois que atuaram muito bem também), tanto que a jogada do gol de empate saiu do meio, com um passe para o Dudu, que cruzou para o Rafael fazer de cabeça.

Rafael Marques que se tornou peça muito importante do time, pois avança, volta para marcar e sempre é opção para criação de jogadas. Ainda que durante o jogo eu mesmo quis que ele saísse para a entrada do Cristaldo, por achar que faltava alguém mais fixo na frente, ele mostrou que também pode ser opção para o toque final, aparecendo muito bem na área para marcar. Já é o artilheiro do time no paulista com 6 gols(muito acima do que eu esperava, diga-se). Ganhou definitivamente a posição de titular, ainda mais que mostra faro de gol em grandes jogos, pois já deixou 2 contra o São Paulo e agora um contra o Corinthians, falta o Santos, que o Palmeiras enfrenta na final…

Nota negativa para o Valdívia, que não jogou bem(e diga-se, não é do feitio dele, pois em jogos grandes ele costuma ir bem), saiu e fez bobagem ao ignorar o Oswaldo, quando o mesmo foi cumprimentá-lo, mas acabou que amenizou com a classificação do time(e ainda bem que isso ficou para segundo plano, pois dar destaque as gracinhas dele depois de uma classificação como essa, seria no mínimo um absurdo). Com o que jogou na última partida, deveria de voltar para o banco e entrar durante a partida, dando lugar ao Cleiton Xavier. sobre renovação? com o que fez nesse jogo(contando tudo, inclusive a bobagem da saída), já mostrou que se ficar, tem de ser com salário reduzido, exatamente da forma que quer o Palmeiras.

Por fim, exaltar o herói Fernando Prass, que com duas defesas excepcionais(sendo a primeira no último pênalti, onde era só o corinthians marcar, que estava classificado), garantiu a vitória do time nos pênaltis. Fez uma boa partida também, apesar de ter parecido falhar no gol do Mendoza e mesmo que tenha falhado, foi perdoado com sua atuação gigante nas penalidades. Como disseram, esteve em dia de “São Marcos”. secure web browser Sem dúvida um dos principais jogadores do time, e que passa uma confiança incrível para a defesa.

Sobre a final contra o Santos: o Palmeiras entra mais em pé de igualdade depois da semi, porém o Santos ainda tem ligeiro favoritismo, muito em função do Robinho, que vem sendo decisivo(pelo futebol e pela liderança) e por ser um jogador muito acima da média para os padrões do futebol nacional. A diferença porém fica muito reduzida, quando se tem um jogo na casa de cada time, pois o Palmeiras dentro de casa, consegue igualar e até mesmo fazer pender a vantagem ao seu favor, atuando no Allianz Parque. Dependerá muito de fazer um bom resultado em casa, para levar a vantagem para a Vila Belmiro e assim ganhar o primeiro título dessa nova fase de um Palmeiras que, cada vez mais mostra que está no caminho certo para a volta ao período de glórias.

No dia que Robinho e Dudu resolvem, o Valdívia resolve… tumultuar

O Palmeiras ontem deu andamento a reconstrução, montagem e entrosamento de seu time para o ano de 2015 e
conseguiu mais um boa vitória, agora em cima do Mogi Mirm, por 3 a 1. Destaque para o setor ofensivo com dois
gols de Dudu, um gol e duas assistências de Robinho e a participação do Cristaldo no lance dos gols.

O time mostrou que assimilou a atuação pífia contra o Red Bull Brasil, onde perdeu por 2 a 0, muito em função de
ter se deixado levar pela ótima atuação contra o São Paulo, na mesma semana.

A partida marcou também o retorno do Valdívia aos gramados e estréia dele na temporada, mas sobre ele falarei
mais à frente.

Anima ver o desempenho do Robinho pois, mesmo com a sombra do Valdívia no banco, ele conseguiu ter uma atuação
excelente na noite de ontem. Foi o cérebro do time, sempre participativo e mostrou, principalmente no segundo
gol, quando fez a rápida tabela com o Dudu, que tem margem para evoluir ainda mais no time. Marcou um belo gol,
depois do passe de Dudu, seu sexto na temporada.

Chamou atenção também a partida do Dudu, não só pelos lances ofensivos, mas pela sua noite de artilheiro. Marcou
dois gols pela primeira vez no ano, chegou a quatro na temporada. Seu estilo não é muito de artilheiro, mas
mostra que pode também deixar sua marca. Oscila ainda por ter momentos de fominha, quando quer resolver tudo
sozinho, porém nesse caso específico, o técnico pode lapidar o cara e mostrar a hora certa de ser fominha e a
hora de soltar a bola.

Faço uma citação especial ao Cristaldo e ao Victor Ramos. O primeiro vem sendo muito criticado pela seca de gols,
mas tem grande importância na movimentação ofensiva do time, além de ontem ter participado de dois, dos três gols
da equipe. Assim como todo o time, ele ainda está oscilando, mas no momento é de longe o melhor centroavante do
elenco. Dizem que pode chegar alguém para ser o centroavante(a imprensa corneta o cara sem dó), mas não vejo
muita gente melhor para essa posição no mercado. Talvez o próprio Lucas Pratto, que era a primeira opção quando
ele veio, teria sido uma opção mais interessante, porém ele tem muitas qualidades, principalmente em dar opção para os
meias.

Em relação ao Victor Ramos, ele vem sendo uma grata surpresa, pois mostra muita segurança cada vez que é
requisitado, até mais do que o próprio Vitor Hugo, atual titular da posição e que em alguns momentos se mostra
muito afobado(como na expulsão de ontem por exemplo). Ainda acredito que dessa leva, o melhor seja o Nathan, por
tudo que mostrou ano passado, mas é interessante para ele que vá ganhando seu espaço pouco a pouco, pois quando
chegar no time titular, não vai sair mais. Acredito que se continuar nesse ritmo, voltando aos dois citados, o
Victor Ramos acabe ganhando a posição, principalmente pela sua maior segurança e tranquilidade. O Vitor Hugo,
apesar de mostrar muita capacidade, ainda parece meio “verde” em alguns momentos.

O time teve uma atuação tranquila e muitas vezes pressionou o rival na saída de bola deles, mesmo ganhando por 3
a 1, tentando fazer mais. Interessante a vocação ofensiva do time e uma boa alternativa para tentar matar o
ímpeto do rival. Com mais de 29 mil pessoas no estádio, cada vez mais o Palmeiras vai fazendo do Allianz Parque,
seu caldeirão. Desde a derrota para o Corinthians, ainda na terceira rodada, foram apenas vitórias, sendo uma
delas, no clássico contra o São Paulo.

Como nem tudo é festa, temos o caso do Valdívia, que voltou, mostrou muita dedicação e fez até uma boa partida,
enquanto esteve em campo, mas quando saiu… parece que deu a descarga, porque pode-se dizer(com todo respeito)
que defecou pela boca. Fazia tempo que não lia tanta asneira.

Ele atirou pra todo lado, citou Kardec e Wesley(esse não foi perda, foi reforço), disse sobre o contrato de
produtividade, que se ele se machuca por conta de uma agressão rival, que a culpa não é dele, cobrou o Mattos
para resolver logo isso, que não dá para ficar esperando, ainda mais com o contrato perto do vencimento. Pasmem,
disse até que se estiverem de sacanagem com ele(se referindo as notícias que surgiram de acerto dele com outros
times daqui), que ele pode pegar e sair e ir para outro clube brasileiro mesmo. Menos Valdívia, muito menos…

Pela ordem:

– citar os dois casos é uma besteira sem tamanho, cada caso é um caso, não dá para comparar.
– se quiser ficar, que se adeque ao contrato de produtividade, que TODOS assinaram, se quiser ter um diferente, que vá embora.
– a direção está 100% correta, não deve fazer nada até ver ele em campo.
– se quiser ficar também, além da produtividade, deve baixar seu salário, pois se fosse cobrar por retorno, ele
deveria pagar ao clube e não o contrário.
– ele acabou de voltar, tem o Robinho como substituto, que apesar de não ter tanta técnica quanto ele, vem se
mostrando muito eficiente(15 jogos, 6 gols e 6 assistências), então ele ainda não tem muito por onde exigir a
coisa dessa forma, ainda mais se considerar que tem o Cleiton Xavier por estrear, ele não é mais tão
indispensável quanto pensa, apesar de ser ainda muito importante.

Ele conseguiu estragar o bom clima que ficou depois da vitória e faz realmente se pensar o quanto vale manter um
cara que desde o começo do ano tem se destacado só por problema, do que por solução. Como o caso de ir para o Chile
se tratar, o caso da caneca do rio, ir para a seleção, reclamar da renovação…

O ambiente no time está ótimo, o Oswaldo tem feito um ótimo trabalho, até nesse aspecto, mostrando que todos
terão sua chance, mantendo eles motivados a buscar seu espaço e ele chega e ao invés de se adequar e ajudar, só
atrapalha. Começo a achar que realmente vale mais a pena deixar ir, do que ficar insistindo e correr o risco de
atrapalhar esse ótimo início de trabalho que vem sendo feito.

Chegou a hora de ele ver que o time não gira mais
em torno dele.

Muita calma nessa hora

O primeiro jogo do Allianz Parque entre Palmeiras e Corinthians, acabou virando um verdadeiro pesadelo para a torcida palmeirense. O time ainda em formação, com apenas 3 jogadores do time titular que estavam também em 2014(Prass, Tobio e Allione) e com alguns jogadores ainda por estrear(casos de Cleiton Xavier e Arouca), acabou perdendo por 1 a 0 para o time misto do Corinthians(que contava também com jogadores chegados em 2015, porém em número bem menor, casos de Edílson, Edu Dracena e Mendoza).

Continue lendo Muita calma nessa hora

Escudo apagado, nome trocado e o marketing dos clubes indo para o espaço

Com os campeonatos estaduais em vias de estrear, clubes com sérias crises financeiras, viu-se no último fim de semana algo que ilustra bem o porquê uma mudança de panorama é tão difícil no futebol nacional.

Continue lendo Escudo apagado, nome trocado e o marketing dos clubes indo para o espaço

Depois de dois anos pouco nobres, 2015 será o ano da redenção?

Desde o fim de 2014, quando o Palmeiras não caiu, mais por sorte do que por juízo, o Nobre vinha sendo cobrado e pressionado(principalmente depois de sua reeleição) para que mudasse sua forma de conduzir o time, que nos dois primeiros anos tinha-se mostrado um grande fracasso.

Continue lendo Depois de dois anos pouco nobres, 2015 será o ano da redenção?

O Buraco Negro e o vácuo

Como bem disse o Fernando em post anterior, mas com outras palavras, o futebol brasileiro caiu em um buraco negro. Aliás, tentarei aqui não repetir muito o que já foi dito, mas com certeza esbarrarei em muitos conceitos já esposados.

Não trarei explicações para a derrota, são tantas e tudo já foi tão dito que não ajudaria em nada. Escolhi um tema para falar, e é quiçá o mais óbvio. A falta de treinadores bons no Brasil.

Falar dos erros do Felipão seria chutar cachorro morto, todos sabem seus erros. Mas o que me preocupa mais é o: e agora? Felipão cai, ok, mas quem entra?

Eu sou mais um adepto a trazer um técnico de fora